Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
* as opiniões expressas neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do 4oito

Almanaque da Bola #010

Jogo dos cartões e a invencibilidade
João Nassif
Por João Nassif 01/08/2018 - 19:48Atualizado em 02/08/2018 - 11:46

Em 2002 a série B do campeonato brasileiro ainda não era no formato atual, estava inchada com 26 times que lutavam por apenas duas vagas, pois a CBF já estava começando a enxugar a competição para chegar nos 20 times em 2006.

O Criciúma não tinha em seu projeto o acesso em 2002, havia feito um péssimo campeonato catarinense e houve uma reformulação no plantel e na comissão técnica, sendo chamado para técnico Edson Gaúcho, até então desconhecido para a maioria dos torcedores.

Como o futebol é imprevisível, a medida em que o campeonato foi sendo disputado o Criciúma foi acumulando pontos, principalmente dentro de casa onde se tornou imbatível caminhando rapidamente para a classificação.

O regulamento mandava cada time fazer 25 jogos jogando todos contra todos em apenas um turno. O Criciúma jogou 13 partidas fora de casa e 12 no Heriberto Hülse, sendo a última contra o Anapolina quando já estava classificado e em primeiro no somatório geral de pontos. 

Depois do jogo contra o time de Goiás o Criciúma faria a última partida da primeira fase contra o Santa Cruz em Recife.

Uma questão que mexia com a cabeça da comissão técnica dizia respeito aos cartões amarelos, pois vários jogadores estavam pendurados e a fase final está se aproximando.

O time que foi a campo era misto com muitos reservas e alguns titulares que receberam ordem para forçar o cartão amarelo. Não foi difícil, o goleiro Fabiano fez cera no início e foi amarelado. Depois foi a vez do zagueiro Luciano.  

A cada cartão amarelo a torcida vibrava como se fosse gol. O outro zagueiro titular Cametá estava machucado, mas entrou no final, implorou e levou o terceiro cartão.

Faltava o Paulo César, jogador fundamental no esquema do time. O PC suplicou tanto pelo cartão amarelo que acabou levando o vermelho para desespero de todos no estádio.

Mas, nada comprometeu a caminhada do time que empatou com a Anapolina e manteve a invencibilidade em casa, invencibilidade que levou no mata-mata o time ao título e a sua segunda estrela no escudo.
 

4oito

Deixe seu comentário