Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Tríplice Hélice do Desenvolvimento e Inovação

Vivemos um momento muito importante, com a realização da primeira reunião do Conselho do Fundo Municipal de Inovação amanhã.
Claiton Pacheco Galdino
Por Claiton Pacheco Galdino 09/04/2019 - 09:00

A tese da Triple Hélice é que o potencial de inovação e desenvolvimento econômico em uma sociedade do conhecimento, como a nossa, está em um papel mais proeminente para a universidade e a mistura de elementos dela com a iniciativa privada e o governo. E assim, gerar novos formatos institucionais e sociais para a produção, transferência e aplicação de conhecimento.

O conceito da Triple Hélice depende, portanto, de três ideias principais:

(1) um papel mais proeminente para a Universidade na inovação, a par da Iniciativa privada e do Governo nesta nova sociedade baseada em conhecimento;

(2) um movimento em direção a relações colaborativas entre as três principais esferas institucionais, em que a política de inovação é cada vez mais um resultado de interação, em vez de uma receita do governo;

(3) além de cumprir suas funções tradicionais, cada esfera institucional também “assume o papel do outro” desempenhando novos papéis, assim como sua função tradicional. As instituições que assumem papéis não tradicionais são vistas como uma importante fonte potencial de inovação em inovação.

O papel reforçado da Universidade na sociedade do conhecimento surge de várias características específicas:

Primeiro, o envolvimento da Universidade no desenvolvimento socioeconômico , ao lado das missões tradicionais de ensino e pesquisa.

Isso é em grande medida um efeito da tendência das empresas de usar a infraestrutura das universidades para seus objetivos de Pesquisa & Desenvolvimento.

Em segundo lugar, a capacidade contínua da universidade de fornecer aos alunos novas ideias, habilidades e talentos empreendedores tornou-se um recurso importante na sociedade do conhecimento .

Os alunos não são apenas as novas gerações de profissionais em várias disciplinas científicas, negócios, cultura etc., mas também podem ser treinados e incentivados a se tornarem empreendedores e fundadores de empresas, contribuindo para o crescimento econômico e a criação de empregos em uma sociedade que precisa desses resultados do que nunca.

Em terceiro lugar, a capacidade das universidades de gerar tecnologia mudou sua posição, de uma fonte tradicional de recursos humanos e conhecimento para uma nova fonte de geração de tecnologia e agente de transferência, com capacidades organizacionais internas cada vez maiores para produzir e transferir tecnologias formalmente laços informais.

Em vez de servir apenas como fonte de novas ideias para empresas existentes, as universidades tornam-se cada vez mais a fonte do desenvolvimento econômico regional e as instituições acadêmicas são reorientadas ou fundadas para esse fim.

Uma universidade e um governo empreendedores assumem uma postura pró-ativa em colocar o conhecimento em prática e ampliar a contribuição para a criação de conhecimento, novos modelos e negócios.

O governo atua como empreendedor público e capitalista de risco, além de seu papel regulador tradicional no estabelecimento das regras do jogo.

Nas atuais circunstâncias competitivas internacionais, a inovação é importante demais para ser deixada para a empresa individual, ou mesmo para um grupo de empresas, o pesquisador individual ou até mesmo uma colaboração de pesquisadores.

A inovação expandiu-se de um processo interno às empresas e até mesmo entre empresas para uma atividade que envolve instituições não tradicionalmente consideradas como tendo um papel direto na inovação, como as universidades.

Por isso é tão importante o momento em que vivemos com a 1a reunião do Conselho do Fundo Municipal de Inovação.

 

Vamos em frente, temos a fazer ainda.

 

Até a próxima

4oito

Deixe seu comentário