Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
* as opiniões expressas neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do 4oito

A corrida mil da Fórmula 1

Só dá Mercedes
João Nassif
Por João Nassif 15/04/2019 - 18:37

Thiago Ávila *

Vitória de Farina no primeiro Grande Prêmio da história. Fangio pentacampeão mundial em 1957. Lauda sofre um acidente feio em Nuremberg em 1976. Piquet supera Alain Prost e é campeão com a pequena Brabham em 1983. Senna voa na largada em Donington Park 1993. Schumacher bate todos os recordes e é heptacampeão mundial em 2005. Hamilton passa Glock na última curva e tira o título de Massa em 2008. Vettel se torna o piloto mais jovem a ser campeão mundial em 2011. Pois é... Em 999 corridas, muita coisa aconteceu.

Chegamos na China, palco da milésima corrida da história da Formula 1. Nesse momento não existe mais Lotus, Brabham ou a eterna Benetton de Schumacher. Mas uma Mercedes poderosíssima, de um piloto espetacular chamado Lewis Hamilton e um “novo Rosberg” de nome Valtteri Bottas. Não poderia ficar de fora da briga, a consagrada Ferrari, que desde a primeira temporada da categoria é extremamente competitiva, com Sebastian Vettel e o novato Charles Leclerc.

Na disputa para saber quem é o milésimo pole position da história, Bottas levou a melhor sobre Hamilton, mostrando para o mundo que ele não é o mesmo piloto dos últimos dois anos.

Porém numa corrida tão comemorativa assim a experiência não podia ficar de fora. Hamilton e Vettel estavam afiados no domingo, e duvido que se Fernando Alonso também tivesse no grid não iria beliscar posições na parte de cima. Lewis, saindo de uma posição desfavorecida, larga antes de seu rival e toma a frente na primeira curva a sua direita. Leclerc também passa a frente de seu companheiro e pega a terceira posição.

Na 11ª volta, Vettel cola em Charles e pede no rádio para que o monegasco lhe dê a posição. Leclerc não parecia satisfeito com a ordem, mas a equipe sentia necessário já que Seb era mais rápido.

Depois da parada de Vettel, o alemão encontra com o arrojado Max Verstappen e os dois se tocam na curva 14, depois da grande reta. Dessa vez Sebastian não rodou e conseguiu se manter na frente do holandês. A parada pode ter dado certo para Seb, mas não foi a melhor para Charles, que voltou atrás de Verstappen.

A partir da volta 30, os pilotos partiram para uma segunda parada, com exceção do monegasco, na qual a Ferrari optou por usar uma estratégia de manter os pneus duros até o final. Mas não adiantou, Bottas passou logo após sua segunda parada, com pneus médios mais novos. Em seguida foi vítima de Vettel e Verstappen. A corrida de Leclerc já era.

Pierre Gasly, o novato da Red Bull, estava em sexto, fazendo uma corrida sem pretensões. Estava mais de dez segundos atrás de Leclerc e mais de 30 à frente de Ricciardo. Há duas voltas do fim, o francês vai aos boxes para uma terceira parada e põe pneus macios novos. Ele consegue fazer a volta mais rápida na última volta e garantiu um ponto extra.

Hamilton seguiu sozinho, praticamente de ponta a ponta, e é o milésimo vencedor da história da F1. Não podia ser diferente, um pentacampeão mundial e o melhor piloto do grid, merecidíssimo. 

Com o resultado, Lewis sobe para a ponta do campeonato com 68 pontos, seis na frente de Bottas. Os flechas prateadas também conquistam sua terceira dobradinha seguida, e tem até agora o melhor aproveitamento da história da equipe, 98,5% dos pontos disputados.

* Thiago Ávila, Estudante de Jornalismo da PUCRS
 

4oito

Deixe seu comentário