Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
Max Everson
Por Max Everson 20/03/2018 - 16:19Atualizado em 20/03/2018 - 16:26

Campeonato inova neste ano e cria tema próprio para transmissões em parceria com compositor de Hollywood e deve ser utilizada nas transmissões do campeonato durante esta temporada.

A composição é de Brian Tyler, que já trabalhou em diversos filmes de Hollywood, como Iron Man 3, Velozes e Furiosos e Vingadores: A Era de Ultron.

A Fórmula 1 disse em comunicado que as mudanças estão sendo feitas "no contexto de procurar formas de aproximar os fãs da categoria."

"A música é um componente-chave da emoção do esporte e estamos envolvidos com o melhor do talento internacional para desenvolver uma nova melodia de assinatura para a F1."

O tema está disponível via Amazon e Apple Music, além de outros serviços de streaming e aqui no blog do Max Everson ^^.

Ouça:

 

Max Everson
Por Max Everson 20/03/2018 - 15:54Atualizado em 20/03/2018 - 15:57

Após ter anunciado que partiria para o ramo musical, a atriz global Cleo Pires cumpriu com o prometido e lançou nesta segunda-feira, 19, o seu primeiro EP, batizado de "Jungle Kid".

Produzido por Guto Guerra e com cinco músicas, três em inglês e duas em português, o projeto mostra uma nova fase da filha de Fábio Júnior.

"Nasceu! Meu projeto do coração! O EP Jungle Kid tá no ar! Em todas as plataformas,  Emoção de lançamento. Ainda iremos falar muito sobre ele!! Feliz feliz feliz!", escreveu Cleo ao publicar a novidade no Instagram.

Confira a canção "Jungle Kid" abaixo, que já conta com um lyric vídeo:

 

Max Everson
Por Max Everson 20/03/2018 - 10:27Atualizado em 20/03/2018 - 11:34

"Outono é sempre igual, as folhas caem no quintal", já cantavam Sandy e Júnior. E eles estavam certos sobre a estação que é considerada por muitos a mais bonita do ano.

O chão das ruas fica coberto de folhas secas, à espera do inverno; a temperatura cai e o sol ainda aparece, mesmo que timidamente. Para acompanhar um bom vinhozinho, escolhi algumas músicas que falam sobre o outono para ditar a trilha sonora da sua estação.


"WAKE ME UP WHEN SEPTEMBER ENDS" - GREEN DAY

"AUTUMN LEAVES" - CHRIS BROWN

"RUAS DE OUTONO" - ANA CAROLINA

"HARVEST MOON" - NEIL YOUNG

"SEASONS OF WITHER" - AEROSMITH

"WE'RE GOING TO BE FRIENDS" - THE WHITE STRIPES

"DEAD LEAVES AND THE DIRTY GROUND" - THE WHITE STRIPES

"AUTUMN ALMANAC" - THE KINKS

"SAPATO VELHO" - ROUPA NOVA

"CHANGE" - BLIND MELON

"AUTUMN LEAVES" - SUSAN BOYLE

"SEPTEMBER" - EARTH, WIND AND FIRE

"WHEN IT'S DARK" - YO LA TENGO

"O OUTONO" - CHIMARRUTS

"FOLHAS DE OUTONO" - FELIPE VALENTE

"AS QUATRO ESTAÇÕES" - SANDY & JUNIOR

e tem muito mais na programação Som Maior No Ar, de segunda a sexta em duas edições, das 10 as 12 e das 14 as 17 horas.

Max Everson
Por Max Everson 19/03/2018 - 16:37Atualizado em 19/03/2018 - 16:42

Marina Lima – Novas Famílias 

Céus!… Essas novas famílias / De terras molhadas com amor / Minando qualquer ditador”. Os versos são da letra de Novas famílias, música que batiza o 21º álbum de Marina Lima. Nas lojas e nas plataformas digitais a partir da próxima sexta-feira, 16 de março, o álbum abre com essa composição-título, até então inédita em disco, mas apresentada pela cantora e compositora de vivência carioca em maio de 2016, no decorrer da temporada do show No osso.

Com sete músicas inéditas, além das regravações do samba Climática(Gian Correa e Klébi Nori, 2015) e do hit autoral Pra começar (Marina Lima e Antonio Cicero, 1986), o álbum Novas famílias foi precedido em 23 de fevereiro pelo single que apresentou o controvertido e provocativo funk Só os coxinhas (Marina Lima e Antonio Cicero), uma das sete composições inéditas do repertório essencialmente autoral de Novas famílias.

