Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Amrec com bons resultados no Ideb

Apenas duas cidades da região não atingiram a meta entre as turmas de Ensino Fundamental 1
Por Clara Floriano Criciúma - SC, 04/09/2018 - 14:32Atualizado em 04/09/2018 - 14:48
Escola Jairo Thomazi, melhor resultado de Criciúma no Ideb / Foto: Divulgação
Escola Jairo Thomazi, melhor resultado de Criciúma no Ideb / Foto: Divulgação

A maioria dos municípios da Região Carbonífera ultrapassou a meta prevista para o Governo Federal para o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) para o Ensino Fundamental 1. Dos 12 municípios da Amrec, Forquilhinha foi o que se saiu melhor, com média 6,8, enquanto o esperado é 6. Em seguida vem Nova Veneza, com 6,7 e Cocal do Sul e Urussanga, com 6,6 cada.

Por outro lado, nenhuma das cidades da Amrec atingiu as metas do Ideb para o Ensino Fundamental 2 e para o Ensino Médio. Os dados sobre o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) 2017 foram divulgados ontem pelo Governo Federal.

“O Ideb é calculado a partir dos dados sobre a aprovação escolar, obtidos nos senso escolar, realizado no ano que será aplicada a prova e depois é somada a média de desempenho nas avaliações. Essas provas são aplicadas sempre no quinto e no nono ano. E aí então, a partir destes dois dados, é feita a nota do município”, explicou Silvana Alves Silvana Alves Bento Marcineiro, coordenadora pedagógica na Secretaria Municipal de Educação de Criciúma.

Ideb - AMREC EF 1 EF 2 EM
Balneário Rincão 5,4 4,9 -
Cocal do Sul 6,6 5,5 3,7
Criciúma 6,2 4,7 3,7
Forquilhinha 6,8 4,5 3,3
Içara 6,4 5,2 3,0
Lauro Müller 6,1 4,6 2,3
Morro da Fumaça 6,4 5,0 -
Nova Veneza 6,7 4,8 3,6
Orleans 6,2 5,1 3,7
Siderópolis 5,4 4,2 3,3
Treviso 6,4 4,7 4,0
Urussanga 6,6 4,6 2,3
Meta nacional 6,0 5,7 5,2

(EF 1 - Ensino Fundamental 1 / EF 2 - Ensino Fundamental 2 / EM - Ensino Médio)

Em Criciúma

No município de Criciúma a situação é semelhante aos demais municípios da Região. No Ensino Fundamental 1 a média obtida pela cidade foi 6,2. Já no Fundamental 2 a nota foi de 4,7, enquanto a média estabelecida pelo Governo Federal é de 5,7.

“Nós trabalhamos a questão do índice de reprovação dos alunos. Quando as crianças estão no Fundamental 1 os pais acompanham mais a vida escolar dos filhos. Quando chegam no Fundamental 2, eles pensam que são autônomos e pensam que podem andar por si só, mas na verdade eles ainda precisam deste acompanhamento”, explicou Silvana.

Outro motivo que pode causar as nota abaixo da média nos anos finais do Ensino Fundamental é a variedade de professores. Para melhorar a média nos próximos anos, a rede municipal de ensino está investindo na formação continuada de professores, assessoria pedagógicas nas escolas, além de conta com o serviço de uma assistente social na Secretaria de Educação que trabalha com a questão da evasão. “Se o adolescente se evade da escola, ela faz uma busca ativa e vai fazer visitas às residências para trazer o adolescente novamente”, disse.

Para garantir um ensino de qualidade, Silvana destacou que é necessário a participação da família na vida escolar das crianças e adolescentes. “A educação não se dá apenas no âmbito escolar, tem que ser um conjunto de ações para que aconteça a aprendizagem”, afirmou. Entre as escolas, destacaram-se a Jairo Luiz Thomazi, do Jardim Angélica, com média 8,4 no Ensino Fundamental 1, e a Hercílio Amante, na Vila Floresta 2, com nota 6,2 no Ensino Fundamental 2.

Tags: ideb amrec média