Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
* as opiniões expressas neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do 4oito
Max Everson
Por Max Everson 08/01/2018 - 16:30Atualizado em 08/01/2018 - 16:40

Em 8 de janeiro de 1935 em Tupelo (USA), nascia Elvis Aaron Presley que foi um famoso músico e ator norte-americano, mundialmente denominado como o Rei do Rock. É também conhecido como Elvis The Pelvis, apelido pelo qual ficou conhecido na década de 1950 por sua maneira extravagante e ousada de dançar. Elvis também foi um dos pioneiros e principal idealizador do movimento conhecido como rock and roll. 

Uma de suas maiores virtudes era a sua voz, devido ao seu alcance vocal, que atingia, segundo especialistas, notas musicais de difícil alcance para um cantor popular. A crítica especializada reconhece seu expressivo ganho, em extensão, com a maturidade; além de virtuoso senso rítmico, força interpretativa e um timbre de voz que o destacava entre os cantores populares, sendo avaliado como um dos maiores e por outros como um dos melhores cantores populares do século XX.

Começou sua carreira em 1954 na lendária gravadora Sun Records e era acompanhado pelo guitarrista Scotty Moore, pelo baixista Bill Black e pelo baterista D.J. Fontana, Presley foi um dos criadores do rockabilly, uma fusão de música country e R&B.

Elvis tornou-se um dos maiores ícones da cultura popular mundial do século XX. Entre seus sucessos musicais podemos destacar "Hound Dog", "Don't Be Cruel", "Love me Tender", "All Shook up", "Teddy Bear", "Jailhouse Rock", "It's Now Or Never", "Can´t Help Falling In Love", "Surrender", "Crying In The Chapel", "Mystery Train", "In The Ghetto", "Suspicious Minds", "Don't Cry Daddy", "The Wonder Of You", "An American Trilogy", "Burning Love", "My Way", "My Boy" e "Moody Blue". Na Europa, canções como "Wooden Heart", "You Don't Have To Say You Love Me", "My Boy" e "Moody Blue" fizeram sucesso. Particulamente no Brasil, foram bem-sucedidas as canções "Kiss Me Quick", "Bossa Nova Baby", "It's Now or Never" e "Bridge Over Troubled Water".

Após sua morte, novos sucessos advieram, como "Way Down" (logo após seu falecimento), "Always On My Mind", "Guitar Man", "A Little Less Conversation" e "Rubberneckin". Quarenta e um anos após sua morte, Presley ainda é um dos artistas com maior número de "hits" nas paradas mundiais, sendo ainda um dos artistas solo recordistas em vendas de discos, com 1 bilhão de álbuns vendidos em todo o mundo.

Elvis Presley faleceu em 16 de agosto de 1977 em Memphis, no Tennessee, EUA.

Max Everson
Por Max Everson 04/01/2018 - 14:21Atualizado em 04/01/2018 - 14:25

Led Zeppelin vai lançar livro ilustrado para celebrar os 50 anos de formação da banda
Segundo anúncio nas páginas oficias do grupo, obra será lançada em 2018. Ano comemorativo também deve ganhar músicas inéditas, segundo Jimmy Page.

Em 2018, a banda Led Zeppelin celebra os 50 anos desde sua formação. E os fãs do grupo já podem se preparar para alguns materiais inéditos. Em suas páginas oficiais, o grupo anunciou o breve lançamento de um livro ilustrado comemorativo.

“Led Zeppelin está feliz em anunciar que Jimmy Page, Robert Plant e John Paul Jones estão colaborando com a Reel Art Press para publicar o livro ilustrado oficial da banda para celebrar 50 anos de formação do grupo”.

Além disso, em entrevista para a Academy of Achievement no final de 2017, Jimmy Page contou que músicas inéditas da banda também serão lançadas.

“Com certeza, haverá produtos do Led Zeppelin saindo, com material que as pessoas nunca ouviram, porque estou trabalhando nisso. No próximo ano celebraremos os 50 de banda, então há várias surpresas vindo por aí”, adiantou o músico.

Max Everson
Por Max Everson 03/01/2018 - 16:12Atualizado em 03/01/2018 - 16:21

O Spotify começa o ano enfrentando um processo da gravadora Wixen Music, que acusa a companhia de reproduzir em sua plataforma milhares de músicas sem autorização. Títulos de Tom Petty, The Doors, Neil Young e Weezer são citados na ação judicial, afirmando ainda que a plataforma de streaming não se esforça o suficiente para investigar os responsáveis pelos direitos das músicas. A Wixen Music deseja o pagamento do valor de US$ 1.6 bilhão por danos.

O executivo ainda comenta que a receita anual do Spotify é de US$ 3 bilhões e que tudo o que a Wixen deseja é uma "compensação razoável" sobre o lucro que a empresa de streaming tira com a reprodução de música de seus clientes.

