Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

A sustentabilidade e a economia lado a lado

Iniciativas sustentáveis permitem controlar recursos e preservar o Meio Ambiente
Por Vanessa Amando Criciúma, SC, 28/03/2019 - 08:19
Imagem: Divulgação
Imagem: Divulgação

O conceito de sustentabilidade surgiu, pela primeira vez, em 1987, quando a Comissão Mundial sobre o Meio Ambiente apresentou à Organização das Nações Unidas (ONU) um relatório sobre os problemas ambientais e propôs que o desenvolvimento econômico fosse integrado à questão ambiental. De lá para cá e, principalmente, nos últimos anos, tem-se falado muito sobre sustentabilidade. Porém, na prática, você realmente sabe ou reconhece iniciativas sustentáveis?

A palavra sustentável vem do latim sustentare e significa “sustentar”, “apoiar” e “conservar”. A sustentabilidade é um conceito que relaciona aspectos econômicos, sociais, culturais e ambientais para suprir as necessidades do presente sem afetar as gerações futuras. Portanto, uma ação sustentável pode partir da iniciativa privada, do Poder Público e até mesmo da sua casa ou trabalho, como os exemplos que serão usados a seguir.

A construção civil é um dos setores que vem demonstrando preocupação com o Meio Ambiente e adotando medidas de preservação e sustentabilidade, principalmente nos últimos anos. Um exemplo é a Construtora Fontana, de Criciúma. Além de implantar o gerenciamento de resíduos sólidos em todas as suas obras, dando o destino correto para embalagens plásticas, papelão, restos de materiais de construção, entre outros resíduos, a empresa também está preocupada em, progressivamente, construir empreendimentos mais eficientes e ecologicamente corretos.

“Construímos prédios que reaproveitam água da chuva para utilização em áreas comuns, as privadas são com caixas acopladas, o medidor de água pode ser individual para cada apartamento, a iluminação é com fotocélula ou LED, também tem os sensores de presença, os ecopontos para resíduos do próprio edifício e até um empreendimento com bases para carregar carros elétricos. Enfim, são várias ações que visam a economia de recursos naturais e, ainda, reduzem significativamente os custos do condomínio”, ressalta o presidente da Construtora Fontana, Olvacir Bez Fontana.

Preocupação antes da compra

O empresário afirma que a preocupação com o meio ambiente vem antes mesmo da compra dos terrenos, já que a empresa não adquire áreas para construção onde existem nascentes, cursos d’água ou vegetação de preservação permanente. “A água é um bem muito importante, assim como a natureza de forma geral. Ela está à disposição do homem, mas não podemos pensar só em usar, ela também precisa ser preservada”, reforça Fontana.

Inclusive a empresa possui setores responsáveis pelos estudos e laudos realizados em cada terreno que ela cogita adquirir. Segundo a engenheira civil da Construtora Fontana, Elaine Lavezzo Amboni, são feitos estudos hidrogeológicos e outras análises ambientais para atestar se a área está apta para receber uma construção sem que recursos naturais sejam prejudicados.

Além disto, do ponto de vista ecológico, Fontana avalia que os prédios são melhores do que as residências. Ele explica que “para instalar 48 famílias em casas, como em um loteamento, por exemplo, é necessária uma área de 40 mil metros quadrados. Já o prédio pode abrigar o mesmo número de famílias usando apenas mil metros quadrados de área, o que representa mais ou menos 3% da área do loteamento, ou seja, menos áreas exploradas”.

Geração e economia de energia

Um dos investimentos mais recentes da Construtora Fontana está na tecnologia fotovoltaica. No próximo ano, será lançado o primeiro empreendimento da região Sul catarinense capaz de gerar a própria energia através de painéis de energia fotovoltaica, os quais captam e convertem a luz solar em energia elétrica para áreas comuns.

Uma iniciativa sustentável semelhante foi implantada na Universidade do Extremo Sul Catarinense (Unesc), graças ao Programa de Eficiência Energética (PEE) da Celesc. Em 2017, a Universidade participou da Chamada Pública para Seleção de Projetos em Eficiência Energética, sendo classificada em 6º lugar, entre 33 inscritos, o que lhe garantiu um incentivo de R$ 856 mil. Os recursos são utilizados para o melhoramento do desempenho energético de equipamentos e sistemas que utilizam energia elétrica.

Uma das alterações ocorreu no Complexo Esportivo da Unesc, onde a água da piscina é aquecida através de um sistema de aquecimento solar. Ela passa por um equipamento instalado junto as telhas, o qual é aquecido pela luz solar e, assim, também aquece, de forma sustentável, a água que abastece a piscina. As placas instaladas no telhado são condutoras de energia e aquecem a água de forma cíclica, a qual é bombeada para fora da piscina e chega até o telhado do ginásio por uma rede hidráulica.

Substituição por equipamentos mais modernos

Além de gerar economia para a Universidade, as mudanças ainda contribuem com inúmeros benefícios para o Meio Ambiente. Equipamentos elétricos mais antigos, por exemplo, costumam gastar mais energia elétrica, o que exige o uso de mais recursos naturais. O PEE da Celesc junto a Unesc possibilitou, ainda, a troca destes equipamentos por aparelhos mais modernos e com selo A do Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica (Procel).

Os resultados do projeto também foram elevados com a substituição de 70 climatizadores de janela por condicionadores de ar Split Inverter classe A com gás ecológico; a troca de mais de 6 mil lâmpadas fluorescentes e com descarga que contém mercúrio e metais pesados por lâmpadas e luminárias em LED; a instalação de desumidificadores de alta eficiência no sistema de climatização do Biotério (local onde animais são criados e mantidos para uso em pesquisa); além da capacitação da comunidade acadêmica para o uso racional e consciente dos recursos energéticos e seus impactos no Meio Ambiente.