Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
CORONAVÍRUS - Saiba mais aqui

As regras para se andar de bicicleta pelas vias com segurança

Coronel Cabral destaca detalhes importantes para quem não abre mão das bikes
Paulo Monteiro
Por Paulo Monteiro Criciúma - SC , 09/06/2020 - 10:24Atualizado em 09/06/2020 - 10:25
Foto: arquivo / 4oito
Foto: arquivo / 4oito

Acidentes envolvendo o atropelamento de ciclistas não estão sendo tão incomuns na região nos últimos tempos. Na noite desta segunda-feira, 8, uma mulher morreu ao ser atropelada por caminhão enquanto andava de bicicleta na Rodovia Alexandre Beloli, em Criciúma. Os acidentes reforçam o retorno de um debate: a segurança para os ciclistas nas estradas. 

o coronel Márcio Cabral ressalta que a cultura das bikes vem ganhando corpo nos últimos tempos, seja para lazer, esporte ou locomoção ao trabalho. Apesar disso, a ausência de vias específicas torna alguns detalhes essenciais para a segurança de quem pedala. “Se for pedalar nas ruas e avenidas não se esqueça: não ande na contramão, não faça conversões sem acenar com o braço e nem avance no sinal vermelho”, disse.

Quando pedalar em grupo, é preciso se manter em uma fila única e utilizar de equipamentos de segurança, como capacete, óculos ou viseira, cotoveleiras joelheiras e roupas adequadas. Apesar de não ser obrigatório, é importante contar com o espelho retrovisor esquerdo na bicicleta, assim como campainhas e sinalização noturna dianteira, traseira, lateral e nos pedais. “Você precisa ser percebido na via”, pontuou Cabral.

“Ande, de preferência nas ciclovias. Se não houver, ande pelo bordo a direito da pista de rolamento e no mesmo sentido do fluxo de veículos. Não pedale após a ingestão de bebidas alcoólicas, porque além de não ser seguro, a regra do consumo de álcool é a mesma para motoristas e ciclistas”, declarou.

Não se deve tirar as mãos do guidão, a não ser que seja para dar o sinal com aceno. Na calçada só se deve andar conduzindo a bicicleta pelas mãos. Não se deve transportar passageiros fora da garupa e nem equipamentos incompatíveis, assim como não se pode realizar malabarismos por entre as vias. 

Aos motoristas de veículos motorizados, também há obrigações. “Dar preferência de passagem ao ciclista em travessias, reduzir a velocidade dos veículos ao fazer a ultrapassagem, manter distância mínima de 1,5 metros das bicicletas quando em baixas velocidades. Não estamos sozinhos no trânsito, fazemos parte dele”, colocou o coronel.