Mas esta não é a primeira vez que o Spotify enfrenta processos de direitos autorais. Em menos de um mês, entre 2015 e 2016, a empresa enfrentou duas acusações também referentes à execução de músicas sem autorização, acumulando ainda mais uma em 2017.

O Spotify ainda não se pronunciou oficialmente sobre o caso.

 

Max Everson
Por Max Everson 27/12/2017 - 16:01Atualizado em 27/12/2017 - 16:12

O Whitesnake se prepara para lançar o álbum de “The Purple Tour – Live”, trabalho que leva aos fãs o registro da turnê do “The Purple Album”.

Esse disco reuniu as faixas da época que David Coverdale foi a voz do Deep Purple, além de clássicos no Whitesnake.

Para promover a chegada do álbum ao vivo em 19 de janeiro, a banda liberou o videoclipe de “Burn”, faixa que Coverdale gravou com o Deep Purple e que a banda não executa em seus atuais shows com o vocalista Ian Gillan.

 

Max Everson
Por Max Everson 27/12/2017 - 11:03Atualizado em 27/12/2017 - 11:05

James Blake liberou em seu Youtube um cover do cantor norte-americano Don McLean.

A faixa escolhida por ele foi “Vincent”, lançada em 1971 como homenagem ao pintor Vincent Van Gogh e também está presente na trilha sonora do filme “Loving Vincent”, lançado em 2017. O vídeo foi gravado em Los Angeles e dirigido por Andrew Douglas.

 

Max Everson
Por Max Everson 16/12/2017 - 10:51Atualizado em 16/12/2017 - 10:54

 

O primeiro single foi Refazenda, de Gilberto Gil, parceiro da banda desde Macô, hit de Afrociberdelia. Num encontro frutífero com o maestro Lettieres Leite e seus comparsas da Orquestra Rumpilezz, cuja relação com a obra de Gil é profunda, a Nação realça um elemento de sua alquimia musical que andava mais discreto em anos recentes. Tropical e colorido, pop sem deixar de ser roots.
A escolha é certeira, traduz o tom do trabalho, embebido de leveza sem deixar de lado a densidade. Uma dose bem vinda de descontração em tempos bicudos. É como diz aquele refrão do próprio Jorge Du Peixe: dá-lhe viver!  ( © 2017. Interdependente)

Max Everson
Por Max Everson 16/12/2017 - 10:40Atualizado em 16/12/2017 - 10:46

Se você quiser chorar / Então chore, então chore”, sugere Erasmo Carlos em versos de Não existe saudade no Cosmos, uma das músicas inéditas do álbum que o cantor, compositor e músico carioca vai concluir e lançar ao longo de 2018.

Apresentada em single, Não existe saudade no Cosmos é a primeira faixa do disco a ser revelada. A música é de autoria do compositor baiano Teago Oliveira, vocalista e mentor da banda Maglore, mas parece assinada pelo Tremendão, tanto pela melodia como por conta da letra que defende o choro ao mandar recado (gentil) para alguém que partiu e talvez não queira mais voltar.

 

Max Everson
Por Max Everson 16/12/2017 - 10:28Atualizado em 16/12/2017 - 10:33

Grupo Armada toma partido do punk ao regravar samba de Bezerra da Silva.

Em 1977, o cantor e compositor pernambucano Bezerra da Silva (1927 – 2005) ainda buscava se firmar no mundo do samba quando lançou o álbum Partido alto nota 10 , dividido com Genaro. Uma das músicas desse disco é Cobra criada (Só veneno), parceria de Dicró (1946 – 2012) com José Paulo. Decorridos 40 anos, Cobra criada ressurge em forma de punk rock em gravação do grupo paulista Armada (em foto de Cristiano Martins).

Feita pelo grupo com a participação do cantor e compositor paulista Kiko Zambianchi, a abordagem de Cobra criada faz parte do álbum Bandeira negra, previsto para ser lançado em fevereiro de 2018. Bandeira negra é o primeiro álbum do Armada, quinteto formado neste ano de 2017 por ex-integrantes do grupo paulista de punk Blind Pigs – Henrike Baliú (voz), Alexandre Galindo (guitarra), Mauro Tracco (baixo) e Arnaldo Rogano (bateria) – com o guitarrista Ricardo Galano.

confira a original com Bezerra da Silva:

"Gosto muito do Bezerra, coleciono os LPs dele e sempre tive vontade de gravar uma versão para essa música, que é uma das minhas favoritas", conta o vocalista Henrike Baliú. "Convidei o Kiko para participar da gravação porque imaginei que, se tivesse alguém capaz de transformar o samba em punk, sem perder o gingado, seria ele", justifica o cantor.

Antes de Cobra criada, o grupo Armada lançou o single Eterno marujo e, em novembro, apresentou a música Próxima estação, gravada com a participação do cantor sertanejo Sérgio Reis.

