Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
Max Everson
Por Max Everson 04/04/2018 - 15:32Atualizado em 04/04/2018 - 15:41

Vamos fazer uma homenagem ao  aniversariante do dia, que é nada mais nada menos que, Agenor de Miranda Araújo Neto, mais conhecido como Cazuza, nascido no Rio de Janeiro, 4 de abril de 1958...e se estivesse vivo estaria completando 60 anos. 

Primeiramente conhecido como vocalista e principal letrista da banda Barão Vermelho, na qual fez bem sucedida parceria com Roberto Frejat, Cazuza posteriormente seguiu carreira solo, sendo aclamado pela crítica como um dos principais poetas da música brasileira.

Cazuza também ficou conhecido por ser rebelde, boêmio e polêmico, tendo declarado em entrevistas que era bissexual. Em 1989 declarou ser soropositivo (termo usado para descrever a presença do vírus HIV), e morreu em 1990, no Rio de Janeiro. 

 

Max Everson
Por Max Everson 03/04/2018 - 11:22Atualizado em 03/04/2018 - 11:28

O álbum "Revamp: Reimagining the Songs Of Elton John & Bernie Taupin", que trará releituras de composições de Elton John e Bernie Taupin por diversos famosos da música internacional, já conta com um lançamento.

A cantora Lady Gaga liberou neste último fim de semana a canção "Your Song", primeiro grande sucesso emplacado por Elton ainda na década de 1970.

O álbum, que tem data de lançamento para essa sexta-feira (06), tem a participação vários artistas como Sam Smith, Ed Sheeran e Demi Lovato, com releituras de canções de sucesso de Elton John, quase todas lançadas na década de 70.

 

Max Everson
Por Max Everson 02/04/2018 - 16:29Atualizado em 02/04/2018 - 16:33

Caso você não saiba e foi pego de surpresa “Patches” é uma música escrita por Ronald Dunbar & General Johnson em 1970 e gravada tanto pelo grupo Chairmen of the Board, de Detroit, como também pelo cantor cego Clarence Carter no mesmo ano, que alcançou a marca de 1 milhão de cópias vendidas. A versão assinada por Nando Reis está presente no primeiro disco do Titãs, de 1984, e se transformou em um enorme sucesso no Brasil, confira!

Vale lembrar que Chairmen of the Board e Titãs fazem parte da programação Som Maior No Ar

Max Everson
Por Max Everson 28/03/2018 - 10:52Atualizado em 28/03/2018 - 10:54

Os Tribalistas – Marisa Monte, Arnaldo Antunes e Carlinhos Brown – anunciou sua primeira turnê: entre o fim de julho e o início de setembro de 2018, o grupo fará shows em nove capitais do Brasil.

Salvador foi escolhida como o ponto de partida da excursão. O trio se apresenta, no dia 28 de julho, na Arena Fonte Nova. Depois, o show segue para o Rio de Janeiro (3 e 4 de agosto, Marina da Glória), Recife (10 de agosto, Centro de Convenções), Fortaleza (11 de agosto, Centro de Formação Olímpica), São Paulo (18 de agosto, Allianz Parque), Porto Alegre (24 de agosto, Arena Beira Rio), Curitiba (25 de agosto, Pedreira Paulo Leminski), Brasília (1 de setembro, Arena Mané Garrincha) e, por fim, Belo Horizonte (7 de setembro, Esplanada do Mineirão).

Entre os dias 5 e 9 de abril será feita uma pré-venda exclusiva de lote promocional, com número limitado de ingressos, aberta a qualquer pessoa. Para ter acesso ao benefício, é necessário se cadastrar no endereço www.eventim.com.br/tribalistas até as 11h do dia 4 de abril.

A venda de ingressos para o público em geral começa no dia 10 de abril, às 11h, através do site www.eventim.com.br e nos pontos de venda oficiais da Eventim em cada cidade. O limite de compra é de até quatro ingressos por CPF.

O custo varia de cidade a cidade, mas ficam entre R$ 120 e R$ 500. A produção do evento criou um canal de comunicação via e-mail (tourtribalistas@kappamakki.com.br), com o qual o público poderá tirar suas dúvidas em relação à turnê e às apresentações.