A música Mãe gentil (Marina Lima, Arthur Kunz e Letícia Novaes) foi gravada com a participação de Letrux, codinome artístico da parceira Letícia Novaes em carreira solo. A canção Árvores alheias (composta por Marina para a trilha sonora do ainda inédito filme Baleia), a balada Do Mercosul (de Marina com Silva e Dustan Gallas), o samba-funk Juntas (de Marina com Antonio Cicero) e o tecnobrega É sexy, é gostoso (de Marina com Arthur Kunz e Dustan Gallas, produtores do disco) completam o cardápio de músicas inéditas do álbum Novas famílias.

Faixas de  Novas Famílias

1 - Novas Famílias (feat. Marcelo Jeneci) 3:23
2 - Juntas 3:37
3 - Árvores Alheias 3:43
4 - Mãe Gentil (feat. Letrux) 2:45
5 - Só os Coxinhas 2:30
6 - Climática 3:01
7 - É Sexy É Gostoso 3:26
8 - Do Mercosul 4:39
9 - Pra Começar (Bônus Track) 3:19

Aos 62, Marina Lima surpreende pela boa forma dançando funk em novo clipe!


 

Max Everson
Por Max Everson 16/03/2018 - 15:39Atualizado em 16/03/2018 - 15:45

Um dos maiores sucessos do cancioneiro autoral de Djavan, Meu bem querer – balada lançada há 39 anos pelo cantor e compositor alagoano no terceiro álbum, Alumbramento (1979) – ganha a voz aveludada de Seu Jorge, amaciada na cadência bem marcada do reggae. Feita pelo cantor carioca com a adesão do rapper fluminense Gustavo Black Alien e com arranjo de metais orquestrado pelo Maestro Tiquinho, a releitura de Meu bem querer está sendo lançada em sedutor single disponibilizado nas plataformas digitais a partir de hoje, 16 de março.

Black Alien improvisa alguns versos na cadência falada do rap ao fim da gravação produzida por BiD e Fernando Nunes com a colaboração do coprodutor Kuki Stolarski. A abordagem de Meu bem querer é a segunda amostra do projeto Jah-Van – Djavan goes Jamaica, idealizado pelo trio de produtores com a intenção de transportar a obra de Djavan para o universo musical jamaicano, como já sinaliza o engenhoso título.

O projeto foi apresentado oficialmente em 26 de janeiro com a edição do single em que o cantor paraibano Chico César dá voz à balada Nem um dia (Djavan, 1996) em ritmo de reggae. O elenco de Jah-Van – Djavan goes Jamaica inclui nomes como Arnaldo Antunes, artista paulistano convidado a recriar Samurai (Djavan, 1982) – outro clássico do repertório autoral do compositor – na levada rítmica da Jamaica.

Seu Jorge é parte da programação Som Maior No Ar...

 

Max Everson
Por Max Everson 16/03/2018 - 15:21Atualizado em 16/03/2018 - 15:25

Coração Inevitável é o primeiro álbum ao vivo da cantora, compositora e poetisa Ana Cañas. Com o show dirigido por Ney Matogrosso, o álbum traz músicas que já são sucesso, composições inéditas e regravações de músicos consagrados. Entre as mais famosas, está “Esconderijo”, tema da antiga novela Viver a Vida da Rede Globo, de Manoel Carlos. Há também a faixa “Pra Você Guardei o Amor”. Em relação às inéditas, temos “Acalanto para Helena” da trilha sonora de Joia Rara e “Você Bordado”, canção escrita pela artista em parceria com Nando Reis. As regravações dão um toque especial ao disco, como a música “Codinome Beija-Flor” do imortal Cazuza e “Retrato Em Branco e Preto” de Chico Buarque e Tom Jobim. A balada romântica “Stormy Weather” e o hit da banda britânica Led Zeppelin “Rock and Roll”, considerados clássicos da música internacional, ganham uma roupagem nova na voz dessa jovem paulistana.

