Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
CORONAVÍRUS - Saiba mais aqui

Empresários do transporte têm reunião com Salvaro

Encontro acontece às 18h desta segunda-feira e trata do decreto de Carlos Moisés que passa responsabilidade aos municípios
Por Marciano Bortolin Criciúma, SC, 01/06/2020 - 16:12Atualizado em 01/06/2020 - 16:17
Foto: Arquivo / 4oito
Foto: Arquivo / 4oito

Os empresários do transporte coletivo urbano de Criciúma têm encontro com o prefeito Clésio Salvaro (PSDB), às 18h desta segunda-feira, 1º, para tratar do decreto do Governador Carlos Moisés da Silva (PSL), que passa aos municípios a responsabilidade pela liberação do transporte coletivo urbano. “O prefeito irá colocar para a gente todas as exigências do Estado, assim veremos os passos a serem seguidos”, fala o presidente da ACTU, Everton Trento.

Confira também:
Entenda o decreto assinado por  Carlos Moisés nesta segunda-feira

Trento revela os empresários precisam de três a quatro dias para deixar tudo pronto para que os ônibus voltem a circular na próxima segunda-feira, 8, como proposto pelo decreto do Estado. “Ainda não temos conhecimento se o Estado fez novas regras ou não. É isso que saberemos nesta reunião. Porque agora ele dividiu o estado em regiões conforme o contágio, então precisamos saber como será aqui. A princípio a gente volta. Se diminuir o contágio, ou ficar como está, nós vamos flexibilizando”, enfatiza.

Decreto publicado pelo governador Carlos Moisés da Silva, nesta segunda-feira:

Salvaro publicou decreto no mês passado

Em abril, o prefeito Clésio Salvaro chegou a enviar projeto para a Câmara de Vereadores, buscando insituir o Regime Emergencial de Transporte Coletivo para o enfrentamento econômico e social da emergência em saúde pública devido à pandemia do novo coronavírus. O texto foi debatido, mas acabou sendo retirado de pauta. 

Já no dia 12 de abril, a Administração Municipal de Criciúma publicou, no Diário Oficial Eletrônico, o Decreto 455/2020 com uma série de medidas a serem tomadas por empresas e passageiros com a retomada do segmento. Conforme o decreto da época, a lotação de cada veículo deverá corresponder, no máximo, a 50% da capacidade dos passageiros sentados, demarcando os lugares disponíveis para assento, alternando entre janela e corredor.

Entre as exigências do decreto de Clésio Salvaro está a exibição de cartazes informativos dos cuidados nos seus ambientes sobre higienização de mãos, uso do álcool 70%, uso de máscaras, distanciamento entre as pessoas, limpeza de superfícies, ventilação e limpeza dos ambientes; realização diária de procedimentos que garantam a higienização dos veículos e ambientes de prestação de serviço, intensificando a limpeza com desinfetantes próprios para a finalidade, bem como a desinfecção diária com álcool 70% ou produto antiviral semelhante, de maçanetas, corrimãos, interruptores, barreiras físicas usadas como equipamentos de proteção coletiva como placas transparentes, máquinas de cartão, balcões, entre outros.

Tags: coronavírus