A turnê terá direção geral de Leonardo Netto e Tribalistas, direção de arte de Batman Zavareze e direção de produção de Simon Fuller.

 
 

Max Everson
Por Max Everson 26/03/2018 - 11:23Atualizado em 26/03/2018 - 11:26

"Que País é Este", uma das músicas mais populares do rock brasileiro dos anos 80, nunca pareceu tão atual diante a realidade política e social do Brasil. Evidenciando essa atualidade, o grupo CPM 22 se juntou ao grupo Maneva, a cantora Clau e o MC Zaac e, juntos, regravaram um dos maiores sucessos compostos por Renato Russo (1960 - 1996).

A nova versão deverá ser lançada em formato de single, em todas as plataformas digitais, ainda na última semana deste mês. A regravação marca os 40 anos desde a composição da música - que tem uma letra indignada e consciente sobre a realidade e desigualdade do País.

Lançada oficialmente em 1987, "Que País é Esse" faz parte do álbum de mesmo nome. Em um canal não-oficial, a faixa (e sua letra) já ultrapassou a marca de 3 milhões de reproduções. Confira:

Vamos aguardar, pois já sabemos exatamente Que País é esse!

Max Everson
Por Max Everson 23/03/2018 - 16:39Atualizado em 23/03/2018 - 16:42

Um dos grandes nomes do rock nacional, com mais de 30 anos de carreira, Humberto Gessinger apresenta seu novo trabalho solo, o DVD e CD “Ao Vivo Pra Caramba – A Revolta dos Dândis 30 Anos” (Deck). 
O registro foi feito ao vivo durante um show em Porto Alegre e dirigido por Pietro Grassia. O compositor, escritor, cantor e multi-instrumentista foi acompanhado por Rafael Bisogno (bateria, percussão e voz) e Felipe Rotta (guitarra, violão, bandolim e voz). Ainda há as participações de Nando Peters no baixo upright (“Saudade Zero”, “Pra Caramba”, “Das Tripas Coração” e “Cadê?”) e de Carlos Maltz (timbales e voz) em “Filmes de Guerra, Canções de Amor”.
Gessinger assina a produção musical do trabalho que traz 17 faixas. Entre elas as 11 de um dos mais importantes discos de sua carreira, “A Revolta dos Dândis”. Dessa forma, são interpretadas pela primeira vez ao vivo e na íntegra esse álbum, que trouxe sucessos como “Infinita Highway”, “Refrão de Bolero” e “Terra de Gigantes”. Outros hits da banda também estão presentes, como “Piano Bar” e “Até o Fim”. Fechando com as canções de seu trabalho solo, ele apresenta quatro inéditas e destaques de outros álbuns, como “Alexandria”, de sua autoria e Tiago Iorc.

1    A Revolta Dos Dândis Parte I (Ao Vivo) 3:40
2    Infinita Highway / Até o Fim (Ao Vivo)7:51
3    Quem Tem Pressa Não Se Interessa (Ao Vivo)2:15
4    Vozes / Terra de Gigantes (Ao Vivo)6:26
5    Desde Aquele Dia (Ao Vivo)4:14
6    Além Dos Outdoors (Ao Vivo)3:06
7    Guardas da Fronteira (Ao Vivo)3:50
8    Refrão de Bolero / Piano Bar (Ao Vivo)6:13
9    Filmes de Guerra, Canções de Amor (feat. Carlos Maltz) [Ao Vivo]3:58
10    A Revolta Dos Dândis Parte II (Ao Vivo)3:58
11    Das Tripas Coração (Ao Vivo)3:02
12    Pra Caramba (Ao Vivo)3:02
13    Saudade Zero (Ao Vivo)3:17
14    Cadê (Ao Vivo)3:10
15    Pose (Ao Vivo)2:42
16    Faz Parte / Vida Real (Ao Vivo)6:08
17    Alexandria (Ao Vivo)3:58

Max Everson
Por Max Everson 23/03/2018 - 15:13Atualizado em 23/03/2018 - 15:15

O vocalista e pianista do Aerosmith, Steven Tyler, revelou nesta quinta-feira, 22, o primeiro trailer do documentário que leva o seu nome "Steven Tyler: Out on a Limb". Trata-se de uma produção para contar a trajetória de Tyler na música, com destaque à sua atual jornada solo no universo da música country.

O filme trará declarações de alguns nomes importantes do rock como Slash, guitarrista do Guns N´Roses, e Robert DeLeo, baixista do Stone Temple Pilots. Os parceiros de Tyler que aparecem no trailer falam sobre as virtudes do artista e destacam a disposição em se envolver em um novo segmento.

"A maioria das pessoas prefere ter certeza de que é infeliz, em vez de se arriscar e ser feliz", diz Tyler ao longo do vídeo de divulgação. "Steven Tyler: Out on a Limb" foi selecionado como o filme da noite de abertura do Festival de Cinema de Nashville, em 10 de maio, e será lançado oficialmente em VOD e digital HD no dia 15 de maio.

 

Max Everson
Por Max Everson 22/03/2018 - 16:27Atualizado em 22/03/2018 - 16:31

Família de Marvin Gaye vence processo por plágio de música

Um tribunal federal de apelações dos Estados Unidos manteve nesta quarta-feira (21) uma multa de 5,3 milhões de dólares contra Robin Thicke e Pharrell Williams por copiarem uma canção de Marvin Gaye para criar "Blurred Lines", sucesso de 2013.

Por um placar de 2 a 1, o tribunal de apelações do 9o Circuito determinou que "Got to Give It Up", canção de Gaye de 1977, merece uma "ampla" proteção de seus direitos autorais, e o veredicto de março de 2015 a favor dos três filhos de Gaye pode ser mantido por "não haver uma ausência absoluta de indício" de semelhança entre as duas obras.

Milan Smith, um dos juízes do 9o Circuito, também confirmou um prêmio de 50 por cento dos direitos autorais futuros de "Blurred Lines" aos Gaye. Ele restaurou o veredicto segundo o qual a gravadora Interscope Records, parte da Vivendi SA, e Clifford Harris, rapper conhecido como T.I. que acrescentou um refrão a "Blurred Lines", não devem ser responsabilizados.

Jurados haviam concedido 7,4 milhões de dólares à família Gaye, mas o juiz John Kronstadt reduziu o montante para 5,3 milhões, embora acrescentando direitos autorais. Kronstadt também havia dito que T.I. e a Interscope deveriam ser responsabilizados, mas a corte de apelações discordou.

O caso "Blurred Lines" abalou a indústria musical, provocando um debate sobre a linha divisória entre o plágio e a homenagem a obras de artistas populares como Gaye, cujos sucessos incluem "I Heard It Through the Grapevine" e "What's Going On." Gaye foi morto a tiros pelo pai em 1984 aos 44 anos de idade.

A decisão causou repúdio à juíza Jacqueline Nguyen, segundo a qual ela permite que os Gaye "consigam o que ninguém conseguiu antes: obter os direitos autorais de um estilo musical" e amplia o potencial de futuros processos por direitos autorais.

 

Max Everson
Por Max Everson 21/03/2018 - 16:31Atualizado em 21/03/2018 - 16:33

Angus Young está compondo novo disco do AC/DC com Axl Rose, diz Angry Anderson.

Angry Anderson, vocalista da banda Rose Tattoo, afirmou durante uma entrevista para o site TheRockPit.Net, que Angus Young lhe confessou há algum tempo vem compondo material para um novo álbum do AC/DC.

Mas não foi só isso que o líder do grupo australiano revelou, ele está tendo a ajuda de Axl Rose para finalizar esse novo trabalho.

O Rose Tattoo foi uma das bandas de abertura do Guns N´Roses na sua turnê “Not in This Lifetime…” e foi nessa época que Anderson teve uma longa conversa com Young, que visitava o backstage.

Perguntando sobre o futuro do AC/DC, foi logo perguntado: “O que você vai fazer?” e Young respondeu: “Estou compondo um novo álbum”. Então, questionou sobre quem mais estaria na banda. “Axl”, respondeu o guitarrista.

“É triste que a formação original não esteja mais lá, mas as músicas estão. E os fãs do AC/DC querem ouvir as músicas”, comentou Anderson.

Angus Young ainda não se pronunciou oficialmente sobre um novo disco do AC/DC e mais recentemente teve que lidar com a morte de seu irmão Malcolm, em 18 de novembro do ano passado. Além disso, o vocalista Brian Johnson segue afastado por conta de problemas de saúde.