Ana Cañas é parte da programação Som Maior No Ar

Max Everson
Por Max Everson 15/03/2018 - 16:18Atualizado em 15/03/2018 - 16:24

 The Ventures, que surgiu na área de Seattle no início da década de 1960, poucos anos antes dos Beatles transformarem a música pop, é considerada a banda de rock instrumental mais vendida de todos os tempos.

A banda faz parte do Hall da Fama do Rock nos EUA. Ela tem entre suas faixas mais conhecidas a música tema da série "Hawaii Five-O" e outras como "Perfidia" e "Walk don't run".

Mas...como nem tudo é perfeito...

O guitarrista americano Nokie Edwards, da banda The Ventures, cujo som ajudou a criar o gênero de rock instrumental e influenciou gerações de artistas mais novos, morreu aos 82 anos.

O músico, que tocou baixo na banda antes de se tornar seu guitarrista principal, morreu na segunda-feira (12) após vários meses lutando contra uma infecção relacionada a uma cirurgia no quadril, informou a banda em comunicado.

Relembre alguns sucesso do The Ventures:

 

Max Everson
Por Max Everson 15/03/2018 - 15:54Atualizado em 15/03/2018 - 16:05

A música Clube da esquina 2 (Milton Nascimento, Lô Borges e Márcio Borges, 1972) já foi tão bem (re)gravada ao longo de 46 anos de vida que parece difícil dar novo tom à composição. Mas tal teoria é demolida com a audição da abordagem de Clube da esquina 2 que abre Duetos, álbum independente que Jane Duboc lança amanhã, 16 de março de 2018, cerca de 40 anos após ter iniciado discografia nem sempre à altura da voz dessa cantora paraense, nascida em Belém (PA) em 1950.

Na gravação de Clube da esquina 2, o Roupa Nova mostra todo o talento e potencial muitas vezes subaproveitados na discografia do grupo vocal carioca. A combinação das vozes do Roupa Nova com o canto límpido de Jane abre caminhos harmônicos para a canção, como exemplificam os vocais caudalosos dos cantores no verso "De um rio, rio, rio, rio, rio". Com arranjo conduzido pelo toque do piano da própria Jane, a inebriante gravação de Clube da esquina 2 valoriza Duetos, álbum produzido por Daniel Figueiredo.

Os arranjos do disco são minimalistas, geralmente calcados no piano ou eventualmente no violão tocado pela própria Jane Duboc, como na canção Janela de um trem (Jane Duboc), gravada pela cantora e compositora em dueto terno com Toquinho. Em Duetos, a artista reitera o hábito de recusar os caminhos mais fáceis. Embora siga a fórmula popular dos encontros, o álbum tem repertório situado longe do trilho da obviedade.

Duboc joga luz sobre canções pouco ouvidas, caso de Nada sem você (Ivan Lins, Ivano Fossatti e Celso Viáfora, 2000), gravada com o toque da guitarra de Roberto Menescal e com a voz geralmente kitsch de Marina Elali, cantora potiguar que acerta ao dosar a opulência vocal em nome do bom gosto.

Ode ao canto, Voz (Sérgio Santos e Paulo César Pinheiro, 1995) se engrandece no disco pelo ousado arranjo vocal – criado pela própria Jane Duboc, cantora de refinada musicalidade – e pelo encontro afetivo da anfitriã com o filho cantor, Jay Vaquer, cuja presença dá sentido adicional a versos como "Abençoada a voz do ser que canta / É feito voz de mãe, só faz carinho / E mãe cantar para filho é coisa santa".

Vaquer é o compositor de Aquela música (2003) – música revivida por Duboc em dueto com um correto Fábio Jr., em outra evidência dos riscos corridos pela cantora ao escolher os convidados do álbum Duetos – e de Cotidiano de um casal feliz (2005), composição gravada por Duboc com a deslocada Erika Ender, coautora do hit mundial Despacito (2017).

Reminiscência de álbum obscuro da discografia da cantora, Jane Duboc (Som da Gente, 1982), Eu no sol tem a temperatura elevada demasiadamente pelo canto inflamado de Oswaldo Montenegro, parceiro de Jane na composição. Parceria de Duboc com o produtor Daniel Figueiredo, From sun to sun ameniza o calor na trama dos violões e no canto de Celso Fonseca, convidado da gravação feita em inglês, idioma também da bonita canção The angel, ouvida com a voz de Bianca Gismonti e com o toque do piano de Egberto Gismonti, parceiro de Duboc na composição.

