Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Cirandela lança trabalho baseado em tempos de Isolamento Social

Grupo, que trabalha com teatro e música, compôs "Pequenas Canções para Tempos Isolados"
Redação
Por Redação Criciúma, SC, 09/04/2020 - 22:05
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

O grupo Cirandela, que trabalha com teatro e música aproveitou o período de isolamento social para comportor. Intitulado "Pequenas Canções Para Tempos Isolados", o trabalho do casal Priscila Schaucoski e Bruno Andrade, vem liberando toda semana na internet clipes com as canções.

“Essas pequenas canções nasceram da inspiração da pausa, da casa, desse tempo suspenso - para se conectar, pingar na janela, transpor a tela e inspirar quem está aqui e  aí”, comenta a artista Priscila Schaucoski.

O grupo já tem o tema tempo recorrente em seus trabalhos, como no espetáculo teatral “Para Contra Estrelas”, que tem direção de outro grupo de teatro de Criciúma, Cirquinho do Revirado. O novo trabalho "Pequenas Canções Para Tempos Isolados", segundo Bruno Andrade, consiste em composições musicais e audiovisuais com duração de até um minuto e meio, inspiradas na percepção do outro e de si mesmo.

Segundo os autores a ideia nasceu para conectar as pessoas de maneira poética através de pequenas canções, que eles chamam de “doses de poesia”, onde o grupo disponibiliza o material em suas redes sociais no YouTube (Grupo Cirandela), no instagram e no Facebook (@grupocirandela).

“As composições musicais foram inspiradas nas relações que se estabelecem na distância, das sensações desse momento de incertezas e da rotina reinventada de quem pode ficar em casa. Emoções provindas desse momento de isolamento social tão necessário”, explica Bruno.

As composições de imagens têm como mote as aberturas da casa - janelas, portas e sacadas. “A passagem do olhar de dentro pra fora onde a tela é uma janela e a pintura do quadro é a rua. Trazendo como conceito as passagens que nos levam ao outro, tanto as passagens de dentro para fora de casa, quanto as passagens virtuais que nos transpõe para indeterminados lugares”, anota Priscila.