 

Max Everson
Por Max Everson 16/12/2017 - 10:20Atualizado em 16/12/2017 - 10:22

Próximo álbum de Gal pode gerar primeira parceria de Arantes com Caetano...

Enquanto selecionava repertório para o álbum de músicas inéditas que lançará em 2018 pela gravadora Biscoito Fino, Gal Costa recebeu composição de Guilherme Arantes. A cantora baiana gostou da música enviada pelo compositor paulista.

Contudo, no meio do processo de preparação do disco, surgiu a ideia de abrir a parceria de Arantes com Caetano Veloso, compositor recorrente no repertório de Gal desde 1965. Se a ideia for concretizada, caberá a Gal lançar a primeira parceria desses compositores de distintos universos musicais.

Cabe lembrar que, no último disco de estúdio, Estratosférica (2015), Gal gravou música inédita de Arantes, Vou buscar você para mim, fonograma incluído somente na edição digital do álbum. A música chegou a ser cantada por Gal na estreia da turnê nacional do show Estratosférica, em Salvador (BA), mas não permaneceu no roteiro do espetáculo perpetuado em CD ao vivo e DVD lançados neste ano de 2017.

Max Everson
Por Max Everson 15/12/2017 - 16:22Atualizado em 15/12/2017 - 16:27

Hoje 15-12-2017, o cantor Ed Sheeran, o artista mais ouvido do mundo em 2017, lançou outra versão de “Perfect”. Desta vez, a faixa é uma parceria com o italiano Andrea Bocelli

Esta não é a primeira versão alternativa de "Perfect". Recentemente o cantor lançou um versão com a americana Beyoncé, 

A nova versão da música chama a atenção pelos potentes vocais de Andrea, que é uma das vozes mais famosas da Itália.

Outro ponto que surpreende é que no final da musica Ed Sheeran canta alguns versos da música em Italiano.

e para inovar, apresentamos a versão exclusiva,  com as vozes de Ed Sheeran , Andrea Bocelli e Beyoncé, que você só ouve na Som Maior

 

Max Everson
Por Max Everson 14/12/2017 - 15:10Atualizado em 14/12/2017 - 15:25

Dezembro chegou e, claro, com ele veio também todo aquele espírito natalino que já poderia ser visto pelas ruas das cidades. Mas o clima de final de ano não fica só por conta do visual, mas também da trilha sonora.

É por isso que muitos artistas se empenham para lançar músicas com a temática – e em 2017 isso não poderia ser diferente. Entre veteranos das canções natalinas e outros nem tantos, selecionamos algumas que não podem faltar na sua playlist!

Dona de grandes hits, a cantora Sia se rendeu ao espírito natalino com o álbum “Everyday Is Christmas“, que conta com 10 canções com aquele toque clássico dessa época do ano. Destaque para “Santa’s Coming For Us” que conta com um videoclipe bem divertido e participações especiais.

 Já Miley Cyrus participou do Spotify Singles e gravou duas canções dentro da temática para o compilado intitulado de “Holiday”.

E não pense que o ex integrante da banda Jonas Brothers veio sozinho nessa. A canção “Say All You Want for Christmas” foi lançada em parceria com Shania Twain e estará no álbum “This is Christmas” que terá canções de outros artistas e grupos.

 

Música natalina é com Mariah Carey. A cantora já lançou diversas canções e é claro que isso não mudaria neste ano. “The Star” está entre as músicas da trilha sonora do filme com o mesmo nome.

No final de outubro, os irmãos Hanson lançaram o álbum natalino “Finally It’s Christmas” em comemoração aos 20 anos de banda com 12 faixas, entre elas clássicos natalinos e outras do álbum de 1997 “Snowed In”.

Outra cantora que apostou em um álbum temático foi Gewn Stefani. Intitulado de “You Make It Feel Like Christmas” e com 12 faixas, o trabalho conta com canções clássicas e outras originais – e ainda tem a participação de Blake Shelton.

mas, claro que não podemos esquecer de Elvis Presley - Blue Christimas

Avril Lavigne & Jonny Blu – Baby It's Cold Outside

John Lennon - Happy Christmas

e muitas outras, qual sua música de natal preferida?

Max Everson
Por Max Everson 13/12/2017 - 15:41Atualizado em 13/12/2017 - 15:43

A HBO divulgou em seu Youtube nesta quarta-feira (13) o trailer do seu documentário sobre os últimos anos artísticos de David Bowie.

“David Bowie: The Last Five Years” contará a trajetória criativa do cantor passando pelos álbuns “The Next Day”, de 2013 e “Blackstar”, de 2016. Além de explorar também seu musical “Lazarus”.

O material conta com entrevistas e materiais arquivados, de Bowie e seus companheiros de banda. O documentário foi dirigido por Francis Whately e está previsto para ser lançado em 2018, provavelmente no mesmo dia em que o cantor comemoraria 70 anos, 8 de Janeiro.

