Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

“Prefeito não deve ficar sentado na cadeira, tem que buscar investimentos”

Prefeito Guerino Zanon viaja o Brasil visitando empresas dispostas a investir em Linhares, ES
Clara Floriano
Por Clara Floriano Criciúma - SC, 06/12/2017 - 11:15Atualizado em 06/12/2017 - 11:32
Guerino Zanon, prefeito de Linhares, Espírito Santo, esteve no Programa Adelor Lessa desta quarta-feira (foto: Clara Floriano)
Guerino Zanon, prefeito de Linhares, Espírito Santo, esteve no Programa Adelor Lessa desta quarta-feira (foto: Clara Floriano)

A cidade de Linhares, no Espírito Santo, tem atraído cada vez mais investimentos. Isso porque o prefeito, Guerino Zanon, viaja o Brasil buscando novas empresas que invistam no município e gerem empregos. Só no fim da última semana e início desta o prefeito e o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico e Urbano, Luiz Fernando Lorenzoni, estiveram em três cidades do sul do país: Curitiba (PR), Caxias do Sul (RS) e em Criciúma (SC).

“Até 1997 a cidade e Linhares tinha uma economia diversificada em produtos, mas centrada na agropecuária. Tínhamos um polo moveleiro forte, o sexto do país, mas carecia de buscar novas alternativas para a garotada. Era uma cidade que crescia muito, a cidade também estava se firmando como polo educacional. Hoje não, hoje nós expandimos para o metalomecânico, com a Brametal”, falou.

Zanon agradeceu a família Brandão pelo investimento em Linhares e conta que antes da conversa com o patriarca da família, estudou e entendeu a situação da empresa, que passava, naquele momento, por dificuldades de operação na região sul de Santa Catarina.

“Não foi fácil para eles tomarem a decisão, ainda mais sendo uma empresa familiar. Além disso, como é um grupo de pessoas de um QI elevado e empreendedores, notaram que precisavam se dirigir para outras regiões porque o desenvolvimento estava chegando nessas regiões. E se ficassem aqui distribuindo produtos para Norte, Nordeste e Sudeste, não teriam competitividade”, afirmou.

Linhares tem hoje uma economia bastante diversificada, sendo o maior produtor de cacau do Espírito Santo, primeiro exportador de mamão papaia do Brasil e segundo no rebanho bovino. “Temos vários segmentos. E com a chegada da Brametal chegou a Weg Motores, que é daqui da região, uma empresa que está gerando praticamente três mil empregos. A Brametal gera mais de mil empregos e chegou lá para gerar apenas 120”, revelou.

Sobre o trabalho de procurar empresas para investir no município de Linhares, o prefeito afirmou que ele e o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico e Urbano, Luiz Fernando Lorenzoni, passam bastante tempo se dedicando a atividade. Ele contou que na sexta-feira passaram em Caxias do Sul e Porto Alegre (RS), retornaram a Linhares, e já na segunda-feira estiveram em Curitiba (PR).

“O trabalho é identificar. Porque tivemos um período, de 2010 a 2016, que as empresas cresceram muito olhando o comodismo de quem estava no entorno delas. Em ao longo desse período foi se notando que o comprador, o cliente, não vai mais pagar a conta se você não tiver logística e o preço. Não adianta ser uma grande empresa e desenvolver seu parque fabril aqui e querer competir em Salvador, por exemplo. Não é que as empresas querem sair de onde estão, é uma necessidade. Então observamos as empresas tendem a crescer e precisam melhorar seu curso de logística”, detalhou.

Zanon disse que, desde que procuradas, as empresas de Linhares e região podem investir no Sul do país. Ele conta que conversou com um grupo internacional em São Paulo e ficou admirado porque todos os diretores participaram da reunião. Segundo ele, os responsáveis pela empresa disseram que aquela foi a primeira vez que representantes de uma prefeitura foi oferecer oportunidades.

Tem que deixar os secretários e servidores públicos administrarem. Prefeito não é pra ficar na cadeira.

O prefeito conta que Linhares não oferece áreas para a empresas e que os benefícios são os mesmos concedidos por qualquer estado.

Em Criciúma

O prefeito Guerino Zanon notou um crescimento no setor elétrico e na distribuição de energia. Ele percebeu que a região não tinha suporte para acompanhar o crescimento. “Daí precisava de torres para levar essa energia. E a Brametal era a empresa. Ela estava aqui escondidinha, querendo crescer. Um pessoal arrojado querendo uma oportunidade”, contou. Então, ele veio a Criciúma em 1998 para negociar.

As Crises

“O estado do Espírito Santo a crise tem, não apenas o viés da crise política e institucional pela qual passa o país. Nos subimos dez degraus e descemos 20, e voltar nos dez que estávamos é muito difícil. A crise é nacional e, como disse Archimedes Naspolini, é vergonhosa. A maioria dos políticos não sai as ruas e conversa com a sociedade. Eles não dão respostas as dificuldades colocadas. Esse mundo se organizou através da política e no momento que a política se desorganiza, a população fica revoltada”, afirmou.

O prefeito explicou a crise da Samarco, que ele chamou de crime ambiental. “Destruiu o Rio Doce que é um rio de 800 km e que desagua em Linhares. Então nós tivemos essa crise que paralisou as operações e representa 5% do PIB”, disse.

Ele também contou sobre a crise do petróleo, com a queda do preço dos barris, perdendo 70 milhões de royalties. Atualmente a cidade passa por uma crise hídrica. “A nossa média pluviométrica é na ordem de 1200mm e há três anos estamos batendo com 700mm e isso tem afetado a nossa região. Mas com envolvimento e criatividade da população estamos superando”, contou.

Eleições de 2018

Zanon disse que ainda não visualiza um ator político que dê segurança. “Isso que sou político há 20 anos, imagina o cidadão que está ali na rua e que não tem acesso as informações. Ele tá buscando em quem confiar o voto. O empresário brasileiro e os trabalhadores brasileiros estão fazendo sua parte, resta a classe política. Estamos atrás deste cidadão e ele não apareceu. Espero que o voto não seja de revolta para as duas extremas”, comentou.