Já Fruto de estação (Jane Duboc e Sueli Corrêa, 2000), música revivida com a cantora italiana Mafalda Minnozi, é ambientada no clima jazzy que volta e meia aparece na discografia da artista. Melhor cantora do que compositora, Duboc optou por dar voz a algumas canções autorais no CD Duetos. Uma delas é o blues Rastro de sangue (Jane Duboc e Zeca Calazans, 2016), valorizado pelo canto caloroso de Claudio Damatta.

Enfim, o álbum Duetos retrata os gostos e escolhas de Jane Duboc, cantora que, com exceção de três discos lançados entre 1987 e 1991, sempre prezou harmonias sofisticadas em detrimento da empatia popular, pagando no mercado o preço por tais escolhas.

Jane Duboc faz parte da programação da Som Maior Fm, nos programas Som Maior No Ar e Vozes do Brasil, e com certeza o novo disco "Duetos" fará parte de nosso repertório.

 

Max Everson
Por Max Everson 15/03/2018 - 11:31Atualizado em 16/03/2018 - 08:41

Há alguns meses, a banda Iron Maiden havia sido acusada de plagiar algumas partes da canção "Life's A Shadow", do grupo Beckett, para fazer o hit "Hallowed Be Thy Name". A acusação estava sendo apurada, mas agora, o baixista Steve Harris admitiu ter assistido uma das apresentações do grupo e realmente se inspirado na faixa.

Além de assumir o plágio, o integrante do Iron Maiden afirmou no tribunal que o disco lançado pela Beckett é um de seus favoritos da década de 70. Como parte da solução do processo, ficou acordado que os integrantes do Iron Maiden serão obrigado a pagar uma indenização no valor de 620 mil euros.

Por pagar a indenização, a banda poderá voltar a apresentar e monetizar com "Hallowed Be Thy Name". A banda estava impedida de trabalhar com a canção desde o ano passado.

Compare os versos que geraram o processo:

Beckett - Life's A Shadow

Mark my words my soul lives on
Please don't worry cause I've have gone
I've gone beyond to see the truth
While I consider my new youth
When your time is close at hand
Maybe then you'll understand
Life down there is just a strange illusion

Iron Maiden - Hallowed Be Thy Name

Mark my words believe my soul lives on
Don't worry now that I have gone
I've gone beyond to seek the truth
When you know that your time is close at hand
Maybe then you'll begin to understand
Life down there is just a strange illusion

 

Max Everson
Por Max Everson 14/03/2018 - 16:36Atualizado em 14/03/2018 - 16:43

 

Max Everson
Por Max Everson 14/03/2018 - 11:09Atualizado em 14/03/2018 - 11:20

“Correndo Atrás de Um Pai” (ou “Father Figures”, em inglês) é uma comédia americana dirigida por Lawrence Sher. O longa conta com um grande time de atores consagrados como J. K. Simmons, Owen Wilson, Ed Helms, Katt Williams e mais. 

 Os irmãos Kyle (Owen Wilson ) e Peter Reynolds (Ed Helms) descobrem que seu pai biológico não morreu quando eram mais novos e alguns segredos sobre sua mãe são revelados. Os dois pegam estrada para finalmente conhecer seu pai e outras curiosidades sobre essa peculiar família.

Can’t Hold Out On Love – Jason Mraz 

Jason Mraz é um cantor e compositor americano, que iniciou sua carreira nos anos 2000. Sua ascensão foi durante o lançamento de seu segundo disco, “Mr. A-Z”, em 2005. Três anos depois, com seu terceiro trabalho de estúdio, o cantor alcançou sucesso internacional por conta do single “I’m Yours”, um de seus maiores hits até os dias atuais. Vencedor de prêmios Grammy, Mraz diz ser extremamente influenciado pela música brasileira.

“Can’t Hold Out On Love” foi criada especialmente para o longa, após três anos sem lançar músicas inéditas. Em suas redes sociais, Jason Mraz disse: “Eu costumava trabalhar em cinemas limpando as pipocas durantes os créditos. Agora eu tenho o prazer de escrever/performar a música para os créditos…”


He Ain’t Heavy, He’s My Brother – Neil Diamond

Neil Diamond é um cantor, compositor e ator americano. Ele já vendeu mais de 100 milhões de discos ao redor do mundo e possui 38 canções no Top 10 da Billboard Adult Contemporary Charts, se tornando assim um dos músicos que mais vendem em todos os tempos. Em turnê há 50 anos, Neil possui 32 discos de estúdio gravados e tem seu nome gravado na Songwriters Hall of Fame e Rock and Roll Hall of Fame.

“He Ain’t Heavy, He’s My Brother” é uma canção escrita por Bobby Scott e Bob Russell. Originalmente gravada por Kelly Gordon, ela fez sucesso na voz de Neil Diamond nos anos 70, e diversos outros artistas também fizeram suas versões.


Have a Little Faith in Me – John Hiatt

John Hiatt é um cantor, compositor, guitarrista e pianista americano. É conhecido por misturar uma serie de estilos musicais em seus discos, incluindo country e blues. Se mantendo como um dos compositores americanos mais influentes e respeitáveis, Hiatt foi indicado ao Grammy diversas vezes mas nunca levou o prêmio.

“Have a Little Faith in Me” é uma canção escrita e cantada por John, que aparece no disco “Bring The Family”, de 1987. Diversos artistas fizeram cover da música, e ela aparece na trilha sonora de outros filmes como “Olha Quem Está Falando Agora” e “Cake”.


Ways To Go – Grouplove

Grouplove é uma banda americana formada em 2009 por Hannah Hooper (vocal e teclado), Christian Zucconi (vocal e guitarra), Sean Gadd (baixo), Andrew Wessen (guitarra e vocal) e Ryan Rabin (bateria). Eles iniciaram sua carreira na música em 2009, e dois anos depois lançaram seu disco de estreia, que rendeu o singe “Tongue Tied”, seu maior sucesso.

“Ways To Go” integra o segundo disco da banda, “Spreading Rumours”, de 2013. Comercialmente falando, o álbum foi bem sucedido e vendeu 80 mil cópias somente nos Estados Unidos.

ficou curioso? então assista o trailer de “Correndo Atrás de Um Pai” (Father Figures)

 

Max Everson
Por Max Everson 01/03/2018 - 11:07Atualizado em 01/03/2018 - 11:11

PuraBossaNova faz parte da programação do Som Maior No Ar e Vozes do Brasil.

 

Max Everson
Por Max Everson 28/02/2018 - 10:58Atualizado em 28/02/2018 - 11:14

A série La Casa de Papel, gravada na Espanha, já é uma das preferidas entre os brasileiros. Com isso, a música de abertura, “My Life Is Going On” já foi, inclusive, adicionada na programação da Som Maior. 

Criada por Álex Pina, teve sua estreia no dia 2 de maio de 2017 e, na plataforma Netflix no dia 25 de dezembro, trazendo estrelas como Úrsula Corberó, Paco Tous, e Alba Flores. 

Além disso, a canção de abertura da série, nomeada “My Life Is Going On” se tornou um sucesso no país. A cantora Cecilia Krull, responsável também pela composição da letra já interpretou também temas das produções Tres Metros Sobre El Cielo e Vis a Vis.

A artista concedeu entrevista revelando que, tudo começou aos 12 anos e que uma de suas principais inspirações é Stevie Wonder. Além disso, a cantora deu voz a outra faixa da série. 

 1- Quando foi que você começou a cantar? Quando decidiu que seria cantora? Vem de uma família de músicos?

Meu pai era pianista, minha mãe canta muito bem, e fez algumas coisas quando era jovem, mas não se dedicou a música profissionalmente. Meu avô tocava acordeão, meus tios tocam guitarra, meus primos são músicos. Então, nasci em um meio musical, creio que eu tenho cantado desde que nasci! Nunca decidi ser cantora, sempre foi algo que esteve comigo. Segundo meus pais, quando meu pai tocava  piano, eu cantarolava o que ele estava tocando. E inclusive, quando comíamos em algum restaurante, eu cantava a música que escutava por lá, durante o percurso do estabelecimento até chegar em casa! Comecei profissionalmente aos 7 anos, nas produções da Disney

2- O seu pai é compositor? E você, já escreveu alguma música? 

Sim, meu pai é compositor. E eu já escrevi muitas canções, também. Uma das primeiras, fiz com 12 anos, eu a apresentei em um programa de Tv aqui na Espanha chamado " el juego del amor " (O jogo do amor). É alucinante como o amor ocupa tanto lugar na música.

3- Como foram suas participações nas produções do Walt Disney quando era criança? 

Aprendi muito, era muito pequena, e até os 14 anos estive fazendo muitas sessões de gravação, também como atriz de dublagem. Compartilhar com companheiros, exercitar o ouvido musical, aprender a cantar com mais gente, foi uma experiência da qual guardo muitas boas recordações, muito doce.

4- Quais são as suas maiores inspirações musicais?

Em casa sempre escutamos sobretudo Jazz, música clássica, contemporânea, 'chanson française'.... Mas, na minha adolescência escutei muito hip hop! Eu era rebelde, não queria seguir os passos do meu pai e o jazz, mas, com o tempo, encontrei na fusão (musical) meu refúgio, eu gosto muito, também, de flamenco, música Soul, e r&b.....

5- “My Life Is Going On” foi escrita especialmente para a série? Qual é a sua relação com o compositor, Manel Santisteban? Vocês já fizeram outras parcerias?

Manel Santisteban e eu temos uma excelente relação que começou sendo de trabalho e ele se tornou um familiar para mim! Fizemos juntos a canção para o filme " 3 metros sobre el cielo" (3 metros sobre o céu), chamada " Something’s Triggered", e desde então, não deixamos a parceria de lado, ele compondo e eu colocando a voz nas melodias! 

Também fizemos  a canção “All my fears” para o filme “Fuga de Cerebros 2" e a música “Agnus Dei”da série Vis a Vis, “My life is Going on”, para La casa de Papel, e também uma em espanhol “La verdad”, da série” El Accidente. Quando nós fazemos canções para séries e filmes sempre pensamos na trama e nos personagens. 

6- Há outra canção sua na série 'La casa de papel'?

No primeiro capítulo quando se apresenta o grupo! Quando eles vão entrando juntos na casa, onde tudo se planeja com o Professor. Essa canção, também, é minha e de Manel.  

7- Você esperava que a série lhe daria reconhecimento mundial? Como está sendo a recepção dos telespectadores com a música?

A verdade é que sempre aproveito muito quando estou cantando, não penso na repercussão de nenhum tipo, não espero nada, tudo o que chega é uma surpresa, e eu recebo com imensa alegria e muito agradecimento. Os telespectadores são incríveis, me escrevem nas minhas redes, me dedicam covers da música. No momento, tento responder a todos que me mandam mensagens.

8- Quais são seus planos de agora em diante? Escrever novas músicas ou um novo disco?

Novas canções e um disco, claro! E muitos shows, espero. 

9- No vídeo enviado para a Antena 1, você disse que espera encontrar os brasileiros em breve. Há planos de uma visita ao Brasil? Qual a sua relação com os seus fãs brasileiros?

Minha relação com os meus admiradores é a máxima possível! Eu respondo todo mundo que me escreve. Ainda não há nada fechado, mas espero que em breve.  Gostaria de ir ao Brasil, seria um sonho e além do mais para cantar. Felicidade! Significa muito para mim todo o apoio que estou recebendo. Muito carinho e amor. 

10- Quais são os seus planos? Tem pretensões de continuar cantando em espanhol e inglês? Tem alguma preferência de idioma ao cantar? 

Falo três idiomas, espanhol, inglês e francês, às vezes, também, escrevo letras em francês, em espanhol canto menos, embora eu, também, goste. Acredito que o inglês sai mais fluído. Afinal, eu sempre escutei mais música anglo-saxônica. 

11- Como foi o convite para ser intérprete da canção "My life is going on"? Qual foi a sua reação? 

Quando Manel me liga para me apresentar projetos, sempre desligo e grito: Bem! Isso me deixa muito feliz, nós colocamos todo o coração, mas não só tenho pretensões, como sempre tento manter os pés no chão. 

12- A música "My life is Going on" ocupa boa posição em diversas paradas musicais: Está no topo do iTunes Brasil e entre as mais tocadas no Spotify da Argentina e de outros países. Como você se sente com isso? 

Muito feliz. Imagina que sigo cantando por toda a minha vida, eu já cantei em todo tipo de eventos, restaurantes, casamentos.... (Risos) Isso é um sonho! 

13- Você já escreveu canções para duas produções espanholas. Qual a sua relação com as séries? Você já pensou em seguir a carreira de atriz? 

