Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
* as opiniões expressas neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do 4oito

Varella e Agenor Marques Neves

Por Henrique Packter 25/09/2023 - 08:37 Atualizado em 25/09/2023 - 08:42

Mary of Tech nasceu em 26.5.1867, no Palácio Kensington, Londres, filha de Duke of Tech, Prince Francis, e Mary Adelaide, princesa de Cambridge. Maria tinha três irmãos, todos mais novos para ela. Os quatro irmãos passaram algum tempo juntos com os primos, filhos do príncipe de Gales. Ela foi instruída em casa pelas governantas e sua mãe. A mãe de Mary possuía o título de Duquesa de Teck por casamento, e o pai de Mary era descendente de um casamento morganático; ele não herdou nenhuma riqueza ou propriedade.

NIERO, sabes o que é um casamento morganático? Nem eu. Parece tratar-se de casamento entre pessoas de classes sociais diferentes. O cônjuge menos abastado não vai fazer jus às benesses da lei, especialmente no tocante às polpudas mesadas.  

A duquesa de Teck, descendente direta do rei George III, recebia anuidade do Parlamento britânico mais quantia anual da duquesa de Cambridge, sua mãe. Para economizar visitavam parentes europeus. Depois de peregrinar de 1883 a 1885, voltaram para Londres e fixaram residência no Richmond Park, White Lodge. Apesar das dívidas contraídas, a mãe de Mary não se intimidava e dava festas extravagantes.

Compromissos que fizeram dela um membro da mais alta ordem

A rainha Vitória, avó do príncipe Albert Victor, duque de Clarence e Avondale, gostava de Maria de Teck por sua coragem, e agradava-lhe que ela estivesse noiva de seu neto mais velho. Porém, seis semanas após o noivado de Mary com o príncipe Albert, este morreu de pneumonia. O príncipe George, duque de York, irmão mais novo do príncipe Albert tornou-se o pretendente natural ao trono britânico, após a morte deste. A rainha Vitória aprovou o casamento de Mary com o príncipe George. Casaram-se em 6.7.1893 na Chapel Royal, no St. James's Palace.

Maria como Duquesa de York e Cornwall e Princesa de Gales

Mary tornou-se Duquesa de York após casamento com o príncipe George, duque de York. Residiram no St. James Palace e também passaram algum tempo no chalé de York, condado de Norfolk. Tiveram seis filhos, Edward, Albert, Mary, Henry, George e John. Apenas uma babá, Charlotte Bill, continuou trabalhando a longo prazo, pois compartilhava um bom relacionamento com as 6 crianças. Charlotte foi especialmente contratada para cuidar do príncipe John, que, ao que parece, sofria de epilepsia. Mary instilou bons valores nos filhos dando-lhes aulas de música e história.

Após a morte da sogra e chefe de estado, rainha Vitória (1901), seu sogro reinou como Eduardo VII. Mary e George embarcaram em prolongada excursão a alguns países sob domínio britânico como Duquesa e Duque de York e Cornualha. Voltando, George e Mary foram ungidos como Príncipe de Gales e Princesa de Gales em 1901, após o que mudaram para a Casa Marlborough do St. James Palace. Em 1905, John, último filho de Mary, nasce com problemas respiratórios.

Em 1905, Duque e Duquesa de York parte novamente para viagem de 8 meses ao subcontinente indiano. Vão à Noruega para coroação do rei Haakon VII. Recém-chegados de volta, partem para a Espanha e assistem ao casamento do rei Alonso III e Victoria Eugene de Battenberg.

Maria de Teck torna-se rainha Maria

Depois que o sogro de Mary, o rei Edward VII faleceu em 6.5.1911, seu marido é coroado rei George V, tornando-a rainha consorte. A cerimônia de coroação, tornando George chefe soberano do Reino Unido, das Ilhas Britânicas, e Índia britânica - e Mary, a rainha consorte, ocorreu na Abadia de Westminster em 22.6.1911. O recém-coroado rei e rainha visitaram a Índia para comemorar a coroação em Delhi Durbar.

Mary, apesar de ter relacionamento agradável com a rainha Alexandra, sua sogra, muitas vezes esteve em desacordo com ela. Por exemplo, a rainha Alexandra permaneceu intencionalmente no Palácio de Buckingham, muito depois da morte do marido Edward VII e reteve muitas das joias da coroa que deveriam ter sido legadas à rainha Maria. Maria de Teck, durante todo o período da Primeira Guerra Mundial, visitou soldados feridos em hospícios e enfermarias até o término das beligerâncias em 1918, com a rendição da Alemanha e a renúncia ao trono por Guilherme II, o imperador alemão.

