Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
CORONAVÍRUS - Saiba mais aqui
* as opiniões expressas neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do 4oito

A inimigos não se mandam flores

Archimedes Naspolini Filho
Por Archimedes Naspolini Filho 29/04/2020 - 19:19Atualizado em 29/04/2020 - 19:22

A inimigos não se mandam flores!

Uma perguntinha que não quer calar: olhando para trás, quantos Juízes, ministros, deputados, senadores, jurisconsultos, jornalistas, jornais, emissoras de rádio e televisão, etc e tal, criticaram Michel Temer por ele ter indicado o seu amigo Alexandre de Moraes para ocupar uma cadeira vitalícia do Supremo Tribunal Federal? Quantos? Quem? Quando? Aonde?

E quantas vozes foram ouvidas contra a presidente Dilma Rousseff, por ter proposto o nome da sua amiga Rosa Webber, e do seu amigo Luiz Fuks, ambos em 2011, do seu amigo Luiz Roberto Barroso, em 2013, e de Edson Fachin, em 2015, para a mesma Corte?

Alguém que me ouve ouviu alguma crítica ao presidente Lula por ter indicado e nomeado Carmen Lucia e Ricardo Lewandowski, ambos amigos da corte, e ambos em 2006? E a indicação e nomeação, por Lula, de Dias Toffoli, em 2009, cujo predicado maior, no seu curriculum, era ter sido advogado do Diretório Nacional do PT? Quem ouviu alguma crítica, algum pedido de impugnação?

E eu poderia continuar nomeando e perguntando acerca das nomeações havidas desde Sarney, passando por Collor e Fernando Henrique Cardoso. Nunca, em nenhuma oportunidade, tais nomeações foram questionadas.

Hoje questiona-se a indicação do ministro da Justiça e do Diretor Geral da Polícia Federal porque ambos são amigos do presidente Jair Bolsonaro.
Mas como é que é: dois pesos e duas medidas?

E os ministros das equipes de Sarney, de Collor, de FHC, de Lula, de Dilma e de Temer não eram amigos de cada presidente, ao seu tempo? Quem não o era? E quem foi questionado?
Então para eles podia e para Bolsonaro é nomear para se auto blindar? 
E fazem questão de assinalar, quando noticiam as nomeações: amigos de Bolsonaro.

Mas escuta: seria normal nomear inimigo para tão importantes funções?

Meu caro ouvinte: se não deixarmos o homem trabalhar e os ministros mostrarem suas competências, não podemos cometer essa injustiça de fazer a crítica tão somente porque são amigos da família do Presidente

Em novembro Celso Mello, o decano da suprema corte, deixará o STF e caberá ao presidente Bolsonaro indicar o seu substituto. Será que habita a massa encefálica de algum mortal que ele indicará um advogado inimigo dele ou da família dele, por exemplo, o advogado que defendeu o criminoso que lhe deu uma facada em Juiz de Fora?

Ora, ora, a inimigos não se mandam flores.

Sem sabermos da competência de gestão pública de André Mendonça, no ministério da Justiça, e de Alexandre Ramagem, na direção da Polícia Federal, estaremos sendo injustos se, graciosamente, os criticarmos. Se for pecado ser amigo da família do Presidente, Julia Zanatta está no limbo!

 

4oito

Deixe seu comentário