Minha irmã mais velha sempre estudou artes dramáticas, ela até se formou como atriz e agora como dramaturga!  Sinto muito respeito pela atuação, sempre que me perguntaram eu disse não (sobre a carreira de atriz). Exceto, na série Vis a Vis, quando me convidaram para fazer uma aparição em um capítulo, e eu adorei. Comecei a fazer aulas de interpretação e a verdade é que adorei essa experiência. Então, porque, não?

Perfil:

Cecilia Krull López 
Nascimento: 1986, em Madri, na Espanha. 
Hobbies: viajar e gastronomia. 
Filme preferido: O Fabuloso Destino de Amélie Poulain. 
Cantora favorita: Erykah Badu  
Melhor cantor: Stevie Wonder 

Confira mais uma de Cecilia Krull

Crédito - Larissa Valença e Amanda Brandão

Max Everson
Por Max Everson 26/02/2018 - 10:48Atualizado em 26/02/2018 - 10:51

Para acompanhar o lançamento do primeiro DVD da cantora, “Memórias, Crônicas e Declarações de Amor”, chega ao mercado um CD single com as músicas “A Sua”, “Ontem Ao Luar” e uma faixa interativa com videoclipe, e este novo material já está na programação da Som Maior...

Max Everson
Por Max Everson 26/02/2018 - 10:42Atualizado em 26/02/2018 - 10:44

Assim como a música, o fonograma é inédito. O single faz parte da gravação ao vivo que será lançada neste primeiro semestre de 2018 pela gravadora Universal Music com o registro de show feito pelo cantor, compositor e músico carioca em 29 de junho de 2016, no Teatro da UFF, na cidade fluminense de Niterói (RJ). A apresentação foi calcada no repertório do show e disco Zerima, lançado por Melodia em 2014.

Felicidade agora não fazia parte do roteiro original do show Zerima e o single tampouco tem clima de gravação ao vivo. De todo modo, a composição é sedutora. Poucas vezes Melodia lançou uma música de arquitetura tão pop, evidenciada pelo arranjo simples e eficiente. O veludo da voz ainda está lá, embora já sem o viço de tempos idos. Mas o que contagia são a levada e o alto astral da música.

Luiz Melodia – Felicidade Agora é parte da programação da Som Maior

Max Everson
Por Max Everson 26/02/2018 - 10:21Atualizado em 26/02/2018 - 10:23

Integrante dos Titãs que tem o maior número de músicas gravadas em 28 anos de carreira, Sérgio Britto lançou o CD “Purabossanova”.  Seu quarto disco solo traz 12 canções inéditas e diversas participações especiais.  Na música “Como Iguais”, o titã canta com o músico Luiz Melodia.  Já na faixa-título do CD, “Purabossanova”, é a vez de Rita Lee dividir uma música com Britto.  Outra cantora que integra o CD é a sambista Roberta Sá em “Maria (L’autre chienne)”.  O repertório também tem duas regravações de canções internacionais, são elas “Cancion Para Mi Muerte”, do roqueiro argentino Carly Garcia e “Lento (Lento)”, sucesso da cantora norte-americana, de criação mexicana, Julieta Venegas.

Max Everson
Por Max Everson 23/02/2018 - 16:26Atualizado em 23/02/2018 - 16:28

Paula Toller, ex-vocalista do Kid Abelha, lançou nessa quinta-feira (22) a canção “Céu Azul”, regravação de um dos sucessos da banda Charlie Brown Jr.

A nova versão de “Céu Azul” faz parte do seu novo projeto “Como Eu Quero”, que traz releituras de canções de sua carreira solo e grandes sucessos da banda Kid Abelha. Para este ano, Paula Toller promete gravar o DVD de seu projeto, que conta com a produção de Liminha.

Ouça a nova versão de “Céu Azul”

 

Max Everson
Por Max Everson 22/02/2018 - 15:36Atualizado em 22/02/2018 - 15:42

Na última quarta-feira, dia 21, aconteceu a 38ª edição do BRIT Awards, a mais famosa premiação musical britânica. Com apresentação de Jack Whitehall, o palco da Arena O2 em Londres, a recebeu artistas como Justin Timberlake, Liam Gallagher, Dua Lipa e Ed Sheeran.