João, filho mais novo de Maria, morre aos 13 anos. Ela auxiliou o marido no desempenho de seus deveres oficiais como rei da Inglaterra. A rainha Mary cuidou de George V quando ele ficou incapacitado por doença na década de 1920, impedindo-o de trabalhar. George V sucumbiu à doença em 20.1.1936, abrindo caminho para que Edward, príncipe de Gales, subisse ao trono.

Rainha Mãe de Dois Reis

Coroado  o filho mais velho de Maria como rei Eduardo VIII, ela se torna a rainha-mãe. Logo após a coroação de Edward, ele tornou público seu relacionamento com Wallis Simpson, americana divorciada. Maria objetou que o rei se casasse com um plebeu, e que também se divorciasse.

Edward, então, deixa o trono de rei para se casar com Wallis. Príncipe Albert, o duque de York, segundo filho de Maria e irmão mais novo de Edward, foi coroado o novo rei. Albert assumiu o nome, George VI, ao se tornar rei. Ele era gago e muito penou até fazer-se entender sem despertar risos ao falar.

Iniciada a Segunda Guerra Mundial, Mary muda-se para Badminton House em Gloucestershire Durante a Guerra ela apoiou o país visitando as frentes de batalha. O príncipe George, um dos filhos de Mary, morreu em acidente aéreo. O rei George VI morreu em 1952 e, a neta mais velha de Mary, a princesa Elizabeth sucedeu-o no trono, tornando-se a rainha Elizabeth II. Maria de Teck ficou muito justamente abalada com a morte de três de seus filhos, John, George e Albert. Faleceu em 24.3.1953 aos 85 anos, 75 dias antes da coroação da neta. Ela e o marido estão enterrados lado a lado no castelo de Windsor, capela de São Jorge.

As festas no Elettra, barco de Marconi, eram célebres pelas músicas transmitidas diretamente de Londres pelo rádio. A companhia Marconi montou o novo Imperial Wireless Scheme, destinado a montar estações de ondas curtas em todo o território britânico. Em 1929 recebeu do rei Vítor Emanuel III da Itália o título de marquês. Em 12.10.1931, apertando um botão em Roma, acendeu as luzes do Cristo Redentor na noite de inauguração da estátua no RJ.

MARCONI NA JUSTIÇA

.Em outubro de 1943, a Suprema Corte dos EUA considerou falsa reclamação de Marconi afirmando nunca ter lido as patentes de Nikola Tesla e determinou não haver nada no trabalho de Marconi que não tivesse sido antes descoberto por Tesla. Infelizmente, Tesla morrera fazia 9 meses.

No entanto, muito embora Marconi não tenha sido o inventor de nenhum dispositivo em particular (ao usar a bobina de Ruhmkorff e um faiscador, como antes o haviam feito De Forest e Tesla na emissão), repetiria Hertz, gerando ondas hertzianas - Experimento de Hertz com um "Ressoador de Hertz - usou o radiocondutor-detetor Coesor de Branly na recepção, adicionando a antena de Popov a ambos os casos, parece possível afirmar que Marconi é, na verdade, o inventor da rádio. Isso, como Radiotelegrafia e Radiotelefonia; Telefonia sem fio, visto que ninguém, antes dele, tivera a ideia de usar ondas hertzianas com os objetivos de forma prática ou rotineira, de comunicação. Exceto o padre Landell de Moura.

Lee de Forest o havia feito, mas apenas para testar sua válvula eletrônica.

Marconi foi agraciado em 1909, juntamente com o alemão Karl Ferdinand Braun com o Nobel de Física. Braun, descobridor dos semicondutores, dentre eles o sulfeto de chumbo natural, mineral conhecido como galena, base do histórico rádio de galena. Lembram da galena, aparelho rudimentar, fabricado em casa e avô dos modernos aparelhos de rádio?

Costuma-se dizer que o homem é um animal político e Padre Agenor o foi em altíssimo grau. Aderiu às doutrinas do PSD e do PTB, numa época em que a maioria do clero aderia à UDN, doutrinariamente ultraconservadora. Não raras vezes Monsenhor utilizava o púlpito para desancar seus opositores políticos e defender Getúlio Vargas, a quem nutria forte admiração.

