Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Édio Castanhel: Do Paço Municipal às grandes obras da Engenharia Castanhel

Engenheiro e empresário relembrou os primeiros passos de sua carreira em entrevista ao Nomes & Marcas
Por Clara Floriano Criciúma - SC, 04/08/2018 - 19:43
(foto: 4oito)
(foto: 4oito)

O Nomes & Marcas deste sábado (4) recebeu o engenheiro e empresário Édio José Del Castanhel. O empreendedor contou sobre sua história, desde o início como estagiário, passando pela Prefeitura de Criciúma, até suas grandes obras no município, no Estado e no País. Ele teve sua contribuição na construção do Paço Municipal Marcos Rovaris.

"Quando era estudante, fiz estágio e trabalhei muito tempo com Altair Guidi, eu era desenhista dele. Depois ele foi prefeito. Quando eu me formei, eu pedi emprego e prontamente ele arrumou uma vaga para mim. Era 1979, eu cheguei na Prefeitura para trabalhar e ele me mandou ir para onde tinham o antigo aeroporto, que estavam fazendo uma obra por lá. Cheguei lá e era o Paço Municipal Marcos Rovaris e estavam fazendo as fundações. Eu era recém formado e pensei 'é aqui que vou aprender'", revelou.

A obra estava sendo preparada para as comemorações do centenário de Criciúma. “Era um prédio próprio para a Prefeitura, porque naquela época ela funcionava no prédio onde é a Feira Livre e era um prédio defasado para a época. Ele nunca foi bem utilizado. A grande sacada foi a comemoração dos 100 anos de Criciúma, foi um período importante que contagiou a cidade e a região”, relembrou.

Castanhel acredita que o centenário despertou a cultura na cidade. “Pensamos: vamos fazer um tetro e na sequencia um Centro Esportivo, que acabou não sendo concluído, mas que é utilizado até hoje. Foi um conjunto de obras que marcou minha carreira e acho que a cidade de Criciúma. São equipamentos que vão completar 40 anos e que continuam atuais”, afirmou.

Após o fim do mandato de Guidi, Édio foi para empresa da família, que foi fundada em 1980, trabalhar com seu pai. “Acabou o governo de Altair Guidi e pensei ‘vou ter que ter carreira solo’. Eu saí e realmente este foi o grande lance da minha vida, porque tive que mostrar capacidade. Como todo o começo foi bem difícil, mas valeu a pena a persistência”.

Confira a entrevista completa: