Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Encontro em Forquilhinha discute as dificuldades do arroz irrigado

Seminário promovido pela Comissão de Agricultura da Alesc fez parte da programação da Heimatfest
Redação
Por Redação Forquilhinha, SC, 11/10/2019 - 16:58Atualizado em 11/10/2019 - 17:04
Fotos: Fábio Queiroz / Agência AL
Fotos: Fábio Queiroz / Agência AL

O custo Brasil, principalmente pela alta tributação e a logística para escoação da produção agrícola, foi um dos principais problemas levantados durante o 1º Seminário do Arroz Irrigado, promovido pela Comissão de Agricultura, realizado nesta sexta-feira, 11, na Câmara de Vereadores de Forquilhinha, no extremo sul catarinense, com a presença de mais de 100 produtores e lideranças políticas e do setor. O evento integra a programação da 9ª Heimatfest, a Festa de Origens de Forquilhinha, que encerra neste domingo, 13.

O presidente da Comissão de Agricultura e Política Rural, deputado José Milton Scheffer (PP), avalia que a realização do seminário em Forquilhinha foi importante, devido a cultura ser um destaque na região Sul e o município ocupar a quarta colocação em produção estadual, com mais de 70 mil toneladas anuais de arroz.  Ele relatou que o seminário foi uma reivindicação do setor que busca informações e quer ouvir dos produtores suas necessidades e prioridades. “A rizicultura é uma atividade que se encontra em transformação e tem muitas ameaças, principalmente ligadas ao comércio internacional, envolvendo o Mercosul, e que o Brasil precisa encontrar um caminho para tornar ela sustentável para os próximos anos.”

O deputado salientou que Santa Catarina já contou com mais de 20 mil famílias na produção do arroz e que atualmente este número chega a aproximadamente 6 mil famílias. “O estado tem até uma área estável de produção de 150 mil hectares, colhendo um pouco mais de 1 milhão de toneladas de arroz, só que há os problemas da tributação. Temos vários gargalos que devemos  discutir. Somos o segundo maior produtor do Brasil, perdendo apenas para o Rio Grande do Sul, responsável por 70% da produção nacional, Santa Catarina colhe 10%.” Apesar de continuar otimista, Zé Milton afirma que o setor tem que continuar focado na redução de custos e estar fortalecido e unido em busca de melhorias.

O prefeito Dimas Kammer (PP) destacou a importância do seminário em Forquilhinha, enaltecendo o envolvimento da Assembleia Legislativa em um tema que preocupa os agricultores do extremo sul. Também prestigiaram o seminário vereadores e representantes de cooperativas da região, além da rainha Carolina Lopes e as princesas Camila Buss Fonseca e Bruna Albano Pereira, da 9ª Heimatfest.

Concorrência desleal

O presidente da Cooperativa Agropecuária de Tubarão (Copagro) e vice-presidente da Brasil Rice, Dionísio Bressan Lemos, entidade que reúne as cinco maiores cooperativas agropecuárias de Santa Catarina que produzem arroz para comercialização conjunta do alimento no Brasil e no exterior, falou sobre as novas oportunidades de comercialização do grão.

Bressan reforçou aos rizicultores que o mercado brasileiro depende muito dos países vizinhos na produção e comercialização do arroz, lembrando que eles têm uma capacidade de produção com custos bem mais baixos que no Brasil, criando uma concorrência desleal, o que dificulta a rentabilidade do produtor nacional.

O presidente da Copagro enfatizou que é um desafio diário a concorrência com os países americanos e que a crise do arroz ocorre devido ser a cultura que mais perde área no Brasil. “Já chegamos a plantar 6,6 milhões hectares e este ano a área plantada é de aproximadamente 1,6 milhão de hectares, o que demonstra as dificuldades. Essas dificuldades ocorrem devido ao nosso custo de produção, que é muito alto, quando comparado com os países do Mercosul, e que nos impõe uma concorrência desleal.”

Para Bressan, o maior problema do país é o custo Brasil, a tributação e a logística. Ele citou que no Paraguai, por exemplo, não se tem impostos como o ICMS sobre a energia elétrica, óleo diesel, máquinas e equipamentos agrícolas. “Enquanto que no Brasil há estes e outros custos. Nós só estamos conseguindo estar no mercado porque somos muitos competentes. A eficiência do nosso produtor, em termos de produtividade e qualidade, é que faz com que estejamos no mercado. Não fosse isso, arrisco dizer que a rizicultura deixaria de existir no Brasil.”

Sobre os acordos que o governo federal está negociando com a União Europeia e a abertura do mercado do México, da Nigéria, da China, entre outros, para o arroz brasileiro, Bressan afirmou que isto ajudará, mas que é preciso lembrar que todos eles estão ainda em fase de negociação e discussão, que só vão se tornar vantajosos, ajudar o produtor, se o país conseguir reduzir os custos de produção. “O nosso problema é o custo de produção, nós temos o maior custo mundial.”

A responsabilidade desta situação não é só do governo federal, mas de todos, incluindo os produtores. “Passa pelo governo, daí a conversa que estamos tendo na câmara setorial da cadeia produtiva do arroz com a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, com o presidente Jair Bolsonaro, e esperamos que na reforma tributária o país consiga resolver essa situação.”

E-Social

Outro tema abordado no seminário em Forquilhinha foi o e-social para o produtor rural, suas definições e aplicações, que foi implantando em 2014 pelo governo federal e começou a vigorar em janeiro deste ano, informou o instrutor do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), Emerson Cardozo Gava.

Ele explicou que o governo mudou a prestação de informações trabalhistas, previdenciárias e tributárias, por meio dos programas do e-Social e da EFD-Reinf. O e-Social é um sistema que unifica e padroniza o envio das informações fiscais, previdenciárias e trabalhistas pelos produtores rurais, para geração dos encargos obrigatórios a serem recolhidos em guias próprias, assim como as demais categorias econômicas.

Desde janeiro, o e-Social é obrigatório para empresas, mesmo que rurais, com faturamento superior a R$ 78 milhões. Produtores rurais pessoas física e jurídica com faturamento anual menor que R$ 78 milhões deveriam prestar informações a partir de julho deste ano. Porém, a data inicial para os produtores rurais pessoas físicas prestarem as informações no e-Social passou para 1° de janeiro de 2020.

Dentre os registros existentes no e-Social, destacam-se para o meio rural aqueles que dizem respeito à pessoa física, como aquisição de produção rural e comercialização da produção rural, além de informações relativas aos trabalhadores, como admissão, férias, demissão, dentre outros.

Na EFD-Reinf estarão informações rurais referentes às pessoas jurídicas e agroindústrias, tais como as retenções e informações sobre receita bruta da comercialização da produção rural. Como exemplo destaca-se as aquisições de entidades executoras do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA).