Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
4

Terça-feira movimentada na Alesc e no governo de SC

Assembleia define hoje a escolha dos cinco deputados que irão compor o tribunal misto do segundo pedido de impeachment
Paulo Monteiro
Por Paulo Monteiro Criciúma - SC, 27/10/2020 - 09:52Atualizado em 27/10/2020 - 09:54
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Esta terça-feira, 27, promete ser movimentada na Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc) e no Governo do Estado. Isso porque, logo às 10h, a vice-governadora Daniela Reinehr toma posse como governadora após o afastamento de Carlos Moisés da Silva. Além disso, ao longo do dia, a Alesc deverá repercutir o julgamento do primeiro impeachment ocorrido na última sexta-feira e, também, definir os cinco deputados que irão compor o tribunal especial de julgamento no processo dos respiradores.

Na entrevista coletiva que será dada após a posse, Daniela deve anunciar oficialmente o novo secretário da Casa Civil. “Deverá confirmar a escolha do nome do general Miranda Reversa. Trata-se de uma escolha que estaria a representar algumas sinalizações de que a governadora pretende ficar alguns meses”, declarou o jornalista e comentarista político, Moacir Pereira. 

Para Moacir, a escolha do general sinaliza que no governo de Daniela não acontecerão mais escândalos como o da compra dos 200 respiradores, com pagamento antecipado, pelo valor de R$ 33 milhões. “No comparativo com o ex-secretário da Casa Civil, Douglas Borba, sem qualquer experiência na esfera estadual ou federal, o novo titular vem com uma bagagem de amplo currículo e muitas credenciais”, disse o jornalista.

Além disso, a sessão da Alesc promete ser mais movimentada do que o comum nesta terça-feira. O voto do deputado e líder do PSL na Alesc, Sargento Lima, que livrou Daniela do afastamento parece ter repercutido mal entre alguns deputados, podendo se refletir na escolha do tribunal especial de julgamento do segundo pedido de impeachment.

“Há um grupo de deputados que, por ter sido furado o acordo político pelo líder do PSL, pretende escolher apenas parlamentares governistas para o segundo tribunal especial de julgamento”, afirmou. “Se isso acontecer na Alesc, Daniela pode ficar apenas por alguns meses e o governador Moisés retornar ao cargo para completar o seu mandato, com os dois pedidos de impeachment sendo rejeitados pelos dois tribunais especiais”, concluiu.