Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
* as opiniões expressas neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do 4oito

Fábio Tomaz da Silva, personagem periférico, mas não desimportante da emancipação política-administrativa de Criciúma e da revolução de 30

Por Henrique Packter 29/04/2022 - 12:45 Atualizado em 29/04/2022 - 12:50

Há personagens que parecem representar papel secundário em nossa história. Vistos mais de perto adquirem vulto maior, chamam a atenção. Tornam-se indispensáveis.  FÁBIO TOMAZ DA SILVA é um desses vultos, mas sua memória já vai se apagando das lembranças criciumenses.

OS SETE DE OUROS DA EMANCIPAÇÃO DE CRICIÚMA

Sete personagens indispensáveis para nossa emancipação, quase todos caídos no esquecimento, mas, um deles alcançando prestígio estadual como soldado e guerreiro, combatendo na revolução de 30, FÁBIO THOMAZ DA SILVA 

CORONEL PEDRO BENEDET

Nasceu na Itália na província de Treviso em 05.01.1864. Filho de Lorenzo Benedet e de Regina Sônego. Chega aos 15 anos de idade em Criciúma na primeira leva de colonos que aqui aportou. Casado com Antônia Martinello, tiveram 13 filhos, mulheres 8 deles. Agente postal, empenhou-se na criação de nosso município, presidindo o primeiro Conselho Municipal, de 1º.01.1926 a 09.01.1928. Em 1926 funda o pioneiro jornal O MINEIRO com Marcos Rovaris e Frederico Minatto. Explorou o carvão mineral como sócio cotista da Sociedade Carbonífera Próspera S.A. Viajante contumaz, do Vêneto, província do Beluno, enviou em setembro de 1927 grande sino de bronze para a Igreja Matriz São José. Faleceu com 77 anos em 08.01.1941.

FREDERICO MINATTO

Natural do Vêneto, província de Treviso, onde nasceu a 1º.12.1863. Chega ao Brasil em 1877 com 14 anos de idade. Casado com Narcisa Dandolini teve o casal 7 filhos. Foi pai de Fiovo Minatto, figura folclórica da região e também avô de Genésia Minatto, casada com o engenheiro Ayrton Egídio Brandão e primeira mulher a advogar em Criciúma.

Frederico teve loja, fábricas de banha e de cerveja. Um dos pioneiros na indústria do carvão, criou em 1917, associado ao engenheiro Manoel Pio Corrêa, Cia Carbonífera A COLÔNIA. Depois, com o aporte acionário de Marcos Rovaris e Francisco Meller, é a Sociedade Carbonífera Próspera Ltda. Subdelegado e delegado da polícia, morre em Criciúma aos 92 anos (09.09.1955).

GABRIEL ARNS

Gabriel Arns, nasceu em São Martinho, 1890.  Casado com Helena Steiner tiveram 13 filhos. Pai de ZILDA ARNS e de DOM PAULO EVARISTO ARNS, Gabriel fixa residência em 1902 na Forquilhinha, então distrito de Criciúma, uma das 3 primeiras famílias a colonizar a região. Dos principais líderes para emancipação de Criciúma, em 1962 é Cidadão Honorário de Criciúma e no mesmo ano é pioneiro nº 1 do Distrito de Forquilhinha. Faleceu em 1965 em Curitiba, onde ZILDA ARNS residia.

OLIVÉRIO NUEREMBERG

Nasceu em Braço do Norte, 1899.  Pai de 8 filhos em dois casamentos (Vitória Canela e Cecília Canela). Graduado em 1930 no Curso Politécnico de Florianópolis como dentista. Sócio fundador das Carboníferas Rio Maina, Catarinense e São Marcos. Vereador em 1936, vice-presidente da nossa Câmara Municipal, faleceu em Nova Veneza, 1977.

