Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
4
* as opiniões expressas neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do 4oito

Djoko, o maratonista das quadras

Arthur Lessa
Por Arthur Lessa 15/07/2021 - 18:02

No mundo do tênis, existe o que podemos chamar de “Santíssima Trindade”, da qual fazem parte o suíço Roger Federer, o espanhol Rafael Nadal e o sérvio Novak Djokovic. 39, 35 e 34 anos, respectivamente. Cada um já conquistou 20 Grand Slams, que são os 4 principais torneios da temporada: Australian Open, Roland Garros, Wimbledon e US Open.  

Cada um tem uma característica marcante. Federer é um jogador clássico, preciso e elegante. Nadal, por outro lado, é conhecido, não à toa, como “Touro Miura”, por ser potente, forte, agressivo. E tem Novak Djokovic, frio, mental, constante. Não grifei a última por acaso. Constância é o foco desse texto.

Assisti com atenção a duas finais com Djokovic nas últimas semanas. Roland Garros e Wimbledon. Os dois Grand Slams mais recentes. No saibro de Paris, o adversário era o grego Stefanos Tsitsipas, de 22 anos. Na grama de Londres o oponente era Matteo Berrettini, de 25 anos. Eis aqui a primeira semelhança: a idade.

Outra semelhança, condizente com a idade, é o fato de serem dois jovens em início de carreira chegam pela primeira vez à decisão de um Grand Slam. Mas o que mais me chamou atenção foi o roteiro dos dois jogos, que começou com número 1 do mundo visivelmente subjulgado pelos “garotos”, ágeis e confiantes.

Tsitsipas começou a tomando conta das jogadas, chegando a ser aplaudido pelo próprio adversário em alguns pontos. Chegou a abrir uma vantagem de 2 sets a 0, o que deixava (aparentemente) óbvio que levantaria o título, já que faltava só mais um para a vitória. Mas o sérvio venceu os três sets seguintes e, numa virada impressionante, foi o campeão.

Berretini não chegou a abrir tanta vantagem, mas também dominou os primeiros pontos do jogo. Rápido, parecia estar em todos os lugares, acertava saques inalcançáveis e era preciso nos golpes. Venceu o primeiro set e foi só. Logo no segundo assistiu Djokovic tomar cada vez mais o controle da partida. 3 sets a 1.

Constância

Tsitsipas e Berrettini chegaram ao topo de suas carreiras até aquele momento. Era a chance da vida, que tinham que agarrar com unhas e dentes. E assim entrar em quadra. Dando tudo de si. E assim colocaram 110% de energia e concentração a cada rebatida. Apresentaram todos os truques assim que possível.

Djokovic, por outro lado, entrou no seu ritmo. Um ritmo impressionante, até pelo jogador que é, mas claramente longe de entregar 100%. A cada set ele se sentia mais à vontade em quadra. A cada período, mais precisão, mais erros forçados do adversário, mais coelhos tirados da cartola. Ao contrário dos adversários, ele guardara os melhores golpes para os momentos de necessidade.

E, o que é mais importante para essa comparação de comportamentos: a cada erro, mais nervosos ficavam os novatos; game após game, Djokovic se mantinha praticamente sem reação, concentrado e fiel à estratégia que já tinha lhe rendido 83 títulos na carreira.

Assim como há corridas que terminam em segundos, demandando potência, uma maratona dura horas. E assim é o tênis. Os garotos entraram no sprint dos 100m rasos. Djokovic entrou no trote dos maratonistas.

E essa mesma constância serve, veja se não, para a disciplina do investimento. Quando começamos queremos colocar nosso dinheiro onde o rendimento for mais intenso, mesmo que o risco seja também maior. Nessa linha muitos entram direto pelo daytrade, opções e afins. Depois de um tempo, muitos desses investidores vão entendendo uma frase bastante conhecida de Charlie Munger, sócio de Warren Buffett: “O dinheiro grande não está em comprar ou vender, mas em esperar”.

O próprio Buffett defende que “o mercado de ações é um dispositivo para transferir dinheiro dos impacientes para os pacientes”.

A lição que tiro de Djoko, Munger e Buffett é simples: calma, foco e constância podem te levar longe!

4oito

Deixe seu comentário