Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

A realidade do Uber em Criciúma

Bom para os passageiros e uma alternativa de renda extra, a empresa chegou na cidade em junho e conta com quase 50 motoristas
Erik Behenck
Por Erik Behenck Criciúma - SC, 17/08/2017 - 08:04
(foto: divulgação)
(foto: divulgação)

O Uber é uma empresa multinacional de transportes, que surgiu como alternativa aos táxis, a companhia chegou a Criciúma em junho. Nestes primeiros dois meses foram recrutados aproximadamente 50 motoristas, possibilitando variados horários de atendimento. Passar a aceitar dinheiro como pagamento ajudou a aumentar o número de corridas.

“A demanda está bem alta, principalmente com o início dos pagamentos em dinheiro. Fui o primeiro aqui na cidade, trabalho indicando novos motoristas, mas eu não dirijo”, disse o representante do Uber para a região sul-catarinense, Jonathan Becker.

Foram registrados alguns incidentes envolvendo taxistas, mas o contato com os passageiros tem sido legal. A empresa não paga salário para os motoristas, cada um ganha conforme trabalhar, o que leva alguns a rodarem a noite inteira.

“Com o Uber eu trabalho das 19h até meia noite. Em alguns dias viro a noite indo até as 7h. Quero trabalhar para ganhar mais dinheiro, é meio que viciante”,  contou o motorista Pathryck Andreza Benedet, que possui outra profissão e dirige entre 45h e 50h por semana.

Nos fins de semana ele roda o dia inteiro, mas ainda não vê vantagem com isso. Afirma que para lucrar R$ 400,00 em uma semana tem que rodar quase 1.000 km.
“Não sei se vale muito a pena não, é muito trabalhoso. Ainda tem risco de acontecer alguma coisa com seu carro, que desvaloriza e gasta com a manutenção”, pensou Benedet.

Movimento

A procura por corrida varia conforme três fatores principais: dia, horário e o número de motoristas rodando em determinado instante.

“Normalmente tem mais movimento nas tardes de sábado e de domingo, e sextas a noite. Nas tardes chuvosas também”, lembrou Benedet. 

Existe transporte da Uber em praticamente 24h. Os motoristas que rodam em horários variados percebem com maior facilidade os momentos de picos.

“Lá pelas 6h da manhã e no final da tarde. Também nas entradas e saídas de festas”, afirmou o motorista Rangel Aurélio.

Usuários

O Uber conta com vantagens significativas em relação aos táxis e outros meios de transportes pagos. A rapidez no atendimento, e a quantidade de informações oferecidas pela empresa conquistam o público.

“Informações prévias, tempo para chegar até o passageiro, tempo aproximado da corrida e especialmente o valor a ser cobrado, e no fim da corrida o passageiro recebe um e-mail falando sobre a viagem. Simplesmente fantástico!”
Archimedes Naspolini

A disponibilidade de veículos em qualquer horário é outro fator importante. O aplicativo utiliza um sistema que facilita a escolha.

“Há sempre alguns disponíveis ao redor. O passageiro é atendido pelo mais próximo e pode acompanhar pelo celular a imagem do veículo se deslocando durante todo o trajeto”, completou Naspolini.

Lucro

Rangel Aurélio já é experiente na empresa, ele foi motorista em Porto Alegre. Normalmente trabalha entre 20h e 30h semanais. Acredita que essa seja uma oportunidade de renda extra.

“Com uma boa administração permite a realização de sonhos, como viajar ou comprar algo que dificilmente conseguiria apenas com a renda formal”, disse Aurélio. 

A expetativa é que a cidade abrace esse sistema de transporte. Conforme a procura aumente, novos profissionais deverão entrar para a empresa. 

“Muitas vezes vale mais a pena deixar o carro na garagem e ir com o Uber. É uma oportunidade para sair com os amigos beber e voltar em segurança”, destacou o gaúcho.

Mulheres na empresa

Em Criciúma a Uber conta com uma motorista, Aline Maria. Ela tem um emprego fixo, e dirige para a empresa apenas nas horas vagas. 

“Trabalho com o Uber porque gosto de trabalhar com o público, com pessoas. Nunca gostei de trabalhar em escritório, coisas do tipo”, explicou.

Ela afirma que nunca teve problemas relacionados ao Uber por ser mulher. Mas que angolanos causam conflitos, mexendo no veículo sem permissão e colocando músicas típicas do país.

“Até hoje não tive nenhum problema com assédio e coisas do tipo, as pessoas são respeitosas. Mas já tive problemas com angolanos, um deles queimou a luz do teto do meu carro”, mencionou Aline.

Taxas cobradas

A empresa cobra 25% dos motoristas da classe UberX e 20% da categoria UberBlack. O valor mínimo pago em viagens é R$ 4,00. O UberX cobra R$ 1,40 por quilometro rodado, além de R$ 0,26 a cada minuto. Também deve pagar a taxa de R$ 0,75. Em Criciúma só existe o UberX.

“As taxas são muito baratas, para os passageiros são boas, mas para o motorista nem sempre vale a pena. Muita gente aqui em Criciúma já desistiu”, desabafou Aline.

Uber no mundo

A maior cidade do Brasil, São Paulo, lidera o ranking mundial de corridas de Uber, o posto pertencia até 2016 à Cidade do México. No Brasil já foram realizadas mais de 500 milhões de corridas, desde o lançamento do serviço, em 2014.

Perspectiva

Alan Possamai fez apenas três corridas com o Uber, e acredita que seja um negócio vantajoso. Porém devido a outros compromissos não pode continuar, mas imagina voltar nos próximos meses.

“Meu carro é GNV (Gas Natural Veicular), então acaba compensando. Parei por falta de tempo”, disse o ex-motorista da empresa.