 

Max Everson
Por Max Everson 12/12/2017 - 11:11Atualizado em 12/12/2017 - 11:24

U2 derrubou Taylor Swift do trono no topo da parada Billboard 200, com seu novo lançamento "Songs of experience". Esse é o oitavo álbum da banda irlandesa a chegar ao primeiro lugar nos Estados Unidos.

"Songs of experience" vendeu mais de 185 mil unidades em sua primeira semana, de acordo com dados da Nielsen Music divulgados nesta segunda-feira (11).
A "Billboard" afirmou ser a maior semana de vendas para um álbum de rock em 2017, em uma indústria em que o hip hop e o R&B são os atuais gêneros mais populares.

O álbum "From a room: Volume 2", do cantor de música country Chris Stapleton, ficou em segundo lugar, com mais de 124 mil unidades vendidas.

Os dois novos lançamentos empurraram o álbum "Reputation", de Swift, para o terceiro lugar após três semanas na liderança.

A parada Billboard 200 contabiliza vendas de álbuns, vendas de músicas (dez músicas equivalem a um álbum) e streaming (1.500 equivalem a um álbum).

Tags: NoAr U2

Max Everson
Por Max Everson 06/12/2017 - 16:30Atualizado em 06/12/2017 - 16:35

Caetano Veloso assina contrato e retorna à gravadora


Após cinquenta anos do lançamento de seu primeiro álbum, "Domingo", de 1967, pela Universal Music, em uma época que ainda se chamava Philips, Caetano Veloso retorna à gravadora que o lançou para o mundo da música.

O cantor, compositor e músico baiano assinou contrato que prevê a edição e distribuição da gravação do show Caetano, Moreno, Zeca e Tom Veloso, que conta com os três filhos de Caetano, ao lado do pai, em uma apresentação no mesmo palco.

O disco foi lançado em 1967 pela gravadora Philips. Com uma sonoridade totalmente bossa novista, marcou a estréia dos dois cantores naquela gravadora. O disco foi produzido por Dori Caymmi, (filho de Dorival), que foi convidado pelo então diretor João Araújo, pai do cantor Cazuza, para escrever os arranjos.

Ao disco pertence o primeiro grande sucesso de Gal e Caetano, "Coração Vagabundo". Mesmo não tendo sido um estrondoso sucesso, garantiu um bom reconhecimento à dupla e também foi muito aclamado por pessoas do meio musical da época, como Elis Regina, Wanda Sá, Edu Lobo, Dori Caymmi, dentre outros. A música "Minha senhora" foi defendida por Gal no Festival Internacional da Canção de 1966.

Vale lembrar que todos os álbuns lançados por Caetano no Brasil entre 1967 e 2014 foram editados pela Philips / Universal Music, com exceção de CD ao vivo e DVD de 2008, gravados em show feito pelo cantor com Roberto Carlos naquele mesmo ano de 2008.

Max Everson
Por Max Everson 06/12/2017 - 15:45Atualizado em 06/12/2017 - 15:47

Joss Stone divulga novo vídeo gravado na Angola pela “Total World Tour”

Nesta quarta-feira (6), Joss Stone liberou em suas redes sociais um novo vídeo da “Total World Tour”.

Dessa vez, o cenário é Luanda e a cantora se encontrou com Toty Sa’Med. O angolano tem influências que vão do rock psicodélico ao jazz, de acordo com a descrição do registro que também elegeu a colaboração acústica e o cenário da cidade como o “ponto alto da viagem“.

A “Total World Tour” já passou pelo País de Gales, onde colaborou com Kizzy Crawford, Mauritânia, se encontrando com a cantora Ebéné, Irlanda com Ryan Sheridan, Botswana ao lado de Ronnie, entre outros.

 

Tags: NoAr Joss Stone

Max Everson
Por Max Everson 06/12/2017 - 15:40Atualizado em 06/12/2017 - 15:43

Roger Waters virá ao Brasil em outubro de 2018 com sua turnê “Us + Them”.

O ex-líder do Pink Floyd fará sete apresentações no país, passando por São Paulo (9/10), Brasília (13/10), Salvador (17/10), Belo Horizonte (21/10), Rio de Janeiro (24/10), Curitiba (27/10) e Porto Alegre (30/10).


As apresentações da turnê contam com uma mistura de músicas de sua carreira solo com as canções de seus anos no Pink Floyd. Segundo o cantor, 80% do show será de materiais antigos e, 20%, de novidades. "Mas tudo será conectado por um tema geral. Será um show legal, eu prometo! Será espetacular como todos os meus shows foram", afirma o cantor. "Wish You Were Here", "The Wall", "Animals" e "Dark Side of The Moon" estão garantidas no repertório.


