Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
CORONAVÍRUS - Saiba mais aqui
* as opiniões expressas neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do 4oito

Crônica da Cidade

Archimedes Naspolini Filho
Por Archimedes Naspolini Filho 14/05/2020 - 06:59Atualizado em 14/05/2020 - 10:29

Dou sequência buscando, na edição que circulou na semana de 6 a 13 de junho de 1964, do nosso saudoso semanário Tribuna Criciumense, os tópicos de publicações que dão um mergulho no passado e se transformam na Crônica da Cidade de hoje.

Ainda na capa da edição em epígrafe lemos: RENUNCIOU O PREFEITO DE SIDERÓPOLIS – Constitui-se numa surpresa geral, a renúncia do prefeito municipal de Siderópolis, Manoel Minelvina Garcia, no dia 3 de junho. Conforme a carta que aquela autoridade encaminhou à Câmara de Vereadores, sua atitude foi determinada por motivos de ordem estritamente particulares, problemas de sua saúde e de sua família, acrescidos da necessidade de dedicação mais diretamente à sua vida funcional nos quadros da Companhia Siderúrgica Nacional.  O término do mandato do Senhor Minelvina Garcia estava previsto para o mês de outubro. O novo prefeito de Siderópolis é o Senhor Valmor Freccia. Episódios assemelhados ocorriam em muitos municípios deste Brasilzão. Todos por motivos de ordem “estritamente pessoal” – entenda-se recomendação policial-militar: se fosse do PTB, então, as portas escancaravam-se.

NOTA OFICIAL DO COMANDO DO 5º DISTRITO NAVAL – Tendo em vista as explorações que vem sendo feitas em torno de uma reportagem constante do Correio do Povo, fruto de uma conversa do Comandante do 5º Distrito Naval com um repórter daquele Jornal, este Comando declara que as relações com o governo de Santa Catarina tem sido cordiais, como devem ser as relações entre autoridades investidas em funções públicas. Isto não implica, entretanto, em ações de endosso a ações e omissões por parte do governo ou de elementos a ele ligados. O Contra Almirante Murilo Vasco do Valle Silva, Comandante do temido 5º Distrito Naval, assina esta nota que tem vários outros parágrafos. Dá para ler nas entrelinhas que ele segredara, ao repórter, que Celso Ramos, o governador catarinense, estava por um fio, com cassação iminente. Bem que os militares quiseram o seu afastamento. E o Contra Almirante fez esta confidência a um repórter. E deu no que deu: teve que desmentir e isso ajudou na permanência de Celso Ramos governando Santa Catarina.

Esta crônica está no meu blog, no Portal 4oito.com.br. E eu retornarei amanhã. Até lá amigos e um abraço do meu tamanho!

4oito

Deixe seu comentário