Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Arrependimentos

Grayce Guglielmi Balod
Por Grayce Guglielmi Balod 04/09/2018 - 19:49Atualizado em 04/09/2018 - 19:56

Uma das conclusões que cheguei com minha experiência de atendimentos no consultório foi que, pensar sobre algo, é sempre muito pior do que experienciar.
Quando pensamos em como será, o que sentiremos, o que pensaremos, o que faremos, formulamos inúmeras hipóteses, a maior parte delas desnecessárias e até mesmo nocivas a nossa saúde mental e emocional.
Quando vivenciamos, não estamos especulando. Estamos vivendo, sentindo, pensando e agindo. No mínimo, boa parte da ansiedade vai embora. Ficamos com o fenômeno, o evento e, a partir daí, quaisquer que sejam nossas decisões, serão fundamentadas na experiência e não nas nossas elucubrações e devaneios.
Não há como saber se iremos nos arrepender depois. Podemos, evidentemente, conhecer o que estamos escolhendo e assim fazermos nossa escolha de forma mais consciente. No entanto, somente ao 'depois' cabem as respostas. A questão é desejar o depois.
Se o depois chegou e nos trouxe arrependimento, é o momento de reavaliarmos nossa escolha. Sabemos que toda escolha implica em perdas. Não há como escolher sem perder alguma coisa. Podemos voltar atrás? É isto o que desejamos? Vamos seguir em frente com nossa escolha e assumir as desvantagens da mesma?  Traçaremos uma nova rota? O que faremos com o que temos em mãos?
A vida é um eterno decidir. Decidimos sair da cama, escovar os dentes, comer, estudar, trabalhar, descansar, socializar. Ou não.
Muitas vezes pensamos: "Não deveria ter saído da cama hoje." Mas já está feito.
Imagine passar o dia inteiro deitado, olhando para o teto, com medo de se arrepender de ter levantado.
Tenham medo de se arrepender, não há nada de errado com isso. Mas não se deixem paralisar por este medo.
Como dizem por aí, "vai com medo mesmo". A menos, é claro, que o medo é sua desculpa para não tentar.
Todos nós nos arrependemos todos os dias sobre as mais diversas coisas: palavras ditas, não ditas, atitudes que tomamos ou deixamos de tomar, nos arrependemos por nos alimentarmos da forma errada, por não praticarmos atividade física, por não sermos produtivos o suficiente, por não termos sido bons o suficiente, por milhares de coisas.
Mas volto a dizer, pensar sobre como seria será sempre infinitamente mais angustiante do que vivenciar.
Quando vivenciamos, terminamos o ensaio e estrelamos no palco da vida. Lugar onde somos protagonistas de nossas histórias.
Insuportável seria vivermos eternamente ensaiando sem a chance de estrearmos um dia.

4oito

Deixe seu comentário