Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
CORONAVÍRUS - Saiba mais aqui
* as opiniões expressas neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do 4oito

Caminho para o fracasso

O roteiro que o Criciúma seguiu para a série C
João Nassif
Por João Nassif 08/12/2019 - 12:35

O presidente Jaime Dal Farra assumiu a GA no final da temporada 2015 em pleno campeonato brasileiro da série B. Quando trouxe Roberto Cavalo para o comando do time faltavam apenas oito jogos para terminar o campeonato e o Criciúma ocupava a 15ª posição com 36 pontos e 10 pontos acima do Z-4.

Depois dos oito jogos o Criciúma deu um salto na classificação pelos 13 pontos conquistados e terminou a série B em 12º lugar.

Para a temporada seguinte foi mantido o técnico que trabalhou nos 38 jogos da segunda divisão e o aproveitamento foi melhor. O time terminou em oitavo com 56 pontos fazendo a melhor temporada na série B desde o advento Jaime Dal farra.

Em 2017 o Criciúma terminou a série B em 13º com 48 pontos apenas quatro acima do Z-4. Uma troca insana de técnicos quase derrubou o time para a série C. Começou o campeonato com Deivid no comando substituído depois de três rodadas pelo Luiz Carlos Winck que foi demitido mesmo com 54% de aproveitamento. Para o seu lugar foi contratado Beto Campos que durou até a penúltima rodada quando foi improvisado Grizzo em seu lugar.

Em 2018 nova agonia para escapar do rebaixamento. A série B começou com Argel Fucks que havia livrado o Criciúma do rebaixamento no campeonato catarinense. Depois de cinco jogos sem vitória Argel foi demitido e contratado Mazola Júnior com a missão de salvar o Criciúma. Deu certo, mesmo que a salvação tenha sido resolvida na última rodada. Mazola fez o básico, fechou o time na defesa e usou a bola parada como grande trunfo com destaque para o volante Liel que com seus oito gols fez o time ganhar pontos importantes para escapar do rebaixamento.

De tanto procurar, finalmente agora em 2019 o Criciúma encontrou a série C. Com uma campanha lamentável sob o comando de Gilson Kleina, Wilsão, Waguinho Dias e Roberto Cavalo, não teve jeito. 

O caminho para a série C foi sendo pavimentado ano a ano e mesmo com uma infraestrutura invejável, a falta de um planejamento profissional derrubou o time e mais, um clube de tanta história e tradição no futebol catarinense e brasileiro.

NÚMEROS: Sob a gestão do Jaime Dal Farra o Criciúma disputou 160 jogos pela série B do campeonato brasileiro. Conseguiu 51 vitórias, 50 empates e foi derrotado em 59 jogos que dão 42,3% de rendimento. Marcou 175 gols e sofreu 185.
 

4oito

Deixe seu comentário