Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Você é um "Escravo do Salário"

Quando a sua renda é tão boa que te atrapalha, o que fazer?
Por Arthur Lessa Edição 15/04/2022
(foto: Ron Lach / Pexels)
(foto: Ron Lach / Pexels)

Na semana passada tratamos de dívidas e do efeito delas na vida das famílias.

Além do vídeo semanal do dia 8 de abril (Invista, mas não agora), esse também foi o assunto do vídeo com o Leandro Benincá, da comunidade Um A Menos Na Poupança. Os dois vídeos estão no nosso canal.

Aproveitando o gancho, entendemos que o brasileiro é um povo endividado. Os dados apresentados na semana passada e na conversa com o Leandro só transformam essa informação em números.

E o endividamento, infelizmente, é cultural. É comum ouvir dizer que “para crescer na vida é preciso ter uns ‘carneirinhos’ para pagar”. O crescer na vida nesses casos é comprar, no mínimo, carro e casa própria. Normalmente, o que acontece é, nesses dois casos, ir atrás dos melhores que o próprio orçamento alcança.

Se você já tentou financiar sua casa num banco, deve ter visto que o limite aceito pela instituição para a parcela a ser paga é normalmente de cerca de 30% da renda do correntista. Se a renda for de R$ 10 mil mensais, dificilmente a área de risco do banco vai liberar a operação.

Mas esse é o limite do banco. É o máximo de risco que ele se propõe a assumir, levando em conta a possibilidade de inadimplência, calote e afins.

Mas esse percentual não deve ser base para o seu planejamento.

Afinal, você não vai trabalhar apenas para pagar o financiamento da casa, parcela do carro, compras do mês e escola dos filhos, certo?

Ou será que vai?

Se essa pergunta te incomodou, talvez você tenha se colocado numa posição de “escravo do salário”.

Mas o que é um escravo do salário?

Vamos começar com um exemplo do Renato Breia, da Nord Research, num episódio do Risk Takers que tratou da história da própria Nord.

>>> ACESSE O TRECHO AQUI <<<

Eu puxei esse vídeo porque traz dois pontos muito importantes!

O primeiro é que estar acorrentado (mesmo que figurativamente) como um escravo te deixa preso (também figurativamente) no local onde você está. No caso acima, a mesma pessoa que teve um grande ideia de negócio não entrou junto. Eles não detalhes específicos, mas fica entendido que ele estava confortável onde estava, na Empíricus, possivelmente com pouca margem para arriscar ficar sem receita por um longo período.

Ou, talvez com possibilidade, mas sem grande incentivo pra trocar o certo e confortável pelo duvidoso e arriscado.

O segundo ponto é o tamanho da bola de ferro que prende a corrente. Nesse caso estamos falando de quanto é esse salário. Quanto maior é o salário, mas preso fica o cidadão.

Quanto à parte do conforto, vai de pessoa para pessoa. Quem não tem perfil para risco, não tem e abraçará a inércia. Mas normalmente a questão financeira tem impacto significativo.

Então vamos às contas!

Afinal de contas, é muito mais fácil buscar no mercado uma receita de R$ 5 mil que de R$ 25 mil mensais. E digo receita porque pode ser salário, sim, mas pode ser algum serviço pontual, rendimento de investimento, consumo da reserva de oportunidade ou, se for o caso, da reserva de emergência.

Para 6 meses de R$ 25 mil, você precisa de R$ 150 mil guardados. Para 5 mil, são R$ 30 mil. Se for em rendimentos, levando em conta um rendimento de FII de 0,8% a.m., para o primeiro caso são R$ 3,125 milhões. Para o segundo caso, R$ 625 mil em cotas.

Aí o que muda é a evolução que você impõe à sua vida.

Eu sei, e qualquer pessoa que tenha o mínimo de consciência sabe, que existem famílias que tem uma receita que é no máximo suficiente pra ter uma condição de vida aceitável. Mas não se pode usar essa informação para encobrir uma outra massa de pessoas que não tem se satisfaz com nenhum nível de gastos. Cada avanço na receita gera um incremento nas despesas, e o percentual de reserva segue beirando os 0%. É se manter na roda dos ratos, correndo sem sair do lugar.

Há quem recebe R$ 100 mil e não pode parar de trabalhar pelo estilo de vida e perfil de patrimônio. Tem em mente que tem um patrimônio de R$ 5 milhões, mas R$ 4,5 milhões são o valor da casa e R$ 500 mil é o valor do carro. Se precisar de dinheiro, rifa o carro ou sai de casa? E quanto tempo leva pra transformar essas coisas em dinheiro pra pagar as contas do mês?

Nesse raciocíno, o que escraviza não é o salário, são as contas. Mas quem as assume é você. Então, resolvendo a equação, quem se escraviza é você.

Você se vê nessas algemas? Se não, aproveite e se prepare para evitá-las!

Copyright © 2021.
Todos os direitos reservados ao Portal 4oito