Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Plenário com 18 lugares na nova sede da Câmara gera revolta

Julio Colombo reclama que o projeto original não foi seguido. Edital já foi lançado
Erik Behenck
Por Erik Behenck Criciúma - SC, 12/11/2019 - 10:12Atualizado em 12/11/2019 - 10:15
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Foi lançado no dia 5 o edital para as obras de adaptação na nova sede da Câmara de Vereadores. Na sessão de ontem os vereadores Zairo Casagrande (PSD) e Julio Colombo (PSB) abriram mão de suas vagas na comissão que trata do assunto. A reclamação é de que o projeto inicial não foi seguido.

“Juntamente com o município de Criciúma e com a participação dos funcionários, nós desenvolvemos um projeto para a construção de uma nova Câmara de Vereadores, com valores muito menores do que o projeto anterior. Essa comissão terminou no fim de 2018, mas eu não sei porque, não foi feito um decreto para a modificação do projeto inicial”, citou Colombo.

O vereador afirma que a Câmara não poderá ser transferida para um local que terá um plenário pequeno. “Você já imaginou uma Câmara de Vereadores com apenas 18 pessoas? Nós temos 50 atualmente e já é pouca coisa. Vai ficar muito desconfortável, o objetivo da Câmara é dar publicidade sobre o que está acontecendo, mas com 18 lugares, sinceramente ...”, afirmou.

Para o presidente da casa, Miri Dagostim (PP), o prédio do Ministério Público foi uma conquista importante e precisa ser ocupado logo, antes que a cidade perca sua administração. Segundo ele, os envelopes serão abertos no dia 19. “Nós lançamos essa licitação para fazer a reforma daquele prédio, já que teremos a inauguração da Praça Altair Guidi em janeiro. Nós precisamos de uma reforma para colocar o plenário ali, um pouco mais reduzido”, explicou.

Ainda conforme Miri Dagostim, o plenário pode ser pequeno, mas existe uma alternativa para permitir que mais pessoas acompanhem as sessões. “As salas ao lado terão uma abertura e todos podem ficar naquele local. No primeiro momento estamos preocupados em agilizar as coisas para transferir o Poder Legislativo”, disse o presidente da Câmara.

Julio Colombo diz que já foi procurado várias vezes, para resgatar o projeto original. Para ele, o correto seria primeiro reformar o prédio e depois fazer a transferência. O vereador acredita que uma mudança agora causaria duas reformas, uma para adequar o plenário e outra na sequência, para ampliar o espaço.

“Alguns vereadores tem me procurado, eu não tenho conhecimento de que algum funcionário tenha sido consultado. Eu não fui, e outros vereadores que me procuraram também não foram. Eu não sei quem conduziu o processo, fomos pegos de surpresa”, citou Colombo, em relação a mudança no projeto.