Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
CORONAVÍRUS - Saiba mais aqui

Supermercadistas demonstram preocupação com novos decretos

Acats garante que todas as medidas estão sendo tomadas para garantir a segurança de clientes e colaboradores
Marciano Bortolin
Por Marciano Bortolin Criciúma, SC, 29/07/2020 - 16:57Atualizado em 29/07/2020 - 17:04
Fotos: Arquivo/4oito
Fotos: Arquivo/4oito

A possível redução do horário de funcionamento nos municípios da Região Carbonífera, tem gerado preocupação da AssOciação Catarinense de Supermercados (Acats). Conforme o decreto, debatido nessa terça-feira, 28, e em análise, os supermercados deverão funcionar das 6h às 20h de segunda-feira a sexta-feira e sábado até as 12h, fechando aos domingos.

O vice-presidente Região Sul da Acats, Nazareno Dorneles, afirma que todas as medidas estão sendo tomadas desde o início da pandemia. “Estamos operando dentro das medidas sanitárias e cumprindo o que nos foi solicitado. A Acats elaborou um plano de ação de tudo que nos foi proposto e isso nos permite trabalhar com bons resultados. Não estamos tendo dificuldades com higienização dos equipamentos e dos prédios, EPIs para todos os funcionários, medição de temperatura e higienização com álcool das mãos dos clientes. Tudo isso têm nos deixado tranquilos e funcionais. Quando o poder público nos diz que devemos fechar e não abrir no domingo, nos preocupa, pois teremos uma aglomeração na sexta-feira e isso contraria a regra do distanciamento social. Já trabalhamos com capacidade de 50% da capacidade dos estabelecimentos. Também é importante uma uma forte campanha na mídia para que as pessoas façam o uso das instalações de forma orgânica, que não vão ao mercado mais que uma pessoa da família por vez”, enfatiza.

Uma das preocupações, aponta Dorneles, é que a redução do horário no sábado e o fechamento no domingo, podem gerar aglomeração. Além disso, com Criciúma não aderindo ao decreto, as pessoas dos municípios vizinhos irão para os estabelecimentos da cidade, gerando ainda mais aglomeração. “Aguardamos com expectativa. Ainda não recebemos o decreto, mas mesmo que não lancem o decreto, mostramos a nossa preocupação. Soma-se que as pessoas de outras cidades vêm para Criciúma ao momento do mês. Final e início de mês, Dia dos Pais se aproximando, imagina se vamos conseguir fazer uma gestão adequada atendendo os preceitos”, cita.

Manifesto aos prefeitos

O vice-presidente da associação revela que os supermercadistas se reuniram na manhã desta quarta-feira, 29, e um manifesto foi elaborado e enviado para a Federação Catarinense dos Municípios (Fecam). No documento, empresários ressaltam que estão “empenhados em contribuir com ações que efetivamente trarão resultados eficazes ao enfrentamento da COVID-19 no Estado de Santa Catarina, em especial no compromisso de garantir o abastecimento da população em geral”.

Entre os pontos, eles citam o desenvolvimento dos protocolos específicos para orientação da operação dos supermercados na Prevenção e Proteção contra o Novo Coronavírus, a produção do Guia de Boas Práticas e outros processos necessários ao combate da doença. “Com base em informações técnicas especialmente oriundas do Ministério da Saúde, como também do Ministério da Economia/Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, a exemplo das disposições contidas na Portaria Conjunta 20/2020, Decretos Estaduais e Municipais e Portarias da Secretaria de Estado da Saúde, tudo com o objetivo de alcançar resultados eficientes no combate a disseminação do referido vírus tanto entre colaboradores, como também junto à população”, descreve o documento.

O manifesto, assinado pelo presidente da Acats, Paulo Cesar Lopes, possui dez pontos e no último, os empresários fazem um apelo aos prefeitos. “Apelamos aos senhores prefeitos que garantam o funcionamento normal das empresas supermercadistas em todos os municípios de Santa Catarina, todos os dias da semana, tendo a certeza de que tal providência contribuirá com a redução de aglomerações e dificuldades operacionais das mesmas, em especial no que se refere à manutenção dos produtos perecíveis e garantia do abastecimento da população”, finaliza o documento.

Tags: coronavírus