Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
* as opiniões expressas neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do 4oito

Criciumense encerra Porsche Cup em sexto

João Nassif
Por João Nassif 17/11/2020 - 14:40Atualizado em 17/11/2020 - 14:44

Thiago Ávila *

O criciumense André Gaidzinski conquistou dois pódios na última etapa do campeonato de Sprint da Porsche Cup, no Autódromo de Interlagos. A etapa foi uma rodada tripla, com uma corrida na sexta e duas no sábado. Na primeira, sob forte chuva, André foi guerreiro ao conseguir se manter na pista, enquanto muitos pilotos rodavam, e conquistou o quarto lugar.

“Quando estava em quarto até pensei em arriscar, mas a Cintia [chefe de equipe] passou um rádio dizendo para ficar onde eu estava, corre o risco de dar uma escapada, e a chuva tinha apertado na metade em diante da corrida, e eu estava com medo de rodar na reta principal, porque é muito comum acontecer isso quando reduz. Mas pelo menos fomos ao pódio”, comentou o piloto. Vale destacar também que os pódios na Porsche são dos cinco primeiros.

Na segunda prova teve boas disputas no pelotão do meio, principalmente com Ricardo Fontanari e Danilo Menossi, e novamente repetiu a quarta posição. “Foi uma das corridas mais disputadas que eu já fiz, até porque o pelotão intermediário que eu estava, todos estavam muito próximos. Depois, olhando os tempos, estávamos até mais rápidos que os líderes “.

E já na última corrida, foi atrapalhado por um acidente envolvendo quatro carros na curva do Laranjinha e acabou em sexto. “Eu era quinto faltando quatro ou cinco voltas, deu um enrosco no Laranjinha, eu tive que desviar pela grama, e o [Danilo] Menossi, que estava muito atrás de mim, conseguiu encostar. Como eu estava com pneu sujo, não consegui segurar ele, mas quase fomos três vezes ao pódio”, destaca.

Com isso, André termina a temporada na sexta colocação na classe GT3 Sport, na qual disputou 13 corridas ao longo do ano, num período marcado pela pandemia da COVID-19, com uma longa parada de cinco meses e um retorno extremamente atípico com 11 provas em três meses. “Foi uma baita experiência, uma evolução que nós tivemos. Se formos fazer um balanço geral, só tenho a agradecer”.

* Jornalista

4oito

Deixe seu comentário