Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Vereador de Treviso faz denúncia contra colega por contratações sem licitação

Ângelo Tasca diz que Reginaldo Rizzati agiu de maneira errada quando era secretário
Erik Behenck
Por Erik Behenck Treviso - SC, 11/12/2019 - 18:27Atualizado em 11/12/2019 - 18:33

Na sessão da Câmara de Vereadores de Treviso, de terça-feira, 10, o vereador Ângelo Tasca (PP) protocolou uma denúncia envolvendo o parlamentar Reginaldo Rizzati (MDB). Segundo Tasca, entre novembro de 2015 e abril de 2016, o vereador Rizzati ocupou o cargo de secretário de Obras, e durante o período, o município contratou uma empresa de mecânica sem processo licitatório.

“Na última eleição esse vereador era secretário, quando ele foi, fez serviços de R$ 186 mil, tudo sem licitação e sem orçamento, até R$ 8 mil poderia fazer uma compra direta, então precisava de uma licitação para ver qual empresa ganharia o serviço”, contou Tasca. Segundo ele, há indícios de que serviços não foram realizados, mas isso não foi colocado na denúncia por falta de provas.

A denúncia solicita a criação de uma Comissão Especial de Inquérito (CPI) para apurar os fatos. O presidente da casa, vereador Sidnei Viola (PP) encaminhou a documentação às Comissões Permanentes da Câmara. “Eu vejo que ele na condição de vereador tem o direito de fazer qualquer denúncia, contra os colegas e contra pessoa comum. Eu não sei se essa denúncia está bem formulada, eu falei com o jurídico do caso, no entender deles pode ser de ilegitimidade”, disse Rizzati.

Conforme Tasca, ele encontrou essas irregularidades enquanto era secretário de Indústria e Comércio, um período que investigou as notas de outras secretarias e fez a contabilidade da Prefeitura. “Aí um dia eu acabei encontrando essa dai, e identifiquei que não era certo”, contou. A denúncia ainda não foi votada, para abertura de uma CPI.

Vereador acusado se defende

Segundo Rizzati, a denúncia deveria conter os secretários que estiveram no cargo antes dele, ao longo de todo o mandato, assim faria sentido. Disse que em todos os documentos entregues, em nenhum deles o seu nome não é apresentado.

“Quem faz as contratações de serviços da oficina não é o secretário e sim a Secretaria, as licitações, tem uma equipe para isso. Eles possuem todo um embasamento de dados e tudo o que tem aqui são relatórios e nenhum tem o meu nome”, afirmou.

Se o vereador Tasca acredita que seu pedido não foi votado por birra do presidente da casa, o acusado também pensa que é vítima. “Isso é porque eu participei de uma comissão de investigação contra o prefeito e contra o secretário, então eles estão tentando atacar um e outro. Eu nunca tive medo de nada e só quero que a coisa seja feita de maneira clara”, declarou.