Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
Patrocinado

Clínica Mova, há cinco anos transformando a vida de milhares de pessoas

Localizada na região da Próspera, estrutura é referência no sul catarinense em medicina da obesidade e procedimentos de vídeocirurgia
Por CLÍNICA MOVA 21/03/2019 - 08:50Atualizado em 21/03/2019 - 08:58 * Conteúdo de responsabilidade do anunciante
Inspirado nesse conceito de qu “o bem-estar é a vida em movimento”, a Clínica Mova é referência no Sul catarinense (foto: Daniel Búrigo)
Inspirado nesse conceito de qu “o bem-estar é a vida em movimento”, a Clínica Mova é referência no Sul catarinense (foto: Daniel Búrigo)

“O bem-estar é a vida em movimento” – foi inspirado nesse conceito que o médico cirurgião Leandro Avany Nunes instalou a Clínica Mova em Criciúma, há exatos cinco anos. Um espaço que exala design e aconchego, a clínica fica localizada na Rua Estevão Emílio de Souza, região da Próspera, e é considerada referência no Sul catarinense.

O ano era 1998 quando Leandro realizou o seu sonho ao se formar em medicina e dois anos depois decidiu se instalar em Criciúma. Mas, o seu sonho ainda não estava realizado por completo. Faltava algo mais. Por que não abrir a própria clínica e transformá-la em um lugar ideal? Um lugar composto por uma arquitetura inovadora e que fosse capaz de quebrar as barreiras que existiam entre o médico e o paciente, e fugir do tradicional ambiente hospitalar. Ele levou cerca de um ano para elaborar o projeto desse lugar ideal, que além de uma arquitetura externa pudesse ter também um atendimento globalizado. Leandro acreditou nesse sonho ano há sete anos e, por isso, foi pioneiro, principalmente na região onde a clínica foi instalada. “Aquilo que eu acreditei sete anos atrás, que não tinha nada aqui em volta, se tornou realidade”, conta.

Todos os sete profissionais que atuam na Clínica Mova são voltados à área de obesidade. Antes de funcionar no endereço atual, a clínica era localizada dentro do Hospital São João Batista. Leandro é cirurgião e especialista em cirurgia por videolaparoscopia. “Não me vejo fazendo outra coisa, cirurgia é a minha paixão”, comenta. Além dele, a clínica também conta com profissionais da área de psicologia, nutrição, ginecologia, gastroenterologia, endocrinologia, além dos médicos habilitados e especializados para tratar todos os tipos de obesidade. A clínica possui ainda uma academia e um auditório.

“Como eu faço a videocirurgia, cirurgias do aparelho digestivo, de câncer e a da obesidade, todos os profissionais que trabalham aqui têm alguma relação com isso, para que o paciente não precise sair daqui quando vir se consultar”, declara Leandro.

Com mais de 20 anos de experiência, Leandro Avany Nunes comemora o sonho realizado (foto: Daniel Búrigo)

Entre os diferenciais da clínica estão o pronto-atendimento e o tratamento adequado para a obesidade. A clínica se preocupa em facilitar a preparação para quem precisa fazer cirurgia bariátrica, ou seja, o paciente leva de 15 a 30 dias até estar pronto para ser operado, considerado um tempo significativamente rápido. Atualmente, a clínica realiza em torno de 1,5 mil consultas por mês e o número de cirurgias mensais é de 15 a 20, visto que os índices de obesidade vêm aumentando.

Nos últimos 15 anos, Leandro já realizou oito mil cirurgias, a clínica já realizou mais de duas mil cirurgias bariátricas, e 800 balões intragástricos. Entre os tipos de tratamento que são especialidades na Clínica Mova, pode-se destacar balão intragástrico; cirurgia bariátrica; endoscopia digestiva e exames de avaliação funcional do esôfago; tratamento para o aparelho digestivo, cirurgia para obesidade mórbida por videolaparoscopia; cirurgia para pedra na vesícula – colecistectomia; videocirurgia para tratamento de refluxo; histerectomia vídeo (retirada do útero); phmetria esofágica; tratamento cirúrgico dos cânceres do aparelho digestivo; videolaparoscopias nas urgências – apendicectomia e hiperidrose – tratamento do suor excessivo.

Obesidade – uma doença que atinge milhões de pessoas

A obesidade é uma doença epidêmica que atualmente atinge 40% da população. Desse número, 5% das pessoas sofrem com obesidade mórbida. É considerada um grande problema mundial, com piora progressiva e rápida nos países em desenvolvimento, como o Brasil. O primeiro sentimento em relação ao aumento de peso, fracasso nas  dietas e tratamentos clínicos,  é a frustração. Mas vale ressaltar que 40% da causa de obesidade é genética.

“Os pacientes que têm problema com peso vão receber tratamento clínico com endocrinologista ou através de balão intragástrico e nos casos graves, a cirurgia”, explica o médico. 

As cirurgias para combater a obesidade só devem ser adotadas em casos extremos, em que o excesso de peso ofereça graves danos à saúde ou atribuam risco de morte. Uma pessoa possui obesidade mórbida quando seu peso ultrapassa o valor 40 no Índice de Massa Corporal – (IMC).

O tratamento à obesidade é um dos principais desafios para a saúde pública. Cada vez mais, pessoas obesas buscam tratamentos que permitam retomar os padrões de vida com qualidade e saúde. Um dos tratamentos realizados na Clínica Mova é a cirurgia por videolaparoscopia, que apresenta as vantagens de ser realizada através de pequenos furos, favorecendo recuperação mais rápida, pós-operatório menos dolorido e riscos menores de complicações.

Arquitetura inovadora para quebrar as barreiras entre médico e paciente (foto: Daniel Búrigo)

Os desafios e as projeções futuras

Para o médico cirurgião Leandro Avany Nunes, um dos principais desafios atualmente é buscar alternativas de atender melhor os pacientes. Buscando cada vez mais se aperfeiçoar em sua área, o médico e empresário tem planos de expandir a estrutura física da Clínica Mova e pretende também agregar mais profissionais e parceiros.

“A medicina hoje está enfrentando um grande momento de mudança. Recentemente está se falando de telemedicina, aprovada pelo CRM, e alguns paradigmas devem ser mudados, deve ter alguma mudança no modelo de atendimento”, destaca. Ele acrescenta que o médico deve ter mais tempo para atender o paciente, visto que hoje em dia as pessoas sentem falta de atenção, e em contrapartida cada vez mais os médicos têm menos tempo para atender aos pacientes por excesso de burocracia. “O grande desafio é equacionar todas essas coisas e não deixar o paciente de lado”, finaliza.