Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Economia ou segredo?

Minha coluna de hoje em A TRIBUNA
João Nassif
Por João Nassif 09/01/2019 - 07:52

O Criciúma fará hoje seu primeiro amistoso da era Doriva com portões fechados aos torcedores. O motivo alegado? Economia, pois abertura para o público geraria despesas que o clube não está disposto a bancar. Este foi o argumento usado para que os torcedores não conhecessem um pouco do que o time pode apresentar dia 17 na abertura do campeonato. Pode também ter sido exigência do técnico, pois como quase todos do futebol brasileiro tem lá seus segredos. 

BOBAGEM
Virou mania os técnicos fecharam treinos como forma de mostrar que trabalham de forma que os adversários não possam saber como seus times irão jogar. O esconder o jogo em treinamentos não garante qualidade na hora que é para valer. Fosse assim e os jogos terminariam sem vencedores como na expressão do filósofo Neném Prancha: “se macumba ganhasse jogo o campeonato baiano terminaria empatado”.

A MENTIRA TEM PERNA CURTA
Muito bem, os portões serão fechados por economia. Não é verdade. O custo de um amistoso é muito pequeno e o clube poderia perfeitamente continuar no seu processo de aproximação aos torcedores que começou no domingo com o treino nas areias do Balneário Rincão. Quando se abre um estádio onde o time joga suas competições é obrigatória a cobrança de ingressos sem qualquer valor estipulado. Somente seria declarado em borderô as taxas do INSS, do aparato policial, dos seguranças particulares e do seguro de cada ingresso vendido. Além, é claro o custo da arbitragem. A despesa total seria baixíssima se, por exemplo, o ingresso tivesse o preço único de R$ 10,00, apenas uma sugestão.

ESTE É O CRICIÚMA EC
Ontem à tarde entrei em contato com o Diretor de Competições da Federação Catarinense de Futebol, Fábio Marcel Nogueira que detalhou as taxas incidentes no borderô de uma partida oficial, mesmo sendo amistosa. Falei também com o próprio presidente Rubens Angelotti que afirmou que a FCF não cobraria sua taxa de 10% sobre qualquer evento. Quer dizer, abrir os portões e aproximar o torcedor ainda mais custaria tão pouco que o benefício seria enorme. 

FIM DE FEIRA
Fiasco total do Criciúma na Taça São Paulo de Futebol Júnior. Depois de pleitear a inclusão com o presidente da FCF pedindo o favor de colocar o clube que não conseguiu classificação pelo critério técnico, a eliminação com três derrotas em três jogos escancarou a fragilidade do Departamento Amador do clube. A conquista da Copa Sul foi a única de toda a base em 2018, pouco para quem tem um CT de primeiro mundo, mas que não sabe como fazer um trabalho mais eficiente projetar o Criciúma num futuro vencedor de acordo com sua própria história.

MEMÓRIA
09/01/2006 – “SURDEZ”
Venho dizendo há muito tempo e parece que as palavras se escoam com o vento. Nos últimos dois anos o Criciúma perdeu sua identidade pelos métodos usados na contratação de jogadores. No início, com uma grande vitrine, a viabilização de negócios prevaleceu, o clube esqueceu a técnica e priorizou o mercado. Depois, a insistência em buscar jogadores sem qualidade fez com que o time sofresse os dois rebaixamentos que o colocaram na contramão de sua própria história. Agora na terceira divisão dificilmente encontrará recursos para uma recuperação.

4oito

Deixe seu comentário