Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
CORONAVÍRUS - Saiba mais aqui

Exemplo: os incentivos da Alemanha para os empreendedores

O proprietário da transportadora que recebeu 15 mil euros, e o pessoal da sorveteria que ganhou 5 mil euros mensais do governo
Denis Luciano
Por Denis Luciano Munique, ALE, 27/05/2020 - 08:48Atualizado em 27/05/2020 - 08:58
Ederaldo Lodetti, de Içara, trabalha com transportadora em Munique / Arquivo / 4oito
Ederaldo Lodetti, de Içara, trabalha com transportadora em Munique / Arquivo / 4oito

Enquanto no Brasil os empreendedores vêm sofrendo com a falta de incentivos para superar a crise, por conta da pandemia de Covid-19, há outros países com importantes exemplos de auxílio para a recuperação das empresas. É o caso da Alemanha, onde estão muitos catarinenses testemunhando o amparo do governo aos empresários, para manutenção dos empregos e distribuição de renda. De lá, a Rádio Som Maior buscou depoimentos que foram ao ar no Programa Adelor Lessa desta quarta-feira, 27.

"Aqui o governo tomou conta, na hora, da pandemia. Ajudou no exato momento que começou a pandemia, começou a ajudar imediatamente", contou o empresário Ederaldo Lodetti, que é de Içara e mantém, há vinte anos, uma transportadora na região de Munique, sul da Alemanha. "Eu tenho um faturamento de 10 milhões ao ano com meus caminhões, eu fiz o pedido na segunda-feira, para ajuda de até 50 funcionários, não deu quatro dias eles depositaram 30 mil euros na conta da empresa. É dinheiro a fundo perdido, não é de devolução, é ajuda para manter as contas", contou.

Confira também - Adelor Lessa: Ser parceiro dos parceiros. Os exemplos pelo Mundo

A cobertura chega a 70% dos vencimentos dos salários e encargos de funcionários que precisam se afastar do trabalho. "Metade da frota dos caminhões, meus motoristas ficaram em casa e por esse programa eles ganhavam 70% dos encargos e dos salários", relatou. A ajuda do governo alemão alcança também o financiamento que Ederaldo mantém para a renovação da sua frota de caminhões. "Depois o governo ajuda de várias maneiras. Eu tenho leasing dos caminhões, as prestações que pagamos, alguns caminhões novos, tem diretamente com as empresas que se trabalha. Eu pedi dois a três meses, para colocar para o fim do leasing, o governo garante que essas prestações serão pagas", confirmou.

E novos programas de auxílio estão sendo anunciados na Alemanha. "Na semana passada o governo abriu um novo pacote para dinheiro a fundo perdido. O governo vai distribuir mais duas parcelas, no meu caso, mais duas de 15 mil, serão pagas no fim de maio e junho", destacou. E há os empréstimos também, em condições acessíveis. "Tem até 25% do teu faturado, bruto, ao governo, que são taxas de 3% ao ano para começar a pagar esse empréstimo depois de dois anos de recebido o empréstimo. Eu já fiz o pedido, já foi aprovado, já está no banco como aprovado. Eu tenho até o fim do ano para dizer se eu vou querer ou não o empréstimo", comentou. "Vou começar a pagar o empréstimo em 2022", completou. 

Ederaldo Lodetti participou do Programa do Avesso na Rádio Som Maior em setembro de 2018, contando as suas experiências na Alemanha. Relembre clicando aqui.

5 mil para a sorveteria

Outro empreendedor sul catarinense que encontra-se na Alemanha, e também falou à Rádio Som Maior nesta quarta, é Joci Périco. "Eu trabalho aqui numa sorveteria, em uma pequena cidade perto de Munique, uma cidade de 4 mil habitantes", relatou. "Estamos bem situados na Bavária. A sorteveria é considerada de pequenos comerciantes, quem tem até 5 funcionários ganha duas parcelas de 5 mil euros de auxílio do governo. Empresas com mais funcionários ganham mais. Nós temos três funcionários, ganhamos os 5 mil euros", confirmou. "É um apoio muito importante", finalizou.

Ouça os depoimentos de Ederaldo e Joci no podcast: