Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
CORONAVÍRUS - Saiba mais aqui

Das ondas da internet para as ondas do rádio: conheça a história de Pity Búrigo

Jornalista e apresentadora da Rádio Som Maior foi a entrevistada do Nomes & Marcas deste sábado
Vitor Netto
Por Vitor Netto Criciúma - SC, 07/03/2020 - 16:27

Amanhã se comemora o Dia Internacional da Mulher e para acompanhar a programação do projeto Elas da Rádio Som Maior, a primeira entrevistada do Nomes & Marcas do mês de março é a jornalista e apresentadora da Som Maior, Pity Búrigo. O programa foi ao ar neste sábado, 7, e contou sobre a trajetória de Pity, questões familiares e de empoderamento. 

Atualmente Pity Búrigo atua em dois programas da Rádio Som Maior: Do Avesso e no Ponto a Ponto. Jornalista formada, ela conta com um vasto currículo de atividades e ações. Com sua irreverência, Pity alinha sua profissão com as bandeiras que defende. 

Atuação no jornalismo

Pity se formou em Jornalismo. Seu primeiro estágio foi na Unisul em Florianópolis e foi atuar com o segmento da moda. “Vi que tinha um cartaz para estagiar com a Samira Campos e Marta Bertelli. Fui fiz um texto, elas gostaram e fui contratada. Fiquei um bom tempo lá e aprendi muito”, conta. 

Apesar de sua irreverência nos microfones da Rádio Som Maior, Pity se considera uma pessoa tímida. “Uma vez eu tinha que ligar para alguém e tinha vergonha e ela disse ‘Pity impõe a tua voz. Fala com propriedade, não tenha medo’ e a partir dali eu fui me desenvolvendo”, comenta. 

Depois de formada a mãe solicitou que ela voltasse para Criciúma. “Vim, escrevi no Jornal da Manhã por muito tempo, sempre trabalhando as Variades, mas então tinha dia que faltava espaço e um amigo que morava em Florianópolis disse ‘Por que tu não coloca na internet? Eu quero ler a tua coluna e não consigo’”, comenta. 

Após a dica do amigo, Pity entrou para o mundo online, criando um blogspot. “Lá eu publiquei e começou a ter acesso e vi que tinha que profissionalizar aquilo e sai do blogspot e virei .com.br”, brinca. Ali que começou a amizade com Mano Dal Ponte, que foi o criar do seu blog oficial. 

Pouco tempo depois, nasce o programa do Avesso, que neste ano completa seis anos. “Acho que a forma é a espontaneidade. Muita gente pergunta se a gente planeja, mas não. A gente sabe que vamos entrevistar que o fulano é tal, então a gente pergunta ao vivo”, comenta. 

Influência da mãe e da família 

Pity é filha de Loka Búrigo, neta de Beverly Godoi Costa, conhecida colunista social da cidade. Muito de sua atuação vem de berço, com uma família de mulheres atuantes e fortes. 
Em 2015, a mãe de Pity faleceu. “Não gosto de falar que foi uma perda. Eu acho que ganhei tanto nos 33 anos da minha vida com minha mãe. Então acho que não é perda, eu aprendi tanto com ela”, explica. 

De acordo com ela, muitas meninas que perdem a mãe precocemente a chamam. “Porque nos nossos casos que perdemos a mãe precocemente a gente compartilha a dor. Eu sempre digo que a mãe morre, mas ela deixa exatamente o que você precisa para continuar”, pondera. 

Para ela, a presença da mãe ainda é muito forte na vida. “Eu tive que amadurecer muito na marra, mas até hoje eu fico pensando ‘o que a mãe falaria sobre isso, o que ela acharia sobre isso’, então fora todas as religiões a presença dela é muito forte”, enfatiza. 

A sua avó, Beverly, também é uma inspiração. Beverly foi a responsável por trazer o colunismo social para Criciúma.

Espaço feminino 

Para ela, a mulher está cada vez mais presente no cotidiano das pessoas e ocupando mais espaços. “Todos os dias passam tantas mulheres que ocupam cargos incríveis. A mulher tem que ocupar um espaço maior. A gente vem de um mundo machista. Mas eu também acho que vai muito do jeito que a mulher encara isso. Vai também da importância que eu vou dar para aquilo”, explica. 

“Acho que tem muitas mulheres que lutaram para estar no lugar onde a gente está hoje”, conclui.