Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
CORONAVÍRUS - Saiba mais aqui

Archimedes analisa a prisão de Michel Temer

Para o comentarista, os tempos mudaram e agora qualquer pessoa pode acabar presa no país
Redação
Por Redação Criciúma - SC, 22/03/2019 - 12:32

Em seu comentário desta sexta-feira (22), Archimedes Naspolini Filho falou sobre a prisão do ex-presidente Michel Temer. Segundo ele, essa questão é uma vergonha para o Brasil, por outro lado, deixa uma satisfação, mostrando que qualquer pessoa pode ser presa atualmente. Frisou ainda que a Globo sempre está na frente.

Ouça o comentário:

Confira o texto na íntegra:

O dia de ontem fica na história. A prisão de Michel Temer demonstra que o crime não compensa e que ninguém está acima das leis. Na operação da Lava Jato, de ontem, um segundo ex-presidente da combalida República foi preso assim como as grades receberam o quinto ex-governador do estado do Rio de Janeiro. Pobre Rio! Tantas belezas, tanta riqueza, tanto crime e tanta corrupção!

Num ponto a esquerda dá as mãos à direita, que dá as mãos à esquerda, e aplaudem a prisão do ex-presidente. Prisão esperada, faz tempo. Bastou o foro privilegiado se extinguir - porque extinto o mandato presidencial - e a polícia saiu dos quartéis e foi busca-lo.

Pelo que se ouve em breve o ex-presidente Lula dividirá espaço com o vice de Dilma Rousseff e seu sucessor, Michel Temer.

O Brasil sai bi polarizado nesse episódio: de um lado, a vergonha de ter um ex-presidente preso, como já ocorrera com Luiz Inácio Lula da Silva. De outro, a satisfação de que a justiça se faz independentemente de quem pratique o delito. E esse fato se torna manchete em jornais do mundo inteiro. A curiosidade mundial aterrissou no Rio de Janeiro e em São Paulo, atônita, para conhecer os detalhes das razões que levaram Temer à cadeia.

Moreira Franco, por sua vez, é o quinto ex-governador do Rio de Janeiro a conhecer os detalhes do interior de uma cela, num presídio. Certamente não por ter roubado quando governador, mas por ter se apropriado do dinheiro dos brasileiros quando ministro de dois governos: o de Dilma e o de Temer.

Eram esperadas, essas prisões. E não seria exagero se afirmar que a de Temer demorou mais do que o esperado. Eu mesmo, aqui da minha tribuna radiofônica, fiz confissão de que, ainda em janeiro, a Polícia Federal bateria à campainha do apartamento de Michel chamando-o ao presidio.

A justificação à prisão amedronta ao cidadão comum: “As investigações apontam que a organização criminosa praticou diversos crimes envolvendo variados órgãos públicos e empresas estatais, tendo sido prometido, pago ou desviado para o grupo mais de R$ 1,8 bilhão", afirmou o Ministério Público Federal do Rio de Janeiro em nota sobre as prisões. Quadrilheiro, chefe da quadrilha, e apelidos afins são utilizados pela Polícia e pela mídia para se referir ao preso de luxo da operação Lava Jato, no dia de ontem. Leva para a cadeia, com ele, um rosário de figuras de proa do partido que presidiu nos últimos anos: o MDB que, envergonhado, está se derretendo, se esvaindo, se acabando de norte a sul do Brasil.

Bendito seja o fim do foro privilegiado. Não tivesse ocorrido, e os processos de Michel Temer estariam escondidos nos escaninhos do Supremo Tribunal Federal até toda a vida.
Espera-se, agora, a Lava Jato em Minas Gerais. Aquele governador do Choque de Gestão espanou o passaporte de ingresso ao mundo dos condenados e a viagem ao presídio, com passagem de ida, está prestes a ser encetada – dizem os analistas políticos.

O que está sendo questionado, e não sem razão, é a presença da Globo no momento de tais prisões. Como é que ela estava lá, ao lado do carro de Temer, no momento da prisão? E como justificar a presença da reportagem da Globo, na via pública que demanda ao aeroporto do Galeão, naquele local onde Moreira Franco foi barrado, interceptado e preso? Não é estranho?
Pode não ser, mas que cheira crime de vazamento de informação de fato presumível privilegiando uma fonte, não resta qualquer dúvida.

Sempre a Globo. Somente a Globo!

O importante, mesmo, é que a Lava Jato não se move pelo viés ideológico, político-partidário, ou de situação político-social: é corrupto? Cadeia!

E que todos comecemos o dia como queremos termina-lo! Bom dia!