Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
CORONAVÍRUS - Saiba mais aqui

A defesa é o ponto forte do Turvo para o regional

Treinador Ricardo Moro fala em fazer primeiro apresentar um bom futebol para depois focar no título
Por Lucas Renan Domingos Criciúma, SC, 28/08/2018 - 11:00
Em 2017, time ficou em penúltimo na classificação geral / Foto: Daniel Búrigo/Arquivo/A Tribuna
Em 2017, time ficou em penúltimo na classificação geral / Foto: Daniel Búrigo/Arquivo/A Tribuna

A cautela tem sido a receita utilizada pelo time do Turvo para o Campeonato Regional da Liga Atlética da Região Mineira (Larm) de 2018. Atualmente com 30 jogadores no elenco, a equipe é formada, em sua maioria, por atletas que disputaram a Copa Sul dos Campeões com uma mescla dos jogadores de base. Com isso, a intenção dos turvenses, antes de chegar ao título, é apresentar um bom futebol.

“Estamos com elenco fechado. Se vier alguma contratação nova será no decorrer do campeonato. Primeiramente vamos brigar pela classificação. O ponto forte do nosso time é a defesa. Estamos apostando em saber defender para achar gols lá na frente”, afirmou o técnico do Turvo, Ricardo Moro. No ano passado, o time não fez uma campanha tão satisfatória. Em 2017, a equipe ficou em nono na classificação geral. A frente apenas de Lauro Müller, que foi rebaixado.

“Realmente não tivemos bons resultados nos últimos anos. Esperamos desta vez ir melhor. É o nosso objetivo principal. Depois passamos a pensar no título”, acrescentou Moro.

Estreia contra o Mãe Luzia

A primeira partida será contra o time do Mãe Luzia, Estádio Municipal Elizeu Manenti, na Vila Manenti, casa do Turvo, no próximo sábado. O treinador revela que não tem muito conhecimento sobre a equipe, mas espera um jogo difícil. “Eles tem histórico na competição. Por mais que tenham com poucos investimentos, eles não devem ter montado um time pra brincadeira”, relatou.

O técnico acrescenta ainda que a opção por utilizar jogadores que disputaram a Copa Sul dos Campeões com os meninos da base do time é um pensamento no futuro. “O clube como um todo passa por uma reformulação não só do time que irá entrar em campo, mas até mesmo da diretoria. Esse trabalho está começando com sonhos menos audaciosos. A ideia é dar uma continuidade e oportunidade para os meninos irem jogando e pensarmos em algo maior no futuro. Concluiu.