Max Everson
Por Max Everson 21/03/2018 - 14:31Atualizado em 21/03/2018 - 14:33

Geraldo Vandré volta aos palcos, depois de 50 anos da ovação recebida no Maracanãzinho, ao defender, no Fastival Internacional da Canção, a guarânia Caminhando (para não dizer que não falei de flores), que o tornou também inimigo nº1 do regime militar. Com o AI-5, ele se viu obrigado a sair do Brasil.

Vandré vai se apresentar dias 22 e 23 de março, quinta e sexta, na Sala de Concertos Maestro José Siqueira, no Espaço Cultural José Lins do Rêgo, em João Pessoa. Seria apenas um concerto, mas devido a grande procura por ingressos, e o tamanho reduzido da sala de concerto, haverá uma apresentação extra.

O cantor, que voltou a morar na capital paraibana, onde nasceu, parece estar mais à vontade em sua terra (ele nasceu em João Pessoa, em 1935). Recentemente foi presidente de honra da comissão julgadora do Festival de Música da Paraíba, ralizado no mesmo Centro Cltural.  Desta vez ele aceitou o convite do governador Ricardo Coutinho para participar do evento, dividido em duas partes. Na primeira, Geraldo Vandré sobe ao palco acompanhado da pianista Beatriz Malnic, com quem executa seis peças para piano compostas pela dupla.

 

Max Everson
Por Max Everson 20/03/2018 - 16:19Atualizado em 20/03/2018 - 16:26

Campeonato inova neste ano e cria tema próprio para transmissões em parceria com compositor de Hollywood e deve ser utilizada nas transmissões do campeonato durante esta temporada.

A composição é de Brian Tyler, que já trabalhou em diversos filmes de Hollywood, como Iron Man 3, Velozes e Furiosos e Vingadores: A Era de Ultron.

A Fórmula 1 disse em comunicado que as mudanças estão sendo feitas "no contexto de procurar formas de aproximar os fãs da categoria."

"A música é um componente-chave da emoção do esporte e estamos envolvidos com o melhor do talento internacional para desenvolver uma nova melodia de assinatura para a F1."

O tema está disponível via Amazon e Apple Music, além de outros serviços de streaming e aqui no blog do Max Everson ^^.

Ouça:

 

Max Everson
Por Max Everson 20/03/2018 - 15:54Atualizado em 20/03/2018 - 15:57

Após ter anunciado que partiria para o ramo musical, a atriz global Cleo Pires cumpriu com o prometido e lançou nesta segunda-feira, 19, o seu primeiro EP, batizado de "Jungle Kid".

Produzido por Guto Guerra e com cinco músicas, três em inglês e duas em português, o projeto mostra uma nova fase da filha de Fábio Júnior.

"Nasceu! Meu projeto do coração! O EP Jungle Kid tá no ar! Em todas as plataformas,  Emoção de lançamento. Ainda iremos falar muito sobre ele!! Feliz feliz feliz!", escreveu Cleo ao publicar a novidade no Instagram.

Confira a canção "Jungle Kid" abaixo, que já conta com um lyric vídeo:

 

Max Everson
Por Max Everson 20/03/2018 - 10:27Atualizado em 20/03/2018 - 11:34

"Outono é sempre igual, as folhas caem no quintal", já cantavam Sandy e Júnior. E eles estavam certos sobre a estação que é considerada por muitos a mais bonita do ano.

O chão das ruas fica coberto de folhas secas, à espera do inverno; a temperatura cai e o sol ainda aparece, mesmo que timidamente. Para acompanhar um bom vinhozinho, escolhi algumas músicas que falam sobre o outono para ditar a trilha sonora da sua estação.


