Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

As larvas do aedes na Rodoviária

Agentes vistoriam residências vizinhas para buscar possíveis novos focos
Por Bruna Borges Criciúma, SC, 11/01/2019 - 09:54
Divulgação
Divulgação

Oito larvas do mosquito Aedes Aegypti foram encontradas pela equipe da Vigilância Epidemiológica de Criciúma, durante fiscalização de rotina, em uma das armadilhas instaladas pelo Programa de Combate à Dengue do Município. O foco foi localizado pelos agentes no Terminal Rodoviário Algemiro Manique Barreto, na região central da cidade. 

“Essa armadilha sempre esteve ali e ela faz parte de um conjunto de 700 armadilhas distribuídas por toda a cidade. Nós temos uma armadilha instalada a cada 300 metros. Todos os bairros têm”, explica o supervisor dos agentes de endemias, Robson Teller. 

“O nosso programa possui 15 agentes de endemias e cada um deles tem, em média, 30 armadilhas para verificar todos os dias. Assim nós cobrimos essas 700 espalhadas pela cidade”, completa o supervidor.

Essa é a segunda vez que a equipe encontra focos na rodoviária. “Esse já é o segundo ano seguido que achamos larvas naquela armadilha. Não temos como saber exatamente o motivo, mas a nossa teoria é de que com o final de ano e o movimento maior de viagens, pode ter vindo um mosquito adulto de outra cidade dentro de algum ônibus e que ele tenha colocado ovos aqui”, comenta Teller. 

Trabalho intensificado

Após a captura das larvas e confirmação pelo laboratório de que se trata de focos do Aedes Aegypti, a Vigilância Epidemiológica iniciou um trabalho mais intensificado naquela região. “O que se faz agora é a delimitação do foco. A partir do local onde foi encontrado o foco é aberto um raio de 300 metros e todos os imóveis dentro desse perímetro são vistoriados para que se faça a verificação de possíveis outras larvas”, afirma Teller.

Sul é exemplo

Segundo dados da Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina (Dive/SC), Criciúma apresentou 21 focos do mosquito transmissor da Dengue e Chikungunya em 2018. O número é bem menor do que o registrado no mesmo período em cidades como Chapecó (1.023), Camboriú (822), Itajaí (1.047), Balneário Camboriú (1.200), Florianópolis (551) e Joinville (807).

“Aqui no Sul o Município mais próximo de Criciúma considerado infectado pelo mosquito é Passo de Torres”, comenta Teller. “Em Criciúma nós temos um resultado muito bom porque o Programa de Combate à Dengue é muito atuante e contamos, ainda, com a parceria da Vigilância Sanitária, que nos ajuda a vistoriar imóveis onde nós temos maior dificuldade de entrar”, pontua o supervisor.