Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Comunidade vai à Câmara reclamar de fechamento de escola

Populares citam intenção da prefeitura, de desativar unidade no Bairro Milanese. Vereadores apelam ao prefeito
Denis Luciano
Por Denis Luciano Criciúma, SC, 07/10/2019 - 18:13Atualizado em 07/10/2019 - 18:16
Escola Santa Rita de Cássia, no Bairro Milanese / Divulgação
Escola Santa Rita de Cássia, no Bairro Milanese / Divulgação

Com a redução no número de alunos somada a problemas estruturais, a Escola Santa Rita de Cássia, do Bairro Milanese em Criciúma, está sujeita a ser fechada. A comunidade escolar, envolvendo moradores da vizinhança, pais e alunos, montou uma comissão que foi até a Câmara de Vereadores nesta segunda-feira, 7, pedir apoio contra o possível fechamento.

"É uma escola de 51 anos, aqui estão líderes dos bairros Anita Garibaldi e Milanese, não podem fechar essa escola. Somos contra", afirmou o vereador Edson Paiol do Nascimento (PP). "Os pais, alunos e diretores estão no caminho certo. Não podemos fechar escola, temos é que achar solução para atrair alunos. Eu estive na reunião com a comunidade e vi que falta biblioteca, temos que levar alunos para lá. Uma comissão foi montada para buscar mais alunos", referiu.

Paiol apelou ao prefeito Clésio Salvaro. "Com esse prefeito, que é o prefeito que coloca como prioridade a educação, ele não vai fechar a escola, não. Nós juntos vamos achar uma solução", completou. O vereador Julio Colombo (PSB) também citou o prefeito. "O discurso dele é sempre pela educação, essa ação está indo na contramão", criticou.

Vereador Zairo Casagrande

O vereador Zairo Casagrande (PSD) afirmou que a comunidade já promoveu ao menos dois eventos contra o fechamento da escola. "Para atrair alunos, tem que investir. Se a gente desmobiliza a escola e não oferece recursos, é complicado. Já trouxemos números do que se deixou de investir na educação. Se não investir, a escola esvazia", apontou.

Casagrande lembrou que a região já foi atingida, recentemente, com o fechamento de outra unidade. "Quando do fechamento do CEIM Tereza Dário Milanezzi, no Pinheirinho, fizeram várias promessas e nada foi cumprido, nada foi feito. Essa região já foi penalizada. O Bairro São Luiz vai crescer com o binário, a tendência é toda a região crescer e precisar de unidades de educação. Esse fechamento da escola vai na contramão da história", concluiu.