Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Polícia Militar está ciente dos roubos no Pinheirinho

Coronel Manique Barreto garante que medidas estão sendo tomadas
Erik Behenck
Por Erik Behenck Criciúma - SC, 08/11/2019 - 10:42
Foto: Arquivo / 4oito
Foto: Arquivo / 4oito

A Polícia Militar está ciente das condições de segurança nos bairros Pinheirinho e Universitário, nas proximidades da Unesc. Conforme o coronel Cosme Manique Barreto, o alerta aconteceu quando um veículo foi roubado dentro do pátio da universidade, e nos últimos meses tem crescido o número de roubos de celulares.

“Tem uma casa de passagem ali nas proximidades, questão de 600 a 700 metros, onde infratores, alguns são maiores de idade, eles teriam que repousar ali, alguns ‘estudavam a noite’ e até um mês atrás, os celulares furtados eram levados para uma pessoa que fazia o desbloqueio”, afirmou o coronel.

Segundo ele, a PM consegue mapear os pontos da cidade onde mais acontecem crimes, identificando se reforço no policiamento é suficiente ou outras medidas precisam ser tomadas. Na área central, na Praça do Congresso e na Praça Nereu Ramos, é registrado entre 6% e 10% dos crimes da cidade, devido ao fluxo de pessoas e pelo comércio. No Pinheirinho tem outra justificativa, diz ele.

“A onda só surgiu no momento com eles ali, então tudo indica. Ontem tivemos uma reunião com o Judiciário, que foi muito proveitosa. É para que a gente possa fazer uma espécie de ronda penal, com um trabalho aproximado disso, a Polícia Militar vai até os ambientes onde eles fazem o cumprimento de pena, então a PM verifica se eles tem alguma atividade para fazer”, contou.

Os celulares são visados

Conforme o coronel Manique Barreto, os ladrões visam os celulares e nas proximidades da universidade havia um homem que fazia o debloqueio de aparelhos. Ele foi identificado e preso no dia 26 de setembro, por receptação. “A gente tem praticamente a certeza de que identificamos o foco e começamos a agir. Tivemos uma reunião na Unesc e nos colocamos a disposição para fazer esse trabalho, principalmente com os alunos”, citou.

Para ele, a legislação protege mais os criminosos do que as pessoas de bem, por isso é necessário adotar algumas práticas e ter mais segurança. “É preciso ter cuidado com o deslocamento, ontem eu estava naquela região e percebi aquela situação, uma moça andando pela calçada e com o celular nas mãos. Qualquer pessoa que parasse por ali faria a retirada do celular, sem condição nenhuma de reação”, disse.