Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
4
* as opiniões expressas neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do 4oito

Os oitenta anos de Boris Pakter a 3 de setembro de 2021

Boris vive hoje em porto alegre onde exerce sua honrada medicina
Henrique Packter
Por Henrique Packter 02/09/2021 - 11:37Atualizado em 02/09/2021 - 11:40

Uma questão de nomes próprios

Observando os nomes lá em cima, parece que um engano foi cometido: afinal é Pakter ou Packter?

Como acontecia com regular frequência na época, os assoberbados cartórios de então cometiam equívocos que acompanhavam as pessoas pela vida. Na verdade, o sobrenome do escriba e seus descendentes é que padece de erro. Paciência, há coisas piores. Por muitos anos atendi pacientes em Criciúma com nomes bizarros, inacreditáveis. Havia um Satírio Venéreo que residia lá pelos lados da Próspera. Um outro chamava-se Cetiva qualquer-coisa, sendo Cetiva nome de popular medicamento à base de Vitamina C. Por pouco o Sr. Motes não foi batizado (como era intenção dos felizes e alienados pais) com o nome do absorvente feminino, então, grande novidade.

Foi por obra e arte de algum obscuro cartório santa-mariense, que Boris e eu somos irmãos com sobrenomes diferentes. Já nossa irmã, Dorinha, é Pakter, como os pais e o irmão caçula.

Lembro de nossa meninice, as coisas difíceis, o dinheiro escasso, lá em casa, na Santa Maria da Boca do Monte. Nosso pai lutava como podia para suprir nossas mais notórias e elementares necessidades de sobrevivência. Todos faziam sacrifícios. A roupa de nosso pai por artes estilísticas do prêt-à-porter de mamãe transmudava-se em roupas minhas e finalmente, depois de regular uso, de Boris. Dona Geni, nossa mãe, falava em distribuição irmãmente das roupas paternas.

Por isso, nada a estranhar quando Boris chega a Criciúma em 1967 (eu chegara em 1960) e diante da minha oferta de distribuir irmãmente o produto de nosso trabalho, reagiu:

- Irmãmente coisa nenhuma, cinquenta por cento para cada um!

UMA QUESTÃO DE SOBRENOMES

Thomas Reis Mello, nosso colega no HSJ conhecia um Clerq Kent da Silva, morador de Jacaré, quarto distrito de Torres, RS. Explicava-se o estranho personagem:

- Parece que meu avô morreu disso...

Não poucos problemas nossos sobrenomes nos trouxeram. No vestibular para o Curso de Medicina, permitiram que eu a ele me submetesse, condicionalmente. Na minha certidão os sobrenomes dos pais estavam corretos, mas não o meu.

Fui chamado à secretaria da Faculdade duas vezes, eu acho, até que o problema parece que foi esquecido. Ou sanado, não sei bem.

Na fuga da Inquisição, muitos judeus e muçulmanos que viviam em Portugal e Espanha nos séculos 15 e 16 converteram-se ao catolicismo. Também alteravam seus sobrenomes para coisas da natureza, como Leão, Carneiro e Pinheiro – embora essas nomenclaturas não sejam exclusividade deles. (Fernando Carneiro, Chico Pinheiro e Leão Júnior, aquele do MATTE LEÃO em Curitiba, são nomes bastante suspeitos).

Silva é o sobrenome mais popular no Brasil, mas a maior família com laços consanguíneos é a dos Cavalcanti, de Pernambuco. Por lá, reza a lenda que “ou se é Cavalcanti, ou se é Cavalgado”.

Isso nos leva ao Brasil-Colônia do bispo Sardinha, devorado pelos índios. O sacerdote português, Dom Pedro Fernandes Sardinha, ou Pero Sardinha, (Évora, 1496/Capitania de Pernambuco, 1556), primeiro bispo do Brasil, chegou a Salvador da Bahia em 25.2.1551  aos 55 anos. Sardinha tomou posse em 22.6.1552 e renunciou à função em 2.6. 1556.

A 16.7.1556,  capturado pelos índios caetés no litoral sul de Alagoas —, e, mesmo indicando por acenos que era importante prelado dos portugueses e sacerdote consagrado a Deus, que se vingaria dos excessos cometidos contra ele, foi abatido com uma maça e devorado com seus companheiros.

Dom Pedro Fernandes Sardinha foi sucedido na Sé Primacial do Brasil por Dom Pedro Leitão (1519-1573). Portanto, Pedro Leitão sucedeu a Pedro Sardinha.

Para os índios canibais que viviam na época do Brasil colônia, sobrenome era uma questão de aquisição: eles iam agregando os nomes das pessoas que devoravam! Canibais nasciam com apenas um nome e iam colecionando outros ao longo da vida – a quantidade era motivo de orgulho e semostração.

A família imperial brasileira sempre teve nomes quilométricos, D. Pedro I tinha uma porção. Querem ver? Contem bem: Pedro de Alcântara, Francisco, Antônio, Carlos, Xavier, de Paula, Miguel, Rafael, Joaquim, José, Gonzaga, Pascoal, Cipriano, Serafim. São 14!

Tudo homenagem aos antepassados próximos.  4.280 (CONTINUA).

4oito

Deixe seu comentário