Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
CORONAVÍRUS - Saiba mais aqui
* as opiniões expressas neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do 4oito

Ensaio sobre a cegueira

Henrique Packter
Por Henrique Packter 16/01/2020 - 07:13Atualizado em 31/01/2020 - 09:23

ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA

Romance do escritor português José Saramago (1995), traduzido para muitas línguas, existindo um filme sobre esta obra.

O autor definiu-a como terrível, querendo que o leitor sofra tanto quanto ele sofreu ao escrevê-la. Descrição de uma longa tortura, é um livro brutal e violento, uma das experiências mais dolorosas da sua vida. São 300 páginas de constante aflição. Sobre o quê escreve Saramago? Ele tenta dizer que não somos bons, que ninguém é bom ou bastante bom e que é preciso que tenhamos coragem para reconhecer isso.

A cegueira começa num único homem, durante um dia como qualquer outro. Sentado ao volante de seu seu carro, parado no sinal ele tem um ataque de cegueira, e é aí, com as pessoas correndo em seu socorro que uma cadeia de cegueira se forma. Uma cegueira branca, como um mar de leite, algo jamais conhecido, que se alastra rapidamente, uma epidemia de cegueira. O governo age (português, ao que parece, pela presteza), colocando em quarentena as pessoas infectadas.

Aos poucos, desvenda-se as características primitivas do ser humano.

A MEDICINA DE URGÊNCIA EM PORTUGAL

Em Portugal, como se sabe ou como você já desconfiava, o serviço de saúde pública não é gratuito. Para começo de conversa, é um serviço de qualidade. Diferente dos hospitais brasileiros, os hospitais portugueses são bem equipados, com atendimento de qualidade. Lá não se espera dias, nem meses para ser atendido e nem há filas nas emergências, como na maioria dos hospitais das grandes cidades brasileiras. E aí estão os noticiários televisivos que não nos deixam mentir.

Lá, é preciso pagar uma taxa moderadora, de acordo com o que se vai fazer. Uma consulta com médico num posto de saúde custa em torno de 5 euros (25 reais). Se for na emergência dum hospital, custa em média 20 euros (100 reais). Os valores aumentam conforme o que é solicitado pelos médicos. Para fazer raios-x ou tomar uma injeção, paga-se uns 2 euros (10 reais).

Algumas pessoas são isentas da taxa moderadora. Quem comprovar não ter como pagar o sistema de saúde, pessoas com doenças graves e gestantes, estão isentas de pagar. Isto inclui acompanhamento, exames, parto e até dentista!

UMA EPIDEMIA DE CEGUEIRA, COMO A QUE VIVEMOS

A força da epidemia não diminui e logo todo o mundo se torna cego; apenas uma misteriosa mulher, secretamente manterá sua visão. Sobressaem as grandes caracteríticas da assim chamada raça humana: ganância pelo Poder e outras ganâncias, inveja,  ambição, obediência, carinho, desejo, vergonha. Dominadores, dominados, subjugadores e subjugados ocupam a cena. Essas manifestações humanas se desenvolverão como lutas entre grupos pela pouca comida disponibilizada, compaixão pelos doentes e os mais necessitados, idosos ou crianças.  atos de violência e abuso sexual, mortes,...

Grupos dominantes controlam a comida a troco de todos os bens dos restantes e serviços sexuais.  Conseguindo finalmente sair do antigo hospício onde o governo os pusera em quarentena, a mulher que vê depara-se com a ausência de guarda, a cidade toda infectada, cadáveres, lixo, detritos, todo o tipo de sujidade e imundice pela cidade. Saindo do hospício, ao entrar numa igreja, vê todos os santos vendados: "se os céus não vêem, que ninguém veja"...Cegos seguem seus instintos animais sobrevivendo como nômades, instalando-se em lojas ou casas desconhecidas.

4oito

Deixe seu comentário