A pré-venda de ingressos inicia no dia 11 de dezembro para clientes cartão Elo. Para o público geral de São Paulo, Belo Horizonte e Rio de Janeiro, as vendas terão início em 14 de dezembro. Para Brasília, Salvador, Curitiba e Porto Alegre, elas começam em 15 de dezembro.


Roger esteve no Brasil em 2012, trazendo sua turnê "The Wall Live", que ficou na estrada de 2010 a 2013.


Confira a programação da turnê de Roger Waters no Brasil:
São Paulo (09/10) – Allianz Parque
Ingressos variam de R$ 165 a R$ 810


Brasília (13/10) – Estádio Mané Garrincha 
Ingressos variam de R$ 120 a R$ 720


Salvador (17/10) – Arena Fonte Nova 
Ingressos variam de R$ 90 a R$ 710


Belo Horizonte (21/10) – Estádio do Mineirão 
Ingressos variam de R$ 150 a R$ 720


Rio de Janeiro (24/10) – Estádio do Maracanã 
Ingressos variam de R$ 110 a R$ 720


Curitiba (27/10) – Estádio Couto Pereira 
Ingressos variam de R$ 110 a R$ 720


Porto Alegre (30/10) – Estádio Beira-Rio
Ingressos variam de R$ 110 a R$ 720

Max Everson
Por Max Everson 01/12/2017 - 10:38Atualizado em 01/12/2017 - 10:41

Que tal ouvir novamente “Ponta de Areia”, “San Vicente”, “Cais” e “Cravo e Canela”, e ainda “O Que Será”, de Chico Buarque, e “Beijo Partido”, de Toninho Horta.

Agora isso é possível, pois foi com esse intuito que Zélia Dunca e Jaques Morelenbaum lançaram um novo trabalho, interpretando nada mais nada menos que Milton Nascimento.

“Nossa vontade era tocar, cantar e gravar centenas de canções que povoaram nossos imaginários e corações durante a adolescência e uma substancial parte de nossas vidas”, completa Morelenbaum, que buscou manter fidelidade total às obras em questão para esse projeto com Zélia.

confira as faixas do disco:

 
1 O Que Foi Feito Devera

2 O Que Será

3 Ponta de Areia

4 San Vicente

5 Caxangá

6 Calix Bento

7 Cravo e Canela

8 Encontros e Despedidas

9 Canção Amiga

10 Mistérios

11 Travessia

12 Volver a los 17

13 Beijo Partido

14 Cais

Max Everson
Por Max Everson 29/11/2017 - 11:40Atualizado em 29/11/2017 - 11:49

Todo mundo sabe que ele foi um Beatle. O Beatle calado, sempre sob a sombra de Lennon-McCartney, certo? Bem, para alguém que viveu sempre comparado com os dois gênios dos Beatles, George Harrison teve um papel maior que o crédito que muita gente lhe dá.


Aprender a tocar guitarra nunca foi algo que veio naturalmente para ele, que teve de malhar seu instrumento até os dedos sangrarem; mas o resultado foi um instrumentista acima da média na vizinhança. Foi contando para os colegas da escola sobre sua primeira apresentação ao vivo, com sua banda The Rebels, que ele chamou a atenção de um garoto mais velho chamado Paul McCartney. Paul, que havia ganho de presente de Natal um trumpet, mas queria aprender a tocar violão, passou a freqüentar a casa dos Harrisons, passando a tarde estudando o instrumento com George. Sim, é isso mesmo. George Harrison ajudou Paul McCartney a aprender a tocar violão.


No ano seguinte, Paul estava tentando fazer a cabeça de seu amigo John Lennon a botar o garotinho na sua banda. Lennon relutava, pois aos 17, não queria ser visto com um moleque de apenas 14 anos. Porém, quando Lennon cedeu e Harrison, a poucas semanas de quinze anos, finalmente entrou para os Quarry Men, banda embrião dos Beatles, a primeira coisa que ele fez foi ensinar John Lennon a tocar sua guitarra direito. Isto mesmo. George Harrison também ajudou John Lennon a aprender a tocar o violão. Embora já tocasse seu instrumento há dois anos, Lennon sempre tocava o violão como se fosse um banjo, atacando apenas quatro cordas. Foi George que instigou Paul a ajudá-lo a convencer Lennon a tomar vergonha na cara e malhar no instrumento. Nada mal para uma mera sombra.

Já com o sucesso dos Beatles, Harrison teve a sabedoria de não se deixar enganar por egos infláveis. Sua única preocupação era de não errar o solo, sempre tocar direitinho. A única razão pelo qual ele começou a compor canções foi em função de uma certa pressão das pessoas dentro da máquina Beatles que viam de bom grado se o Beatle George também se tornasse uma fonte de lucro para a Northern Songs. Até o final da existência da banda, Harrison já seria respeitado pela excelência em canções como "Something" e "Here Comes The Sun".