"WAKE ME UP WHEN SEPTEMBER ENDS" - GREEN DAY

"AUTUMN LEAVES" - CHRIS BROWN

"RUAS DE OUTONO" - ANA CAROLINA

"HARVEST MOON" - NEIL YOUNG

"SEASONS OF WITHER" - AEROSMITH

"WE'RE GOING TO BE FRIENDS" - THE WHITE STRIPES

"DEAD LEAVES AND THE DIRTY GROUND" - THE WHITE STRIPES

"AUTUMN ALMANAC" - THE KINKS

"SAPATO VELHO" - ROUPA NOVA

"CHANGE" - BLIND MELON

"AUTUMN LEAVES" - SUSAN BOYLE

"SEPTEMBER" - EARTH, WIND AND FIRE

"WHEN IT'S DARK" - YO LA TENGO

"O OUTONO" - CHIMARRUTS

"FOLHAS DE OUTONO" - FELIPE VALENTE

"AS QUATRO ESTAÇÕES" - SANDY & JUNIOR

e tem muito mais na programação Som Maior No Ar, de segunda a sexta em duas edições, das 10 as 12 e das 14 as 17 horas.

Max Everson
Por Max Everson 19/03/2018 - 16:37Atualizado em 19/03/2018 - 16:42

Marina Lima – Novas Famílias 

Céus!… Essas novas famílias / De terras molhadas com amor / Minando qualquer ditador”. Os versos são da letra de Novas famílias, música que batiza o 21º álbum de Marina Lima. Nas lojas e nas plataformas digitais a partir da próxima sexta-feira, 16 de março, o álbum abre com essa composição-título, até então inédita em disco, mas apresentada pela cantora e compositora de vivência carioca em maio de 2016, no decorrer da temporada do show No osso.

Com sete músicas inéditas, além das regravações do samba Climática(Gian Correa e Klébi Nori, 2015) e do hit autoral Pra começar (Marina Lima e Antonio Cicero, 1986), o álbum Novas famílias foi precedido em 23 de fevereiro pelo single que apresentou o controvertido e provocativo funk Só os coxinhas (Marina Lima e Antonio Cicero), uma das sete composições inéditas do repertório essencialmente autoral de Novas famílias.

A música Mãe gentil (Marina Lima, Arthur Kunz e Letícia Novaes) foi gravada com a participação de Letrux, codinome artístico da parceira Letícia Novaes em carreira solo. A canção Árvores alheias (composta por Marina para a trilha sonora do ainda inédito filme Baleia), a balada Do Mercosul (de Marina com Silva e Dustan Gallas), o samba-funk Juntas (de Marina com Antonio Cicero) e o tecnobrega É sexy, é gostoso (de Marina com Arthur Kunz e Dustan Gallas, produtores do disco) completam o cardápio de músicas inéditas do álbum Novas famílias.

Faixas de  Novas Famílias

1 - Novas Famílias (feat. Marcelo Jeneci) 3:23
2 - Juntas 3:37
3 - Árvores Alheias 3:43
4 - Mãe Gentil (feat. Letrux) 2:45
5 - Só os Coxinhas 2:30
6 - Climática 3:01
7 - É Sexy É Gostoso 3:26
8 - Do Mercosul 4:39
9 - Pra Começar (Bônus Track) 3:19

Aos 62, Marina Lima surpreende pela boa forma dançando funk em novo clipe!


 

Max Everson
Por Max Everson 16/03/2018 - 15:39Atualizado em 16/03/2018 - 15:45

Um dos maiores sucessos do cancioneiro autoral de Djavan, Meu bem querer – balada lançada há 39 anos pelo cantor e compositor alagoano no terceiro álbum, Alumbramento (1979) – ganha a voz aveludada de Seu Jorge, amaciada na cadência bem marcada do reggae. Feita pelo cantor carioca com a adesão do rapper fluminense Gustavo Black Alien e com arranjo de metais orquestrado pelo Maestro Tiquinho, a releitura de Meu bem querer está sendo lançada em sedutor single disponibilizado nas plataformas digitais a partir de hoje, 16 de março.

Black Alien improvisa alguns versos na cadência falada do rap ao fim da gravação produzida por BiD e Fernando Nunes com a colaboração do coprodutor Kuki Stolarski. A abordagem de Meu bem querer é a segunda amostra do projeto Jah-Van – Djavan goes Jamaica, idealizado pelo trio de produtores com a intenção de transportar a obra de Djavan para o universo musical jamaicano, como já sinaliza o engenhoso título.

