Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Archimedes analisa projeções de Salvaro para Criciúma

Paulo Monteiro
Por Paulo Monteiro Criciúma, SC, 27/12/2019 - 11:16Atualizado em 27/12/2019 - 11:17

Os depoimentos do prefeito de Criciúma, Clésio Salvaro, nos últimos dias, vêm mostrando um entusiasmo para o crescimento da cidade para os próximos anos. Em sua entrevista ao programa Adelor Lessa desta quinta-feira, 26, o prefeito celebrou os números da cidade no ano de 2019 e projetou algumas metas para 2020. 

Para Archimedes Naspolini Filho, o entusiasmo e o otimismo de Salvaro é merecido, mas é dito com a falta de algumas informações importantes. “O Parque Centenário só não foi remodelado em seu primeiro ano de mandato, porque ele próprio afirmava que ali não faria nada, porque a obra não fora sua”, comentou o jornalista sobre o prefeito. 

Outra obra de grande impacto destaca por Salvaro para o ano que vem é a criação de um mirante, localizado no Morro Cechinel. O projeto turístico promete atrair não só moradores de pessoas, como também de cidades vizinhas e de outras regiões. 
Mas, de acordo com Archimedes, tal projeto não deveria ser representado com prioridade em uma cidade como Criciúma. “O mirante a ser construído nunca foi e nem jamais será prioridade para o governo municipal de uma cidade de tantos problemas, como é Criciúma. Apelo turístico? tudo bem, mas que aplique este dinheiro na Mina Turística”, ressaltou.

Após um ano em que Criciúma se consolidou como a segunda cidade que mais cresceu em Santa Catarina, o prefeito destacou que, para 2020, a expectativa é de ultrapassar até mesmo a cidade de Itajaí neste ranking - algo que, para Archimedes, é pouquíssimo improvável de se acontecer. 

“Criciúma não ultrapassará Itajaí em 2020, a menos que o porto deixe de existir e que o município praiano deixe de crescer. Criciúma vai continuar crescendo, vai mesmo, está num processo vertiginoso de crescimento, mas Itajaí vai crescer mais ainda”, comentou Archimedes. “No mais, a verborréia foi eleitoreira, tentando impingir na cabeça do eleitor que Criciúma tem apenas um nome: o dele”, concluiu o jornalista, sobre Salvaro.