Uma das grandes contribuições para os anos 60 foi seu interesse por música e filosofia Hindu. Por ser um Beatle, atraiu a curiosidade mundial, colocando a Índia na moda. Nunca nascer lá foi tão "in" na Inglaterra e EUA como na 2ª metade daquela década. Ao pegar uma cítara e passar a estudar filosofia com o Maharishi, ele trouxe para a banda e para os ocidentais a chance de descobrir e popularizar palavras como mantra, yoga, curry e comida macrobiótica.

Após o fim dos Beatles, sua carreira parecia ter explodido. Grava "All Things Must Pass", que seria um sucesso de crítica e vendas, mesmo sendo um álbum triplo. Além do prestígio que trouxe para Harrison, o disco também acabou sendo o responsável por formar o embrião da banda Derek & The Dominoes, com Eric Clapton, Dave Mason, Carl Radle, Bobby Whitlock e Jim Gordon. Mason acabaria saindo depois, criando a oportunidade para a posterior entrada de Duanne Allman. No ano seguinte, Harrison realiza o primeiro show beneficente da história do Rock, que rendeu outro álbum triplo, o "Concert For The People of Bangla Desh". Para um Beatle quieto, sua conscientização político-social falou bem alto e todos nós ouvimos o clamor.

Seus discos seguintes são emersos em filosofia e religiosidade, o que de um lado, demonstra sua coragem em não temer se expor, porém na prática, acabam por cansar o grande público. Ao mesmo tempo, manteve a admiração de muitos dos fãs que viam inalterada a imagem do eterno Beatle místico. Contribui com doações para diversas obras de caridade, tudo em silêncio através de sua fundação, a Material World Charitable Foundation, inaugurada em abril de 1973. Com o fim da Apple, fundou a Dark Horse Records, cuja distribuição foi selada por um contrato confuso com a A&M, imediatamente seguido por outro com a Warner. Consegue dois álbuns expressivos, "33 & 1/3" de 1976 e o auto intitulado "George Harrison" de 1979, seguidos por outros dois fracassos (apesar de conseguir em 1982 emplacar o hit "All Those Years Ago").

Harrison então opta por deixar sua carreira musical de lado, reservando então parte da década de oitenta para se dedicar ao cinema. Fundou uma produtora, a Hand Made Films, cujo catálogo inclui películas como "Life of Brian" (com o grupo Monty Python, onde Harrison também fez uma ponta), "Mona Lisa" (com Bob Hoskins) e "Shanghai Sunrise" (com Sean Penn e Madonna). Em 1987, voltaria suas atenções para um novo disco. Nasce o "Cloud Nine", último disco solo do artista a marcar as paradas de sucesso do mundo inteiro, com as músicas "Got My Mind Set On You" e "When We Was Fab", esta, uma última e derradeira olhada para sua carreira como um Beatle. O álbum também conta com a participação do seu ex-colega de banda, Ringo Starr.

Precisando de um lado B para "This is Life", que sairia em compacto, descobre que não tem nada disponível. Em Los Angeles, almoçando com Roy Orbison e Jeff Lynn, convida os dois para ajudá-lo a gravar algo rapidamente, ao que Lynn sugere que utilizem o estúdio de Bob Dylan. Harrison, ao buscar um violão acústico na casa de Tom Petty, acaba convidando-o para que o acompanhasse até o estúdio, onde Dylan acabaria também sendo intimado a participar do quinteto. Harrison se divertiu tanto com a experiência que instigou todos a gravarem um LP, e assim, bem ao acaso, nasce The Traveling Wilburys, onde no melhor estilo Ramones, todos os integrantes do grupo se tornam membros de uma suposta família Wilbury. George Harrison é Nelson Wilbury, Roy Orbison é Lefty, Bob Dylan torna-se Lucky, e Tom Petty ganha o nome de Charlie T. Wilbury. O álbum lançado em 1988 oferecia ainda todo um texto sobre a história da família Wilbury escrito por Hugh Hampton E. F. Norti-Blitz, que na verdade é ninguém menos do que Michael Palin, um dos lendários comediantes do grupo Monty Pyton, que Harrison tanto adimirava. Os Traveling Wilburys dariam a Harrison a chance de voltar a saborear a velha sensação de estar em uma banda, sem o risco da crítica estragar a brincadeira fazendo comparações indesejáveis com os Beatles.

Infelizmente Roy Orbison viria a falecer pouco depois, tendo a banda feito apenas mais um álbum de despedida, curiosamente chamado "Vol.3". Encerrada esta fase, Harrison se tornou um recluso, aparecendo muito pouco publicamente durante a década de 90. Só voltou a ser notícia quando Paul McCartney o procurou para trabalharem na biografia dos Beatles, que veio a ser chamada "Anthology" e compreende cinco vídeos, três CD duplos e um livro gigantesco de 367 páginas.

