Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

PM registra menos delitos no Parque dos Imigrantes

Rondas policiais foram intensificadas nas últimas semanas para minimizar problema denunciado
Por Francine Ferreira Criciúma, SC, 01/02/2019 - 06:15
Daniel Búrigo / A Tribuna / Arquivo
Daniel Búrigo / A Tribuna / Arquivo

Inaugurado há quase um mês, o Parque dos Imigrantes tem registrado redução nas ocorrências policiais e pequenos crimes que vinham sendo percebidos logo depois da abertura da estrutura, no Distrito de Rio Maina. A queda se fortaleceu depois que a Polícia Militar de Criciúma e o Departamento de Trânsito e Transporte (DTT) intensificaram as rondas no local, com objetivo de prevenir e reprimir ações criminosas.

Conforme o subcomandante do 9º Batalhão de Polícia Militar (BPM) de Criciúma, major Eduardo Moreno Person, a corporação tem recebido da comunidade um feedback positivo. “Não nos passaram mais reclamações e as pessoas estão falando bem da presença policial. As rondas permanecem da mesma forma que já estão sendo realizadas, uma vez que a ideia é que a gente tome aquele espaço e a comunidade se sinta segura com as nossas operações”, completa.

Labirinto verde liberado

Apesar de pequenos roubos terem sido registrados dentro do labirinto verde do Parque dos Imigrantes, a opção de interditar a estrutura foi descartada pela Fundação Municipal de Esportes (FME), que passou a gerir o local.

De acordo com o presidente da FME, Nicola Martins, com o passar dos dias a equipe percebeu que não houve mais necessidade de se optar pela interdição, pois os crimes pararam de ser registrados. “Com isso, vamos adubar bem a planta, para que ela cresça e crie uma parede natural e forte no labirinto, o que, consequentemente, impedirá que essas ações voltem a acontecer”, argumenta.

Na avaliação de Martins, as rondas Polícia Militar, em conjunto com o trabalho da prefeitura, melhoraram consideravelmente o ambiente nas últimas semanas. “Os policiais estão toda hora passando pelo local, as pessoas de bem da região estão tomando conta do parque. É basicamente a mesma coisa que aconteceu no Parque das Nações no início”, finaliza.