Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Câmara vai analisar o preço da água em Criciúma

Ideia é verificar como a Cisam-Sul atua, para ver se é possível baixar a tarifa
Erik Behenck
Por Erik Behenck Criciúma - SC, 31/10/2019 - 10:13Atualizado em 31/10/2019 - 10:21
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Na batalha para trocar a fornecedora de água em Criciúma, no fim de janeiro a Prefeitura de Criciúma rompeu o contrato com a Agência Reguladora de Serviços Públicos de Santa Catarina (Aresc). Em abril foi acertado que a nova agência reguladora seria o Consórcio Intermunicipal de Saneamento Ambiental (Cisam-Sul). O preço da água não baixou e agora a Câmara montou uma Comissão Temporária Especial para analisar.

“Ontem mandamos um ofício para a Cisam-Sul, nós vamos fazer todo o acompanhamento dos custos, desde a barragem, até chegar nas torneiras do cidadão. Vamos fazer o acompanhamento in loco, para chegar a um custo real da tarifa de água e de esgoto, já que achamos o valor cobrado pela Casan bem alto”, contou o vereador Jair Alexandre (PSC), presidente da Comissão.

O prefeito Clésio Salvaro tentou romper o contrato com a Casan, mas acabou desistindo. A ideia era implantar o Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Samae). “Eu acredito que esses valores devem ser reduzidos, penso que a agência vai chegar numa redução da tarifa de água e de esgoto, por isso é acompanhar e fiscalizar”, disse Alexandre.

Segundo ele, está descartada a possibilidade de aumento na tarifa de água, já que não faria nenhum sentido após a troca de agência reguladora. “Eu acredito que não vai ocorrer isso, se tem algo que deve acontecer, é a manutenção desse valor ou a redução, a mais nunca”, frisou.