Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
* as opiniões expressas neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do 4oito

Como as indelicadezas afetam você?

Grayce Guglielmi Balod
Por Grayce Guglielmi Balod 11/06/2018 - 20:49Atualizado em 11/06/2018 - 20:53

Não restam dúvidas sobre a diferença de sensibilidade entre as pessoas. 

Enquanto alguns deixam claro que simplesmente não se importam com as atitudes e comportamentos alheios, outros sentem - e sentem muito. E, depois de sentir, não conseguem esconder que estão sentidos.

Fala-se bastante sobre a hipersensibilidade das pessoas que estão atentas a tudo o que o outro pode despertar em si. São os chamados, pejorativamente, ofendidinhos.

Fala-se pouco, porém, das pequenas indelicadezas que, longe de chamar a atenção por fazerem grande barulho ou causarem grande estrago, agem silenciosamente e vão aos poucos roubando o pouco de ingenuidade que nos resta. A ingenuidade de acreditar que é possível relacionar-se sem frustrações com as indelicadezas com que nos cercam.

A informação que seria útil e que não nos repassam.

O gesto de gratidão - ou um simples obrigado - que não vem.

O e-mail pensado e enviado com carinho, que não é respondido.

A visita de retribuição que não aparece.

A mensagem enviada que fica sem retorno. 

A manifestação de carinho sem reciprocidade.

O perdão que não nos é dado.

O apoio que não recebemos.

O colega que chega nos atropelando sem se importar com o que estamos pensando e sentindo.

A pessoa - a qual admirávamos pela simplicidade - que aluga nossos ouvidos para falar de sua genialidade.

O amigo querido que desabafou o nosso desabafo para o amigo querido dele.

Os mimos que tanto gostávamos e que se revelam cheios de intenções duvidosas.

A pessoa que aparece novamente, com novo interesse.

O comentário sutilmente maldoso - ou maldosamente sutil - que nos atinge em cheio.

Um 'chega pra lá' leve e certeiro.

Silêncios.

Ausências.

Esquecimentos.

O abraço que queremos receber num dia como esse e que não chega.

Somos adultos, sabemos que podemos conversar e pedir o que queremos. Mas sabemos, também, que se precisarmos pedir não terá o mesmo significado do gesto autêntico e espontâneo, o qual desejávamos.

Se você, querido leitor, sente-se afetado por essas indelicadezas preste mais atenção em seus sentimentos e, antes que se transformem num amontoado de mágoa e  finalmente de angústia que você já nem sabe explicar de onde vem, passe a identificar o que o deixou assim entristecido. Tudo bem se foi algo tão pequeno que você nem tem coragem de falar. Escreva sobre isso, grave e ouça sozinho depois, converse consigo mesmo em frente ao espelho...Mas não acumule mágoa com essas pequenas indelicadezas.

A pessoas e seus comportamentos, situações recorrentes, fatos que não pode modificar. Não busque outra coisa a não ser sentir e identificar o que sente. Não confronte ninguém, enfrente a si mesmo!

O mestre Içami Tiba dizia: "Onde há um folgado, há também um sufocado." Eu ouso dizer que onde há alguém que sofre com a hipersensibilidade há também alguém que é no mínimo indelicado (pra não falar das insensibilidades).

É preciso sentir o que houver pra sentir assim como é preciso identificar o que/quem  gerou o sentimento. 

Sinta o que houver para sentir, identifique o que/quem gerou seu sentimento e valide-o!

E siga olhando para os gestos de delicadezas que ainda nos cercam.

4oito

Deixe seu comentário