Entre os vencedores, Lorde foi premiada como Melhor Artista Feminina Internacional, no entanto, a cantora não conseguiu comparecer e mandou um recado agradecendo ao prêmio.

Além disso, Foo Fighters foi consagrado como Melhor Grupo Internacional e Kendrick Lamar como Melhor Artista Masculino Internacional. Dua Lipa foi uma das maiores vencedoras da noite, levando os troféus de  Melhor Artista Feminina Britânica e Revelação do Ano.

Enquanto isso, o single “Human”, de Rag’n’Bone Man recebeu a honraria de Melhor Single Britânico. 

Ed Sheeran recebeu o troféu de “Global Success Award” das mãos de Ronnie Wood, do Rolling Stones. O prêmio foi entregue ao músico por seu desempenho de sucesso ao redor do mundo, sendo definido pela premiação como um dos artistas britânicos mais grandiosos de todos os tempos.

Confira a lista dos vencedores a seguir:

Artista Feminina Britânica - Dua Lipa

Artista Masculino Britânico - Stormzy

Single Britânico - Rag’n’Bone Man – ‘Human’

Grupo Britânico - Gorillaz

Revelação Britânica - Dua Lipa

Vídeo de Artista Britânico - Harry Styles – ‘Sign Of The Times’ (Venceu)

Artista Feminina Internacional - Lorde (Venceu)

Artista Masculino Internacional - Kendrick Lamar

Grupo Internacional - Foo Fighters

Álbum Britânico do Ano - Stormzy – ‘Gang Signs And Prayer’

Max Everson
Por Max Everson 21/02/2018 - 16:01Atualizado em 21/02/2018 - 16:06

O Soft Cell, pioneiro do synth-pop e um dos ícones da década de 80, acaba de anunciar um show de celebração de seus 40 anos.

A apresentação da dupla Marc Almond e David Ball será a primeira em 15 anos e também representará a última, já que eles vendem o evento, programado para 30 de setembro na O2 Arena de Londres, como “show de despedida”.

“Eu sempre senti que o Soft Cell é algo inacabado. Então, este último show será a melhor forma de encerrar o grupo. Será uma declaração real de ‘muito obrigado’ para todos os fãs”, disse Almond num comunicado à imprensa.

O Soft Cell encerou suas atividades em 1984, mas entre 2001 e 2005 realizou uma série de apresentações comemorativas.

O grupo sofreu forte influência de David Bowie em seu início de carreira e entre seus sucessos destacam-se “Torch” e “Tainted Love” (gravado originalmente por Gloria Jones).:

 

Max Everson
Por Max Everson 20/02/2018 - 15:31Atualizado em 20/02/2018 - 15:34

Depois da morte de Dolores O'Riordan, em janeiro deste ano, um questionamento sobre o futuro dos The Cranberries se levantou entre os fãs e admiradores da banda. Depois de processar os acontecimentos e pensar sobre o passo que dariam, os integrantes da banda anunciaram na quinta-feira (15) que vão lançar um novo disco com faixas inéditas na voz da ex-integrante.

O anúncio aconteceu através de uma nota oficial publicada nas redes sociais do grupo. Leia:

O lançamento só será possível porque a banda irlandesa já estava no processo de produção e gravação de seu próximo álbum quando a vocalista da banda foi encontrada morta, aos 46 anos de idade. Ou seja, o processo já estava em andamento e os integrantes da banda apenas resolveram finalizar as faixas que estão com a produção já avançadas. "É isso que ela gostaria que fizéssemos", escreveram.

Embora já tenham anunciado o lançamento do disco, que servirá como uma maneira de homenagear Dolores, os integrantes enfatizaram que ainda não sabem muita coisa sobre o disco - incluindo o número de faixas presentes. "Nós não sabemos quantas faixas vão fazer parte da versão final do álbum agora, mas era o desejo de Dolores que nós terminássemos o álbum e lançasse, então é isto que faremos nos próximos meses", anunciaram.

Os integrantes Noel, Mike e Ferg ainda anunciaram que existem outros projetos dos Cranberries sendo pensados e fecharam o anúncio agradecendo o suporte e mensagens dos fãs durante essa temporada difícil da formação.

"Zombie", uma das faixas mais populares do grupo, foi lançada em 2009 e atualmente se aproxima das 700 milhões de reproduções no canal oficial do grupo no YouTube. Confira:

 

4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16