Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
4
* as opiniões expressas neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do 4oito

A incrível história do peão que laçou o avião...em voo - Parte 2

Henrique Packter
Por Henrique Packter 24/12/2020 - 10:59Atualizado em 24/12/2020 - 11:01

FELIZ NATAL, GENTE! FELIZ 2021! SAÚDE!

 Ao sobrevoar a Fazenda Tronqueiras, proximidades de Santa Maria, RS, Irineu embicou o Paulistinha numa série de rasantes sobre a mesma, espantando umas vacas que o peão Euclides Guterres acabara de apartar. No alto de uma das elevações, Euclides cuidava de uma novilha com bicheira e não gostou nem um pouco do que ocorria.  As passagens sobre a casa grande e a mangueira fizeram o peão passar a mão do laço de treze braças e 4 tentos que arremessou por diversas vezes em direção ao pequeno monomotor. (1 braça = 1,83 metros; tentos: pequenas tiras de couro às quais se prende o que se quer trazer à garupa).

 Eram os primeiros anos de  1952. A cada arremetida Irineu voava desafiadoramente mais baixo para inticar com o laçador. Na terceira ou quarta tentativa o avião foi laçado. Balançou, só não caindo porque a hélice cortou o laço de couro que acertara o bico do teco-teco. Por estar preso na cincha do arreio sobre o cavalo, o laço, com o impacto, rebentou na presilha e seguiu pendurado no avião. Estava feito!

 Outra versão dá conta que o peão Euclides Guterres, para não ser carregado pelo avião, largou o laço. Mas, a hélice, de golpe, já havia partido em duas as 13 braças de couro cru trançado. O jovem piloto tinha na frente dos olhos um pedaço do laço. Virou o nariz do aparelho e voou em direção a Camobi com a hélice partida!

O motor pipocou algumas vezes, perdeu altura para depois nivelar e sumir em direção a Santa Maria, levando preso na fuselagem um pedaço de laço gaúcho de treze braças, quatro tentos, couro cru.

Assustado, tratou de pousar. Ainda na cabeceira da pista, longe do hangar, teria retirado o laço que escondeu no meio das macegas. Como houve dano na hélice do aparelho, o piloto estava ameaçado de demissão, por ter agido de forma imprudente e provocativa, e por não ter comunicado o fato às autoridades aeronáuticas. Três dias depois do evento, A RAZÃO promoveu um encontro entre os protagonistas do episódio.

http://wp.clicrbs.com.br/almanaquegaucho/files/2012/11/0086115f.jpgHá quem afirme que a diretoria do aeroclube percebeu o pedaço do laço enrolado na hélice e obrigou o piloto a contar tudo, tin tin por tintin. É quando os diretores do aeroclube decidem cassar a licença do piloto Noal. Ele ainda pagou multa pela transgressão. Em 1999, aos 68 anos, perguntado sobre o fato, não se sentiu muito à vontade para falar sobre a façanha.

Disse:

-Foi uma brincadeira de guri. Mesmo arredio, o piloto admitiu o perigo da manobra e desdenhou da habilidade do peão. (Aquele não laçava nem vaca. Foi uma sorte muito grande). Noal não conseguiu lembrar o dia exato do episódio.

 A FAMA

Irineu falava dos namoricos e dos amassos vindos com a fama inesperada.

Nem sempre gostava de falar sobre o assunto, embora a história lhe rendesse certa fama. Irineu foi casado com Maryolanda, com quem teve três filhos - Alexandre, Giovani e Lorraine.  Versões validam as declarações de um dos filhos de Irineu, Alexandre Noal. – Não por acaso Irineu era conhecido como Gringo Louco. Ele gostava de pilotar e, mais ainda, de aventura. O meu avô tinha medo de voar. Mas, uma vez, meu pai o convenceu a voar com ele. Quando o vô percebeu, eles estavam passando por baixo da ponte do Passo do Verde – lembra o filho Alexandre Noal, 48 anos. Segundo Alexandre, apesar das diferentes versões para o fato, seu pai afirmava que pretendia devolver as cartas de uma ex-namorada. Por isso, resolveu dar rasantes na fazenda Tronqueiras, onde a moça morava e que até hoje pertence à família Xavier. Esperava que ela saísse de casa e ele pudesse arremessar as correspondências.

O voo de Noal entre a fazenda e o aeroclube não demorou nem oito minutos. Ao pousar mentiu que sofrera um acidente. Porém, foi denunciado pelo pedaço de laço enrolado na hélice. Acabou multado, foi expulso, teve o brevet cassado. Irineu guardou a hélice do paulistinha com o pedaço do laço. 3.803

4oito

Deixe seu comentário