Harrison teria sido diagnosticado com câncer quando foi encontrado um caroço em sua garganta, em 1997. Em agosto daquele mesmo ano, passa por uma cirurgia e segue tratamento no Royal Marsden Hospital perto de Londres. Passa então a monitorar sua saúde com maior atenção, periodicamente indo para o Mayo Clinic em Minnesota para um checkup. Em janeiro de 1998, os médicos concluíram que o cancer não mostrava mais nenhum sinal de retorno. Só ouviríamos novamente falar de Harrison após o ano novo que celebrava o novo milênio, quando soubemos que ele fora esfaqueado por um fã (oh, raça!), apunhalado diversas vezes, atingindo um de seus pulmões. Harrison lentamente se recuperou do atentado contra sua vida, porém em março deste ano, os médicos descobriram que ele era portador de câncer no pulmão. Em maio, George entra na faca novamente no Mayo Clinic, onde perde metade de seu pulmão. Embora inicialmente a operação tenha sido encarada como um sucesso, em semanas, o câncer ressurge novamente, desta vez no seu cérebro.

Harrison tenta então um tratamento com cobalto no prestigioso Sainta Giovanni Hospital em Bellinzona, Suíça. Em outubro, enquanto ainda se recuperava do tratamento, gravou uma composição sua e do filho chamado "Horse To The Water" com o repórter e músico Jools Holland. A canção é uma despedida e, com usual humor negro, creditada ao RIP Ltda 2001. Com a saúde cada vez mais precária, sentido dores homéricas, tenta um último tratamento com radiação localizada administrado pelo Dr. Gil Lederman da University Hospital de Staten Island. O tratamento serviu apenas para aliviar as cólicas e lhe permitir que seus últimos momentos fossem sem a aflição da dor.

Enquanto hospitalizado, ele foi visitado pelos amigos Paul McCartney e Ringo Starr, que encontram um George Harrison magro, fisicamente abatido, porém soltando inúmeras piadas. Emocionado, conta-se que levou Paul McCartney a ter uma pequena crise de choro, coisa incomum para os ingleses, que são por natureza meio "frios" emocionalmente falando. George Harrison deixou Staten Island dia 7 de novembro, indo então para Los Angeles, onde se hospedou na casa de Gavin de Becker, antigo chefe de segurança e amigo da família. Aparentemente suas últimas palavras foram "Tudo mais pode esperar, todavia a procura de Deus não pode" e "amai-vos uns aos outros"...

Falando de George:

"Sou o Beatle classe econômica."
George Harrison

"Não há nenhum mistério em George em si. O mistério está dentro dele. Assisti-lo revelá-los lentamente é que é tão interessante."
John Lennon (1968)

"Ele era um grande sujeito, cheio de amor e humanidade, embora não aturasse gente tola. Um grande homem. Sua perda será sentida por todos. Estou arrasado. Ele era um cara muito querido e um homem extremamente corajoso, com um incrível senso de humor. Ele é meu irmão caçula."
Paul McCartney

"George era um dos meus melhores amigos. Eu o amava muito e sentirei muito sua falta, pelo seu senso de amor, senso musical e seu senso de humor."
Ringo Starr

"Ele escreveu algumas das melhores canções dos Beatles, mas afora isto, tinha uma gentileza e espiritualidade que fazia de sua companhia um momento de grande prazer. Eu tenho lamentado sua perda e sentirei muita falta dele."
Paul Simon

"Este é um dia negro, um dia triste. Ele era um garoto muito talentoso e jovem demais para morrer."
Gerry Marsden (líder do Gerry & The Pacemakers)

"George nos deu tanto durante sua vida e continua mesmo após sua passagem, com sua música, sua inteligência e sua sabedoria."
Yoko Ono

"Ele era o Beatles mirim, e diferente de Paul ou John, penou para desenvolver seu talento para compor sozinho. Mas ele trabalhou muito para o que queria e acabou compondo uma das melhores canções de amor de todos os tempos, 'Something'."
George Martin (produtor dos Beatles)

"George não tinha a cabeça nas nuvens o tempo todo. Quando era hora de negócios, mantinha os pés firmemente no chão. Havia uma mistura, uma mistura muito prazerosa. George defendia os filmes que achava que ele mesmo gostaria de assistir como espectador, e há poucas pessoas com esta atitude iluminada"
Michael Palin (Monty Python)

"Uma geração inteira, incluindo eu mesmo, cresceu ouvindo os Beatles. Suas músicas, a banda e suas quatro personalidades, foram o pano de fundo de nossas vidas. Acho importante apontar que ele não era apenas um artista e músico talentoso, mas que contribuía com somas enormes para a caridade. Acredito que o povo estará muito triste com sua morte."
Tony Blair (Primeiro Ministro da Inglaterra)