O projeto foi apresentado oficialmente em 26 de janeiro com a edição do single em que o cantor paraibano Chico César dá voz à balada Nem um dia (Djavan, 1996) em ritmo de reggae. O elenco de Jah-Van – Djavan goes Jamaica inclui nomes como Arnaldo Antunes, artista paulistano convidado a recriar Samurai (Djavan, 1982) – outro clássico do repertório autoral do compositor – na levada rítmica da Jamaica.

Seu Jorge é parte da programação Som Maior No Ar...

 

Max Everson
Por Max Everson 16/03/2018 - 15:21Atualizado em 16/03/2018 - 15:25

Coração Inevitável é o primeiro álbum ao vivo da cantora, compositora e poetisa Ana Cañas. Com o show dirigido por Ney Matogrosso, o álbum traz músicas que já são sucesso, composições inéditas e regravações de músicos consagrados. Entre as mais famosas, está “Esconderijo”, tema da antiga novela Viver a Vida da Rede Globo, de Manoel Carlos. Há também a faixa “Pra Você Guardei o Amor”. Em relação às inéditas, temos “Acalanto para Helena” da trilha sonora de Joia Rara e “Você Bordado”, canção escrita pela artista em parceria com Nando Reis. As regravações dão um toque especial ao disco, como a música “Codinome Beija-Flor” do imortal Cazuza e “Retrato Em Branco e Preto” de Chico Buarque e Tom Jobim. A balada romântica “Stormy Weather” e o hit da banda britânica Led Zeppelin “Rock and Roll”, considerados clássicos da música internacional, ganham uma roupagem nova na voz dessa jovem paulistana.

Ana Cañas é parte da programação Som Maior No Ar

Max Everson
Por Max Everson 15/03/2018 - 16:18Atualizado em 15/03/2018 - 16:24

 The Ventures, que surgiu na área de Seattle no início da década de 1960, poucos anos antes dos Beatles transformarem a música pop, é considerada a banda de rock instrumental mais vendida de todos os tempos.

A banda faz parte do Hall da Fama do Rock nos EUA. Ela tem entre suas faixas mais conhecidas a música tema da série "Hawaii Five-O" e outras como "Perfidia" e "Walk don't run".

Mas...como nem tudo é perfeito...

O guitarrista americano Nokie Edwards, da banda The Ventures, cujo som ajudou a criar o gênero de rock instrumental e influenciou gerações de artistas mais novos, morreu aos 82 anos.

O músico, que tocou baixo na banda antes de se tornar seu guitarrista principal, morreu na segunda-feira (12) após vários meses lutando contra uma infecção relacionada a uma cirurgia no quadril, informou a banda em comunicado.

Relembre alguns sucesso do The Ventures:

 

Max Everson
Por Max Everson 15/03/2018 - 15:54Atualizado em 15/03/2018 - 16:05

A música Clube da esquina 2 (Milton Nascimento, Lô Borges e Márcio Borges, 1972) já foi tão bem (re)gravada ao longo de 46 anos de vida que parece difícil dar novo tom à composição. Mas tal teoria é demolida com a audição da abordagem de Clube da esquina 2 que abre Duetos, álbum independente que Jane Duboc lança amanhã, 16 de março de 2018, cerca de 40 anos após ter iniciado discografia nem sempre à altura da voz dessa cantora paraense, nascida em Belém (PA) em 1950.

Na gravação de Clube da esquina 2, o Roupa Nova mostra todo o talento e potencial muitas vezes subaproveitados na discografia do grupo vocal carioca. A combinação das vozes do Roupa Nova com o canto límpido de Jane abre caminhos harmônicos para a canção, como exemplificam os vocais caudalosos dos cantores no verso "De um rio, rio, rio, rio, rio". Com arranjo conduzido pelo toque do piano da própria Jane, a inebriante gravação de Clube da esquina 2 valoriza Duetos, álbum produzido por Daniel Figueiredo.

Os arranjos do disco são minimalistas, geralmente calcados no piano ou eventualmente no violão tocado pela própria Jane Duboc, como na canção Janela de um trem (Jane Duboc), gravada pela cantora e compositora em dueto terno com Toquinho. Em Duetos, a artista reitera o hábito de recusar os caminhos mais fáceis. Embora siga a fórmula popular dos encontros, o álbum tem repertório situado longe do trilho da obviedade.

