Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Caravaggio prepara festa para Nossa Senhora

Distrito de Nova Veneza deve receber um público de 50 mil pessoas para a 68ª edição das festividades
Por Bruna Borges Nova Veneza, SC, 06/04/2019 - 11:19
Fotos: Daniel Búrigo / A Tribuna
Fotos: Daniel Búrigo / A Tribuna

O Distrito de Caravaggio, em Nova Veneza, vive 11 meses e mais o mês de maio. Assim caracterizou Odanir Zanette, membro do Conselho de Assuntos Econômicos Paroquiais (Caep) do Santuário de Nossa Senhora do Caravaggio. O motivo é a festa que celebra a padroeira e que todos os anos leva milhares de fiéis a reforçarem a sua fé através da romaria e da oração.

Em evento realizado ontem para a imprensa, parte da comissão que organiza a 68ª Festa em Honra a Nossa Senhora do Caravaggio detalhou como será a programação e adiantou que para este ano são esperadas 50 mil pessoas nos quatro principais dias de evento. 

O ponto alto das festividades é o domingo, dia 26 de maio, quando a imagem da padroeira sai em procissão. Este ano a partida será da Paróquia Nossa Senhora da Salete, no Bairro Próspera, em Criciúma, às 9h. 

“Essa é uma festa preparada com muito carinho para acontecer de forma maravilhosa. A gente começa um ano antes, mas nos dois meses anteriores é que fica mais intenso. E a última semana é de romarias, todas as noites um padre de uma paróquia diferente vem rezar a missa aqui. O santuário fica pequeno para tanta gente”, comenta Ivanir Pazetto, voluntária da comunidade. 

A procissão do domingo é, segundo ela, um momento de muita emoção e que atrai fiéis de outras cidades. “A emoção toma conta de toda a comunidade. Algumas pessoas vêm a pé, outras de carro, de ônibus, vêm em grupos ou sozinhas. Elas renovam a fé, é um dia lindo”, afirma.

A programação completa da festa pode ser encontrada nas páginas do Facebook (SantuarioDeCaravaggioNV) e Instagram (santuariodecaravaggio). 

Há 68 anos agradecendo

A ligação de Nossa Senhora do Caravaggio com a comunidade começou há mais de um século, com a chegada dos imigrantes italianos. Em 1897 já havia uma capela de madeira, onde mais tarde foi construída a de alvenaria e hoje o santuário. Mas a realização da primeira romaria e festa data de 1951.

“Naquele ano de 1951 a região passou por uma grande seca, muitos incêndios, queimou tudo essa serra geral. O padre de Nova Veneza recorreu, então, a uma romaria para pedir chuva para Nossa Senhora do Caravaggio. E choveu. Ali começou oficialmente a festa”, conta o reitor do santuário, padre Valdemar Carminatti. 

Em 2017, quando o santuário completou 50 anos de existência, a festa também foi com chuva. “Mas não podemos reclamar, a festa começou por causa de chuva, foi pelo pedido que Nossa Senhora mandou chuva”, declara o coordenador do Conselho Paroquial de Pastoral (CPP), Antônio Netto. 

Santuário é readequado

O ano do cinquentenário foi também momento de repensar a estrutura física do santuário. Desde 2017, uma comissão elencou os itens que precisavam de melhorias e de lá para cá as mudanças vêm acontecendo.

“É uma obra de 50 anos atrás, ela foi construída para uma outra realidade, agora já se passou muito tempo e precisava readequar”, relata Netto. “O nosso velário, por exemplo, era pequeno e acabou sendo interditado por motivos de segurança. Agora fizemos um novo, bem maior, já está pronto”, complementa.

O lado externo também passou por uma revitalização e parte dela estará pronta para as festividades de maio. “Nós tínhamos o projeto para refazer a praça do santuário, mas não tínhamos o dinheiro. Foi então que a Prefeitura, com a parceria de empresas, realizou o projeto”, afirma Netto.

Nessa revitalização, as lajotas foram trocadas por paver, a arborização foi refeita e também foi readequada a parte de acessibilidade. “Uma parte já vai estar pronta para a festa e a outra nós vamos fazer depois porque não queremos correr o risco de começar uma obra, chover e não dar tempo de terminar antes da festa”, explica o coordenador do CPP. 

Devotas contam graças alcançadas 

O lançamento da 68ª edição da festa também contou com momentos de comoção pelo relato de três devotas de Nossa Senhora do Caravaggio. Ela contaram graças que foram alcançadas ao pedir a intercessão da padroeira.

“Há cinco anos eu fui ao médico por conta de uma dor de cabeça e descobri que era um tumor na cabeça. Naquele momento eu comecei a pedir muito a Nossa Senhora pela cura, levava uma imagem dela para o hospital e rezava muito”, conta Nilva Gava. 

“No dia 26 de dezembro eu fiz a cirurgia e o médico disse para a minha família que eu só aguentaria mais seis meses. Mas foram muitas as orações e ela ouviu. Quando eu fui fazer os exames novamente, não tinha mais nada, eu estava curada. Eu sinto que foi uma graça dela”, declara Nilva. 

Quem também compartilhou o seu relato foi Nadir Spillere. “Há oito anos eu descobri um câncer de mama muito agressivo. O médico disse que eu teria que fazer quimioterapia, radioterapia e tirar as duas mamas. Eu corri para o santuário, aos pés da santa e pedi muito, implorei. Foi quando chegou uma voluntária que faz a limpeza e me perguntou qual era o motivo do choro, eu contei e ela trouxe mais oito amigas para rezar comigo”, relembra.

“Eu sabia que era Nossa Senhora me dando forças, aquelas mulheres ao meu lado. Fui ao médico e disse que não ia retirar as mamas, somente os nódulos. Assim foi feito e deu certo, eu devo isso a ela. Depois, surgiu outro câncer, dessa vez nos olhos, mas eu encarei tranquila e sou uma mulher feliz e tranquila por causa dela”, afirma. 

Muito emocionada, Maria Irene Benedet contou como conseguiu o seu milagre pela fé. Ela relatou que a filha de uma prima foi diagnosticada com uma doença rara e grave aos dois anos de idade e que, por intermédio de uma cunhada, começou uma novena para pedir a cura para a criança.

Enquanto os médicos não davam esperanças de recuperação, mais pessoas se uniam na novena de Nossa Senhora do Caravaggio. “No primeiro dia de novena eu recebi uma mensagem da minha tia contando que ela tinha saído da cama e ido brincar, sendo que antes ela estava quase em coma. E três dias depois ela teve alta do hospital”, relata Maria Irene.
Tempos depois, quando ela fazia outra novena, recebeu mais um telefonema, ao qual ela se refere muito emocionada. “Era a minha prima dizendo que a Beatriz tinha feito os exames e o cérebro dela estava regenerado. Os médicos não sabiam dizer como”, declara.