"Fiquei três dias em Lugano, na Suíça com George e sua esposa Oliva, e conversamos muito. Quando eu cheguei, senti que ele estava bastante abatido. Aos poucos foi se animando e no último dia não queria me deixar ir embora. Hoje é um dia bastante triste para mim, mas tenho certeza que George morreu acreditando na vida eterna e que um dia estaremos novamente juntos."
Emerson Fittipaldi

"George era um gigante, uma grande, grande alma, com toda a humanidade, inteligencia e todo o humor, espiritualidade, o senso comum do homem, e compaixão por pessoas. Ele inspirava amor e tinha a força de cem homens. Era como o sol, as flores e a lua, e iremos sentir sua falta enormemente. O mundo é um lugar extremamente vazio sem ele."
Bob Dylan

"Conheci George e Ringo na casa de Leon Russell, onde eu trabalhava, por um tempo. Eu fiquei muito impressionado com os dois pelo fato de não serem convencidos, dando atenção para mim, que não era ninguém. Assim era o George, um sugeito realmente decente."
Tom Petty

"Passamos o dia anterior a sua passagem juntos, e ainda assim, ele estava com um ar de paz, cercado de amor. George nos deixou com tantos momentos e memórias agradáveis, que permanecerão conosco para sempre."
Ravi Shankar

"Vamos torcer que ele esteja fazendo uma 'jam' com John."
Keith Richards

"Ele era uma pessoa complexa, ao mesmo tempo quieto e engraçado, com uma natureza muito doce. Mas podia ser combativo também. Foi o primeiro músico que eu conheço a desenvolver um lado autenticamente espiritual. Ele era extremamente generoso com seu tempo, tanto para a caridade como para os amigos."
Mick Jagger

"George Harrison foi uma destas poucas pessoas realmente boas sob a Terra. Uma das melhores pessoas que conheci nesta vida. Eu irei, assim como o mundo, sentir muito sua falta."
James Brown

"To the Spiritual Sky I want to pray,
Oh how I pray
That I won't get lost or go astray"
George Harrison

Por Márcio Ribeiro - Whiplash.Net

Max Everson
Por Max Everson 27/11/2017 - 15:00Atualizado em 27/11/2017 - 15:01

 A cantora Teresa Cristina lançou um projeto surpreendente. Depois da belíssima homenagem que fez a Paulinho da Viola cantando seu repertório em “A Música de Paulinho da Viola” (Deck, 2002), ela interpreta canções de Roberto Carlos ao lado da banda Os Outros, conhecida pelos shows dedicados ao Rei.

 Tudo começou quando Teresa foi convidada para participar de um desses shows. Deu tão certo que a parceria se tornou constante até surgir a ideia do álbum.

No repertório estão os clássicos de Roberto Carlos: “Proposta”, “Como Dois e Dois”, “Sua Estupidez”, “Cama e Mesa”, “As Curvas da Estrada de Santos”, “Ilegal, Imoral ou Engorda”, “A Janela”, “Do Outro Lado da Cidade”, “O Moço Velho”, “O Portão”, “Você Não Serve pra Mim”, “Quando”, “I Love You”, “Nada Vai me Convencer” e “Despedida”.

A versão Deluxe conta com as faixas “Música Suave” e “Sua Estupidez”, que estão disponíveis apenas no formato digital.

É uma oportunidade de escutar os clássicos do Rei cantado por uma das maiores cantoras do país e tocado por uma banda especializada, que entende tudo do assunto.


1 Ilegal, Imoral Ou Engorda 3:31
2 A Janela 5:20
3 Como 2 e 2 4:54
4 Proposta 4:37
5 O Moço Velho 4:03
6 Do Outro Lado da Cidade 4:07
7 O Portão 4:50
8 Você Não Serve Pra Mim 3:16
9 Quando 3:07
10 Nada Vai Me Convencer 3:36
11 Cama e Mesa 4:02
12 I Love You 3:14
13 As Curvas da Estrada de Santos 3:56
14 Despedida 3:17
15 Música Suave (Deluxe Version) 3:35
16 Sua Estupidez (Deluxe Version) 2:59

Max Everson
Por Max Everson 27/11/2017 - 14:39Atualizado em 27/11/2017 - 14:41

O britânico Phil Collins anunciou que se apresentará em três cidades do país, em fevereiro de 2018.

Collins retorna aos palcos depois de 10 anos sem entrar em turnê e virá ao nosso país com “The Legendary Phil Collins Live”. O músico fará shows no Rio de Janeiro (22/02), São Paulo (24/02) e Porto Alegre (27/02).

Além do Brasil, o britânico passará por outros países da América do Sul, como Peru, Chile, Uruguai, Argentina e Porto Rico.

Os ingressos para as apresentações de Collins no Brasil serão vendidos a partir do dia 07 de dezembro, no site oficial da Eventim. 

 

7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19