Duboc joga luz sobre canções pouco ouvidas, caso de Nada sem você (Ivan Lins, Ivano Fossatti e Celso Viáfora, 2000), gravada com o toque da guitarra de Roberto Menescal e com a voz geralmente kitsch de Marina Elali, cantora potiguar que acerta ao dosar a opulência vocal em nome do bom gosto.

Ode ao canto, Voz (Sérgio Santos e Paulo César Pinheiro, 1995) se engrandece no disco pelo ousado arranjo vocal – criado pela própria Jane Duboc, cantora de refinada musicalidade – e pelo encontro afetivo da anfitriã com o filho cantor, Jay Vaquer, cuja presença dá sentido adicional a versos como "Abençoada a voz do ser que canta / É feito voz de mãe, só faz carinho / E mãe cantar para filho é coisa santa".

Vaquer é o compositor de Aquela música (2003) – música revivida por Duboc em dueto com um correto Fábio Jr., em outra evidência dos riscos corridos pela cantora ao escolher os convidados do álbum Duetos – e de Cotidiano de um casal feliz (2005), composição gravada por Duboc com a deslocada Erika Ender, coautora do hit mundial Despacito (2017).

Reminiscência de álbum obscuro da discografia da cantora, Jane Duboc (Som da Gente, 1982), Eu no sol tem a temperatura elevada demasiadamente pelo canto inflamado de Oswaldo Montenegro, parceiro de Jane na composição. Parceria de Duboc com o produtor Daniel Figueiredo, From sun to sun ameniza o calor na trama dos violões e no canto de Celso Fonseca, convidado da gravação feita em inglês, idioma também da bonita canção The angel, ouvida com a voz de Bianca Gismonti e com o toque do piano de Egberto Gismonti, parceiro de Duboc na composição.

Já Fruto de estação (Jane Duboc e Sueli Corrêa, 2000), música revivida com a cantora italiana Mafalda Minnozi, é ambientada no clima jazzy que volta e meia aparece na discografia da artista. Melhor cantora do que compositora, Duboc optou por dar voz a algumas canções autorais no CD Duetos. Uma delas é o blues Rastro de sangue (Jane Duboc e Zeca Calazans, 2016), valorizado pelo canto caloroso de Claudio Damatta.

Enfim, o álbum Duetos retrata os gostos e escolhas de Jane Duboc, cantora que, com exceção de três discos lançados entre 1987 e 1991, sempre prezou harmonias sofisticadas em detrimento da empatia popular, pagando no mercado o preço por tais escolhas.

Jane Duboc faz parte da programação da Som Maior Fm, nos programas Som Maior No Ar e Vozes do Brasil, e com certeza o novo disco "Duetos" fará parte de nosso repertório.

 

Max Everson
Por Max Everson 15/03/2018 - 11:31Atualizado em 16/03/2018 - 08:41

Há alguns meses, a banda Iron Maiden havia sido acusada de plagiar algumas partes da canção "Life's A Shadow", do grupo Beckett, para fazer o hit "Hallowed Be Thy Name". A acusação estava sendo apurada, mas agora, o baixista Steve Harris admitiu ter assistido uma das apresentações do grupo e realmente se inspirado na faixa.

Além de assumir o plágio, o integrante do Iron Maiden afirmou no tribunal que o disco lançado pela Beckett é um de seus favoritos da década de 70. Como parte da solução do processo, ficou acordado que os integrantes do Iron Maiden serão obrigado a pagar uma indenização no valor de 620 mil euros.

Por pagar a indenização, a banda poderá voltar a apresentar e monetizar com "Hallowed Be Thy Name". A banda estava impedida de trabalhar com a canção desde o ano passado.

Compare os versos que geraram o processo:

Beckett - Life's A Shadow

Mark my words my soul lives on
Please don't worry cause I've have gone
I've gone beyond to see the truth
While I consider my new youth
When your time is close at hand
Maybe then you'll understand
Life down there is just a strange illusion

Iron Maiden - Hallowed Be Thy Name

Mark my words believe my soul lives on
Don't worry now that I have gone
I've gone beyond to seek the truth
When you know that your time is close at hand
Maybe then you'll begin to understand
Life down there is just a strange illusion

 

Max Everson
Por Max Everson 14/03/2018 - 16:36Atualizado em 14/03/2018 - 16:43

 

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13