Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Transporte de cargas e voo até Guarulhos estão na mira do aeroporto de Jaguaruna

RDL espera apresentar as duas novidades ainda neste ano, dependendo de ajustes do governo do Estado
Heitor Araujo
Por Heitor Araujo Jaguaruna - SC, 14/01/2020 - 11:48Atualizado em 14/01/2020 - 11:51
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

A administração do aeroporto de Jaguaruna pretende anunciar novidades em 2020. A ideia é tornar o espaço apto para o voo de cargas, além de ampliar as rotas comerciais, mesmo com o insucesso do período de teste da linha que liga o Sul catarinense a Porto Alegre: está na mira da RDL uma rota direto para Guarulhos, de acordo com o diretor comercial, André Constanzo.

"Podemos anunciar voos que estávamos em negociações no ano passado. Ainda estamos no aguardo dos incentivos fiscais e tributários, que seja exigida uma contrapartida que as companhias possam atender. A lei estadual do ano passado foi impossível de ser atendida. Quem conseguiu foi o estado de São Paulo. Para este ano, o governo de Santa Catarina está indo atrás disso através da secretaria da Fazenda", anunciou André.

"Acho que tem uma demanda reprimida e a companhia que vier operar vai sair satisfeita", acrescentou o diretor comercial. Segundo ele, a Latam e a Gol já demonstraram interesse em assumir essa nova rota. A expectativa é de que ela seja anunciada ainda no primeiro semestre deste ano.

Para o segundo semestre, a administração do aeroporto aguarda a liberação de verbas do governo do Estado para o alargamento da pista de pouso e decolagem. Atualmente com 30 metros, o projeto é ampliá-la para 45 metros e assim viabilizar os voos de transporte de carga. De acordo com André, essa é uma demanda real do aeroporto de Jaguaruna. 

"Existe a procura, pela posição estratégica de Jaguaruna, que define o DNA natural dele para ser de cargas, porque está em volta de vários modais de transporte, o rodoviário, ferroviário e de portos marítimos", afirmou. Não está descartada a possibilidade de voos internacionais nesse sentido. "Uma empresa que conversa conosco é um grande player internacional. Pode começar a operar nacionalmente e depois pode passar para voos internacionais", apontou.

Um orçamento anterior para o alargamento da pista era de R$ 10 a 15 milhões. Posterior ao alargamento, terá que ser construído um terminal próprio para as cargas. "Após ter o ambiente propício (de pista), provavelmente as companhias que serão operadoras apresentarão as demandas. Pode ser de carga leve, pesada, depende do que eles acham conveniente", esclareceu André. 

"Requer o recurso, mas assim que tenha finalizado o processo e tenha a sinalização do dinheiro, será feita a licitação. Não é uma obra demorada, acho que se conseguisse sinal positivo no segundo semestre deste ano, poderia ser concluída em três a quatro meses a partir disso", falou o diretor sobre o tempo estimado para que o alargamento da pista seja colocado em prática.