A RÁDIO MARCONI. A ANDORINHA MENSAGEIRA

Em 10.2.1951 Monsenhor funda a Rádio Marconi, a Rádio Difusora de Urussanga Ltda., que em 19.10.1951 obteve permissão para operar. Logo vem a Andorinha Mensageira, programa mais longevo do rádio catarinense. Hoje são 72 anos no ar. Nos domingos, Rosa Miotello, desde 1975, responde pelo programa de rádio e pelo Paraíso da Criança.

MONSENHOR, O ESCRITOR

Escreveu vários livros. O Catequista Ideal é de 1955, ano em que foi nomeado Diretor de Ensino da Arquidiocese de Florianópolis. Escreveu entre outros livros História de Urussanga (1990), Imigração Italiana (1977), Magnólia Branca (1978), Agricultor em Marcha (1980), Magos (1980), Abelha Maravilha (1993), Clarice em branco, Clarice em preto (2005). Desde 1977 Magnólia Branca é a flor oficial de Urussanga. Bandeira, brasão, e hino Urussanguense são de sua autoria. Segundo Maestrelli, POLÍTICA, no entendimento de Monsenhor, seria o único caminho para realizar as coisas.

Monsenhor escreveu os hinos de Urussanga, Jaguaruna, Morro da Fumaça, Grão-Pará, Cocal do Sul, Timbé do Sul. Também o Hino do Imigrante e o Hino da Agricultura com o qual ganhou concurso nacional. É autor, do Hino da Agricultura de SC. Ampliou o perímetro urbano de Urussanga, participou de vários grupos de intelectuais como a Academia Internacional dos Poetas, Academia Urussanguense de Letras, Academia São José de Letras. Criou em 1988 o Museu de História Municipal de Urussanga. Esteve nas origens do Jornal Vanguarda, mesmo nome do primeiro jornal fundado na cidade.

A SAGA OFTALMOLÓGICA DE AGENOR NEVES MMARQUES

Em 03.3.1960, quando o futuro Monsenhor contava 45 anos, procurou-me ele para troca de lentes. Era míope. Tinha 2 graus de miopia no olho direito (OD) e 1,75 no olho esquerdo (OE). Receitei-lhe lentes bifocais, trocadas depois em 21.6.1965. Voltou em 15.4.1975, com 60 anos de idade. Posteriormente esteve em meu consultório em 25.8.1980, 10.3.1981, 26.11.1984 (70 anos), desta última vez com queixa de nuvem no OD. Tinha crises de bronquite asmática e tomou cortisona por longos anos. Sabia ser diabético e para esta moléstia estava medicado. Tinha catarata em ambos os olhos, mais densa no OD. Sua pressão intraocular era 14 nos dois olhos (AO). Entre outros medicamentos tomava Diabinese e Meticorten. A visão era 0,1 no olho direito e 0,4 no olho esquerdo com uso de lentes de grau. Em 3.4.1987 operei seu OD de catarata, implantando-lhe lente intraocular (MODIFIED J: BLUE FLEXFIT 10 Degrees 13.50mm Power: 17.00 Ster.Exp:91/07/01 N0.17.00 071782 J 07 5812). Em 01.11.1989 teve hemorragia intraocular pelo diabetes. Depois, operei sua catarata do OE com implante de lente intraocular (12.12.1989) com bom resultado visual. A lente era IOLAB de 16.0 dioptrias Nº de controle 26E07 - 085 Em 02.7.1991 teve hemorragia no branco do olho (conjuntival) quando indiquei procedimento cirúrgico ocular no OD, uma capsulotomia posterior. Em 26.8.1993 queixava-se de ver as imagens em diplopia (visão dupla), tinha paralisia de músculo do olho, pelo diabetes. Em 26.08.1993 atendi-o pela última vez. Monsenhor Agenor Neves Marques faleceu em 31.8.2006, aos 91 anos de idade e 66 de sacerdócio. Foi sepultado no Cemitério Municipal de Urussanga. Já Natalino Neves Marques, pai de Monsenhor e surdo, operei de catarata em 8.2.1979, OE, aos 94 anos de idade. Seu último exame foi em 26.11.1984, estava bem, tinha catarata madura no OE, pressão intraocular normal, 14/14.

O FINAL

Também tem a história dos 4 sinos de Bassano para a igreja matriz de Urussanga de 1904, mas esse relato já se alonga em demasia e vamos deixar esse restante para outra ocasião.

Fim de Padre Agenor e Juiz Varella.

Copyright © 2022.
Todos os direitos reservados ao Portal 4oito