Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Empresa de Forquilhinha demite 74 funcionários

Teixeira Têxtil entrou com pedido de recuperação judicial no dia 25. Sindicato faz negociação para o pagamento
Heitor Araujo
Por Heitor Araujo Forquilhinha, SC, 01/08/2019 - 17:53Atualizado em 01/08/2019 - 18:53
Divulgação
Divulgação

Uma sequência de demissão e pedido de recuperação judicial deixou sem emprego e sem o dinheiro da rescisão 74 trabalhadores da empresa Teixeira Têxtil, de Forquilhinha. Os empregados demitidos procuraram o Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Plásticas Descartáveis e Flexíveis, Químicas e Farmacêuticas de Criciúma e Região no começo desta semana e o sindicato já entrou em negociações com a empresa.

Na próxima semana, sindicato e empresa participarão de uma conversa para um acordo judicial. A reivindicação do sindicato, aceita pela empresa, é do pagamento dos 19 dias trabalhados aos funcionários relativos ao mês de julho e o começo da liberação da recisão. Como é proibida por lei o pagamento da rescisão, pelo fato do pedido judicial, a empresa pedirá a negociação para o pagamento parcelado. Dessa forma, os trabalhadores poderão ter acesso ao Fundo de Garantia e seguro desemprego.

Os funcionários foram demitidos no dia 19 de julho e o pedido de recuperação judicial aconteceu no dia 25. A Teixeira Têxtil contava com um quadro total de 504 trabalhadores e o corte atingiu todos os setores da empresa, que tem com duas sedes em Forquilhinha e uma em Cocal do Sul. Sete trabalhadores foram em Cocal e o restante em Forquilhinha.

A Teixeira Têxtil divulgou uma nota sobre a demissão e o pedido de recuperação judicial. A empresa destacou que não haverá novo cortes de gastos, pois já foi feito o que precisava para a manutenção orçamentária. Abaixo, a nota da empresa:

A TEIXEIRA ingressou com pedido de recuperação judicial, visando a rápida superação de sua passageira crise financeira. Sua situação geral é boa, permanece faturando normalmente e mantendo a sua tradicional forma atuação no mercado, como faz desde 2000, sempre cumprindo regularmente com seus deveres. Seus diretores, funcionários e sócios trabalharão com afinco para cumprir com todas as suas obrigações, buscando obter novas parcerias e especialmente manter as antigas. É normal que muitos não tenham familiaridade com tal situação, mesmo após tantas outras recuperações em nosso setor e em outros ramos da economia. Porém, a empresa e seus colaboradores garantem que sua atual situação é plenamente reversível. Com apoio de todos, será um sucesso o seu processo de reestruturação e voltará a ser uma das mais respeitadas empresas do setor.

 

O processo de recuperação judicial nada mais é do que uma ferramenta de reestruturação da empresa e de seu passivo, que é exercida em conjunto e em debate com seus credores.A empresa permanece dotada de total liberdade negocial, sendo representados normalmente por seus sócios, diretores e funcionários. Infelizmente, como medida necessária à manutenção de sua atividade e buscando preservar 430 empregos que gera, foi forçada a demitir diversos colaboradores. De acordo com a legislação, a empresa está impedida de pagar qualquer credor até que se aprove uma proposta de pagamento global a todos. Contudo, ciente e preocupada com a situação dos demitidos, se compromete a fazer um pedido ao Juízo de Forquilhinha, onde se processa a recuperação judicial, para que possa desde logo começar os pagamentos aos credores
trabalhistas. 

 

A Teixeira contratou empresas especializadas em gestão de crise (EXM Partners/Verovia), e um escritório de advocacia especializado (Mandel Advocacia), e todos se encontram à disposição, através dos regulares canais de contato da empresa, para qualquer esclarecimento que se fizer necessário sobre o processo de recuperação, ou para todos que queiram colaborar ou somente receber informações. 

 

Atenciosamente,
A Diretoria