Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Aos poucos voltando... que dureza!

Santiago Mendonça
Por Santiago Mendonça 21/08/2018 - 08:00Atualizado em 23/08/2018 - 12:43

Quando fui ao especialista de ombro praticamente 25 dias depois da queda, aquelas 8 semanas que estavam previstas viraram 4.

 

O médico me falou que não tinha mais o que fazer do ponto de vista de reconstituição e o corpo ia fazer isso sozinho.

 

E me disse: - Semana que vem, já pode tirar a tipóia e iniciar a fisioterapia.

 

Aquilo soou como música para os ouvidos de uma cabeça que vinha bem triste e com muita chance de parar com o esporte que faço há 24 anos.

(durante os dias parado em casa, tentei manter o bom humor, mas realmente precisei ser muito forte nesse quesito. Uma amiga psicóloga me falou que isso era totalmente normal. Anormal seria ter outra sensação)

 

Dado o salvo conduto para iniciar a reabilitação, como um click, aquilo mudou totalmente minha maneira de pensar e iniciei as tratativas de voltar o mais rápido possível.

 

Fui para a fisioterapia e fui nadar. Isso mesmo, nadar!

 

Muita dor e fraqueza nos tendões que seguram o ombro, depois de 30 dias de imobilização.

 

As costelas doíam direto. Ainda doem quando respiro fundo. E não tem data para isso parar.

 

Os primeiros metros foram horríveis, virada olímpica, eu tentei. MEU DEUS que dor... voltei no tempo e lembrei do tempo de iniciação na natação, batendo a mão na borda e começando tudo de novo.

 

Como o médico tinha dito que eu não poderia fazer nada para PIORAR a situação, tive segurança para tentar fazer o que desse.

 

Ele só me falou que o limite seria a minha dor. E como atleta aguenta dor praticamente todos os dias, assim fui... fazendo o que dava, todo dia um pouco de exercício, uma coisa por vez.

 

Assim, com 30 dias depois da queda, coloquei minha bike no rolo (onde vc pode pedalar dentro de casa) e iniciei minha ˜fisioterapia” caseira, além da tradicional. Não preciso dizer o quanto era sofrido. Parecia que NUNCA tinha pedalado na vida... mesma sensação com a natação e com a corrida.

 

Eu sabia que precisava ter MUITA paciência...

4oito

Deixe seu comentário