Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Urussanga sofre com alta tarifa de energia

Reunião com Alesc e Ministério Público tenta solucionar o problema, que afasta empresas do município
Por Redação Urussanga - SC, 18/08/2019 - 16:04

A comunidade de Urussanga, vereadores e até mesmo a Alesc e o Ministério Público Estadual (MPSC), estão mobilizados na busca por uma solução para as altas tarifas de energia elétrica cobradas dos moradores, comerciantes e empresários do município. Segundo o vereador José Carlos, que solicitou uma reunião com Alesc e MPSC, com a energia cara, as indústrias não se instalam no município e as que já estão em operação procuram outras cidades com energia mais barata para empreender. Como resultado estão a queda na arrecadação e a diminuição de empregos. A tarifa de Urussanga é considerada a mais cara do Estado e a quarta mais alta do país.

O prefeito de Urussanga, Luis Carlos Cancellier, lamenta a situação e espera que uma solução rápida possa mudar o cenário econômico do município. Ele teme que os jovens que estão entrando agora no mercado de trabalho não tenham onde trabalhar num futuro próximo.

A gerente administrativa da Força e Luz de Urussanga Ltda., empresa concessionária de energia no município, Magaly Bonetti Mazzucco explica que a diferença de valores em relação aos municípios vizinhos não é uma regra estabelecida pela empresa. Ela ressalta que a companhia trabalha dentro das normas que hoje se apresentam com base nas questões legislativas e somente instrumentaliza o que recebe como regra. Reforçou, ainda, que o movimento que busca a redução de tarifas, precisa ser contra os altos preços de fato e não contra a empresa.

Encontro com a Alesc

A Assembleia Legislativa de Santa Catarina e o (MPSC), na noite da última sexta, 16, estiveram em uma audiência pública da Comissão de Economia, Ciência, Tecnologia e Minas e Energia da Alesc, realizada na Sociedade Recreativa Urussanga, para discutir o assunto.

O representante do MPSC no encontro, Eduardo Paladino, pediu que a ata da audiência pública seja encaminhada ao Ministério Público o mais rápido possível para que as providências sejam tomadas. Ele salientou que se trata de um dever institucional resolver essa questão e que será prioridade buscar alternativas para o consumidor de Urussanga.

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) também participou da audiência pública.