MARCOS ROVARIS

Nasceu na província de Bérgamo, Itália, 10.05.1873 chegando ao Brasil em 1892 aos 19 anos de idade. Estabeleceu-se inicialmente no Cocal com casa comercial e fábrica de banha. Do primeiro casamento com Maria Nichele teve 9 filhos. Depois, morrendo a primeira esposa, consorciou-se com Celestina Zilli com a qual teve mais 6 filhos. Total: 15 filhos. Na rua que leva seu nome em Criciúma, teve uma serraria, oficina mecânica, descascador de arroz, moinho de cereais, locomóvel fornecedor de energia elétrica gratuita para toda a população. Iniciou a colonização do Turvo. Associado a outros foi sócio cotista pela Sociedade Carbonífera Próspera Ltda. Em 1909 era vereador em Araranguá de que Criciúma era o 6º distrito. Destacou-se na luta pela nossa emancipação político-administrativa, obtida pela Lei nº 1516, sancionada pelo governo estadual em 31.10.1925. Em 06.12.1925 é nosso primeiro Superintendente empossado em 1º.01.1926. Em 04.10.1930 é deposto pelas forças revolucionárias gaúchas e substituído por Cincinato Naspolini. Cofundador do jornal O MINEIRO, tendo como redator chefe o Prof. Adolpho Campos. Participou da comissão encarregada de erigir o Hospital São José.  Faleceu em Florianópolis aos 63 anos, em 28.12.1936.

HENRIQUE DAL SASSO

Nasceu em Veneza, na Itália, em 03.08.1881. Veio ao Brasil em 1911 estabelecendo-se na vila de Nova Veneza. Pai de 8 filhos. Comerciante e contador, participou do primeiro Conselho Municipal de Criciúma. Faleceu em 06.02. 1960 em Nova Veneza.    

FÁBIO TOMAZ DA SILVA

Nasceu em Tubarão em 11.05.1883. Casado com Maria Soares da Silva, o casal teve oito filhos. Antonio Tomaz, um dos filhos, foi duas vezes prefeito de Araranguá.  Em 1918 muda-se para Criciúma estabelecendo-se com armazém de secos e molhados na Operária Velha. Foi delegado de polícia, feitor de estradas e representante do Ministério Público na área de educação. Secretário do primeiro Conselho Municipal de Criciúma que teve Pedro Benedet como presidente, sendo composto por Gabriel Arns, Henrique Dal Sasso e Olivério Nueremberg. Este Conselho elegeu Marcos Rovaris para Superintendente (Prefeito), empossando-o em 1º.01.1906. Faleceu em Nova Veneza em 1960. 5.012

FÁBIO SILVA: FIGURA IMPOLUTA, CARÁTER  SEM JAÇA

FÁBIO era amigo pessoal do célebre Dr. OTTO FEUERSCHUTTE, segundo médico em Tubarão e três vezes prefeito da Cidade Azul. Transferindo-se para Criciúma, Fábio adquiriu pequeno prédio que foi hotel, Hospital São José e depois concentração do E.C. METROPOL, ali na Avenida Centenário, na época passagem para os trilhos da Estrada de Ferro Dona Thereza Christina. O prédio ficava bem próximo ao Banco Santander.

Foi vereador de 1926 a 1928 construindo, nas horas vagas, a rodovia Florianópolis-Anitápolis. Quando eclode a REVOLUÇÃO DE 30, 6 quilômetros da estrada já se achavam concluídos.

Comerciante atilado, em 1925 participa da comitiva que vai a Florianópolis lutar pela emancipação de Criciúma, então, distrito de Araranguá. Parlamentam com o governador Antonio Pereira da Silva e Oliveira. Foram 8 dias de luta contra o Cel. João Fernandes, ex-prefeito da cidade das avenidas. Victor Konder, irmão de Adolpho Konder e próximo governador de SC, nosso grande advogado, elabora a Lei 04.11.1925, criando o município de Criciúma, instalado em 1º.01.1926, logo-logo um século. Fábio foi secretário do Conselho Municipal. (Cont.)

Copyright © 2021.
Todos os direitos reservados ao Portal 4oito