Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Os sucessos do Festival Uma Canção Para Criciúma, com João Paulo, Zedequias e Geziel

Melhor intérprete e vice-campeão tiveram músicas do mesmo compositor na competição
Erik Behenck
Por Erik Behenck Criciúma - SC, 22/11/2019 - 18:36Atualizado em 22/11/2019 - 18:36

O Festival Uma Canção Para Criciúma teve sua final no último sábado, 16 e as músicas seguem encantando. O Ponto a Ponto desta sexta-feira, 22, recebeu João Paulo de Costa, eleito o melhor intérprete do evento, o vice-campeão Zedequias Senado e o compositor Geziel Freitas dos Santos, autor das duas letras.

“Eu fui o primeiro a ir na Fundação Cultural para fazer a inscrição. Eu peguei o regulamento e dei uma lida, para ver o que estava acontecendo, depois o Zedequias me ligou, dizendo que não tinha música e que não tinha nada”, citou Geziel. “Não é uma tarefa simples criar uma música que agrade aos ouvidos”, completou.

João Paulo diz que teve formação como cantor de ópera, mas que Geziel acreditou na sua voz. “Eu canto desde os meus cinco anos de idade. A minha mãe estava na rua, e ela disse que se eu subisse lá, eu ganharia uma laranjinha, eu subi e deu tudo certo, o pessoal gostou e eu comecei a sentir mais desejo de estar perto da música”, citou.

A relação entre os dois é bem próxima, eles são da mesma igreja. Só que o contato para que João Paulo participasse aconteceu de uma maneira curiosa.

“O João estava num mercado de Criciúma e uns amigos meus foram até lá, dizendo que ele deveria participar, porque já havia vencido outros festivais de música. Então decidiram ligar para mim. Ele me ligou dizendo que não tinha uma música, ainda teríamos que gravar e ele precisava gostar, aí me veio na cabeça uma melodia estranha”, contou Geziel.

Zedequias é de Belém do Pará e mora em Criciúma faz alguns anos. “Eu tava aqui chorando, porque falar de música para mim é falar de grandeza. Eu estava de bem comigo mesmo”, citou o cantor.

Ouça a canção de Zedequias.

Confira a música de João Paulo de Costa.